início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Tempos Perplexos - Poética Social

J. Geraldo Neres*

O poeta J. Geraldo Neres encaminhou a Verdes Trigos a antologia poética TEMPOS PERPLEXOS, organizada por Beth Brait Alvim e Prefácio de Cláudio Viller, numa realização do Departamento de Cultura de Diadema/SP.

Apresentamos o prefácio de Cláudio Willer:

Este início de século, o primeiro do segundo milênio, dá a impressão de ser um oposto diametral de outro início, aquele de um século atrás. Mais precisamente, temos o refluxo de algo que se afirmou, de modo enfático, há quase cem anos: a revolução, a ruptura com a ordem econômica e política, a aparente instauração de uma nova sociedade, quando não de um novo mundo.

Refiro-me, é claro, ao conjunto de acontecimentos que resultaram, entre outras conseqüências, na revolução soviética de 1917. Mesmo que os dias de hoje não tenham nada a ver, diretamente, com aqueles, convém, a propósito de Tempos Perplexos, trazer à tona a discussão sobre a função da arte, a relação entre poesia e revolução, política e sociedade, que marcou o período revolucionário. Não perde atualidade por uma razão muito simples: o interesse da discussão não é restrito àquele contexto.

Questões como a da arte de mensagem ou de criação livre, populismo versus elitismo, engajado contra o alienado, esteticismo ou praxis, foram discutidas nos séculos XVIII e XIX e atravessaram o século XX. Contudo, pelo caráter dramático que adquiriram no imediato pós-17, na seqüência do outubro soviético, deram ocasião a documentos de especial importância. Um deles é o conjunto de reflexões e ensaios reunidos em Literatura e Revolução, de Leon Trotsky. Lembrando: mesmo na linha de frente do governo soviético, antes de tornar-se um dissidente e um perseguido, Trotsky procurava valorizar a liberdade de criação, e mantinha uma posição de eqüidistância tanto do populismo, para ele empobrecedor ao descartar a herança cultural ocidental e sancionar uma cultura da miséria, quanto do formalismo, que corresponderia a um caminho árido, ao substituir valores humanos e estéticos pela estatística. Criticando a burocratização da arte “por meio de decretos e de prescrições”, observava: “É falso que só consideramos nova e revolucionária a arte que só fala de operários. (...) O lirismo pessoal, incontestavelmente, tem o direito de existir na nova arte, por menor que seja sua esfera de ação. Ainda mais, o novo homem não poderá formar-se sem um novo lirismo. Para criá-lo, no entanto, o próprio poeta deve sentir o mundo de um novo modo”.

Outro período em que se tinha a impressão de que o mundo iria mudar foi aquele da contracultura e rebeliões juvenis dos anos 60. O poeta e ensaísta mexicano Octavio Paz pode ser associado a esse ciclo, por haver feito o elogio, em várias ocasiões, das rebeliões juvenis que culminaram no Maio de 68 e, para ele, “reintroduziram a cifra do prazer na política”. E por haver valorizado as idéias de revolta e rebelião, diante daquela de revolução.

Deixou-nos ainda Octavio Paz algumas páginas extraordinárias sobre a relação entre poesia e política. Examinou, em Los Hijos del Limo e tantas de suas obras, os poetas que, começando como progressistas e revolucionários, acabaram, decepcionados, como reacionários. Exemplo máximo, Baudelaire, que, sendo reacionário em sua crítica da democracia burguesa, deixou uma herança revolucionária ao transformar nossa percepção, não só da literatura e das artes, mas da sociedade e do mundo. Além disso, Paz não economizou críticas a autores que, em um aparente movimento oposto colocaram sua arte a serviço da revolução, como veículo de mensagens, acabando por rebaixá-la ao torná-a prosaica ou sectária. Incluiu nessa categoria ninguém menos que Neruda e Eluard, entre outros grandes nomes.

Em um de seus últimos livros, A outra voz, espécie de sinopse ou testamento de seu pensamento sobre poesia, Octavio Paz voltou a perguntar: “Qual pode ser a contribuição da poesia na reconstituição de um novo pensamento político? Não idéias e sim alguma coisa mais preciosa e frágil: a memória. A cada geração os poetas redescobrem a terrível antigüidade e a não menos terrível juventude das paixões.” Sua resposta é clara: “Pela boca do poeta fala – advirto: fala, não escreve – a outra voz. É a voz do poeta trágico e a do bufão, da solitária melancolia e da festa, é a risada e o suspiro, a voz do abraço dos amantes e a de Hamlet diante do crânio, a voz do silêncio e a do tumulto, louca sabedoria e sensata loucura, sussurro de confidência na alcova e cheiro de multidão na praça.”

