início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

E toda a nossa esperança está em Deus

Henrique Chagas*

Há meses recebi pelo correio o livro "A SOMBRA DE DEUS", de Maria Lúcia Pinheiro Sampaio, e prometi lê-lo, comentá-lo aos leitores do nosso sítio VERDES TRIGOS. Um livro de poesias com uma temática muito forte, apesar da aparente simplicidade, onde a Autora investe-se na origem do mal, das pessoas, dos sentimentos e do próprio Ser Supremo. É instigante e perturbador, como tem sido toda a obra da Autora.

Demorei para lê-lo, digeri-lo e entender sua magnitude. Valeu a pena lê-lo com calma e de forma reflexiva.

A Sombra de Deus é um livro que a analisa a natureza do mal e descreve os crimes da humanidade e dos indivíduos. A escritora teve, segundo a introdução de sua obra, há mais de dez anos, a revelação, através de sua poesia, de que Deus e Satã eram a mesma pessoa. Como eu e você leitor, ela também ficou perplexa e se dispôs a estudar outros místicos que tiveram a mesma revelação. Afirma a Autora que uma poderosa força levou-a vivenciar e a estudar o mal.

Neste livro, a autora retrata os crimes cometidos pela humanidade do passado e do presente, nele os crimes da Inquisição, do comunismo, das ditaduras, do nazismo, da escravidão são analisados.

Estuda a natureza do mal, que, segundo ela, provém de Deus e das opções dos homens. Traça um retrato terrível da humanidade e mostra que o mal é o maior problema que a humanidade enfrenta. Se ela não conseguir dominar o mal, poderá ser destruída por ele.

O livro é um épico moderno e narra a luta do bem contra o mal, através do tempo. É a história da maldade humana. Segundo a Autora estudar o mal e suas manifestações e atos, e descrevê-los é uma forma de exorcizá-los.

Apesar do forte conteúdo de seu livro e de uma desesperançada análise do mal, a Autora afirma acreditar que Deus não está alheio aos problemas do mundo; pelo contrário, encarnou-se na condição humana e com o homem sofre martirizado. E pela atitude dos homens de bem é esperado a atuação de Deus para a salvação da humanidade; e tal atitude decorre da íntima ligação entre Deus e o ser humano, que, por certo, nos redimirá e nossa culpa e de nossos erros.

Porém, como eu creio que a maior de todas as virtudes é a esperança, maior que o amor e que a própria fé, sinto-me, depois da leitura de "A SOMBRA DE DEUS" como , o sofredor bíblico, clamando pela intervenção divina, e esperando, como aconteceu com Jó, que quando Deus intervém, é para revelar a sua transcendência e nos reduzir ao silêncio. O homem deve persistir (esperança) na fé mesmo quando o seu espírito não encontra sossego. E toda a nossa esperança está em Deus.

"Os sofrimentos do tempo presente não tem comparação com a glória que há de revelar-se em nós. Pois a criação em expectativa anseia pela revelação dos filhos de Deus." (Rm 8,18-19). Paulo de Tarso, Apóstolo de Cristo.

Contatos com a Autora do livro: Maria Lúcia Pinheiro Sampaio - Prof. da UNESP(Assis/SP) - lucia@femanet.com.br

Sobre o Autor

Henrique Chagas: Henrique Chagas, 49, nasceu em Cruzália/SP, reside em Presidente Prudente, onde exerce a advocacia e participa de inúmeros eventos literários, especialmente no sentido de divulgar a nossa cultura brasileira. Ingressou na Caixa Econômica Federal em 1984. Estudou Filosofia, Psicologia e Direito, com pós-graduação em Direito Civil e Processo Civil e com MBA em Direito Empresarial pela FGV. Como advogado é procurador concursado da CAIXA desde 1992, onde exerce a função de Coordenador Jurídico Regional em Presidente Prudente (desde 1996). Habilitado pela Universidade Corporativa Caixa como Palestrante desde 2007 e ministra palestras na área temática Responsabilidade Sócio Empresarial, entre outras.

É professor de Filosofia no Seminário Diocesano de Presidente Prudente/SP, onde leciona o módulo de Formação da Consciência Crítica; e foi professor universitário de Direito Internacional Público e Privado de 1998 a 2002 na Faculdade de Direito da UNOESTE, Presidente Prudente/SP. No setor educacional, foi professor e diretor de escola de ensino de 1º e 2º graus de 1980 a 1984.

Além das suas atividades profissionais ligadas ao direito, Henrique Chagas é escritor e pratica jornalismo cultural no portal cultural VerdesTrigos (www.verdestrigos.org), do qual é o criador intelectual e mantenedor desde 1998. É jurado de vários prêmios nacionais e internacionais de literatura, entre eles o Prêmio Portugal Telecom de Literatura.

No BLOG Verdes Trigos, Henrique anota as principais novidades editoriais, literárias e culturais, praticando verdadeiro jornalismo cultural. Totalmente atualizado: 7 dias por semana.

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

Sobre o romance existencial de Clair de Mattos,  por Leodegário Amarante de Azevedo Filho.
Uma narrativa de ficção pungente e complexa. Katherine parece reviver o mito do vaso de Pandora, já destampado, daí surgindo a aparente felicidade desfeita por todos os males e toda a miséria que cercam a pobre condição humana.  Leia mais
Resíduo,  por Cândido Rolim.
Para a poesia, melhor ser efêmera e, portanto, sujeitar-se mais vezes à ressurreição, do que, sem o auxilio da sutileza, promover a morte definitiva do signo e dos significados, convém um trapo ante a linguagem, arte sem nobre rumor, que faz e desfaz o vasto campo gravitacional da tradição.  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página