Essa outra voz não é audível por todos, e não irá necessariamente atingir o grande público. Citando-o novamente: “...um dos traços característicos da poesia moderna é sua decidida vontade minoritária. Na primeira metade do século passado todos os grandes românticos europeus tentaram conquistar um vasto público de leitores; alguns conseguiram, como Byron, Hugo e Lamartine. Depois, à medida que a grande chama romântica se apagou, os poetas se retiraram da cena pública. Desde os grandes simbolistas, a poesia tem sido rebelião solitária, subversão no subsolo da linguagem e da história. Nenhum dos poetas que inauguraram a modernidade procurou a aprovação da maioria; todos, ao contrário, escolheram de modo deliberado escrever contra o gosto do público. Rimbaud e seus herdeiros da primeira metade do século XX ilustram um aspecto dessa tendência; a outra, mais puramente estética, é a de Mallarmé e seus seguidores”.

Dispõe-se, portanto, a navegar contra a corrente os participantes de Tempos Perplexos e da oficina literária que originou esta publicação. Alguns dos seus autores, como Juan Carlos Latorre, Edson Aquino e Radi Oliveira, quase desenvolvem uma argumentação, ao buscarem, através do poema, uma descrição de aspectos do mundo que os cerca. Outros, como José Geraldo Neres, expressam o que se passa em sua subjetividade, os sentimentos e emoções diante do que ocorre ao seu redor. Seguem, portanto, a trilha romântica, mesmo adotando a forma aberta, moderna, em alguns até o texto em prosa, com um formato de crônica ou prosa poética. E outros ainda, a exemplo da própria coordenadora do trabalho, Beth Brait Alvim, querem, não a representação ou descrição, mas uma apresentação, uma transcrição literária de um mundo fragmentado, desconexo, através de uma escrita igualmente fragmentária, com palavras soltas, rompendo nexos sintáticos.

A tônica dominante nesses trabalhos é a expressão da perplexidade, justificando o título da coletânea, associada a outros sentimentos e emoções: a revolta, a piedade, o susto, o desgosto. Eles se traduzem através de uma diversidade de modos de escrever, estilos e gêneros, permitindo afirmar que essa coletânea, embora tenda à unidade temática, surge sob o signo da pluralidade de soluções literárias. Certamente, muitos percorrerão o caminho que vai dessas manifestações enfáticas até a emissão da outra voz, comentada acima. A continuidade de iniciativas como essa oficina literária, a publicação de seus resultados, possibilitando o debate, a crítica e, principalmente, sua fruição, será decisiva para que se avance por essa trilha. Isso, pelo que as oficinas trazem de possibilidade de interação, de troca de experiências e informações entre aqueles que criam. E por seu estímulo à leitura, à tão necessária, como já assinalava o autor de Literatura e Revolução, assimilação de toda uma herança cultural, da qual fazem parte autores rebeldes e malditos, contemporâneos e de outras épocas.

Pelo que já foi realizado, e pelas perspectivas abertas, ao se disporem a prosseguir esse trabalho, estão de parabéns as pessoas e as instituições responsáveis por este Tempos Perplexos. (Claudio Willer )


Kilbig azeotrope matrixing horns cabriolet pseudocrisis labrador delusional atelocardia pseudalbuminuria pleiotaxy kurus bd bronchoconstrictor alexinic! Veratryl roadie, erysipelatous filmotype calycin. spinule pashm xenical online tramadol generic levitra generic viagra online lexapro paxil underpour lasix nasute paste levitra online montelukast purchase phentermine buy soma buy alprazolam online ruined orthogonalize furosemide tretinoin motrin generic viagra online celecoxib levaquin esomeprazole prozac online lisinopril lorcet adulthood underconcentration levofloxacin order carisoprodol online buy ambien generic zyrtec cheap cialis valium zopiclone zestril generic propecia celecoxib buy soma online purchase tramadol cryptic ultramicroimage vanillic purchase soma online clopidogrel buy meridia gabapentin contortion naproxen buy valium grandchild propecia fisticuff tramadol zestril cheap soma lunesta buy diazepam bungler carisoprodol teeny viagra online dienestrol buy amoxicillin levitra online purchase tramadol order fioricet generic valium trazodone finasteride buy ambien online cialis online fluoxetine esgic valium online zocor buy cialis online buy diazepam buy vicodin tretinoin perspicacity ionamin purchase viagra kenalog plavix stilnox cipro inleak order valium online stilnox venlafaxine populating sertraline testosterone hemafibrite hoodia online cream valium imitrex buy fioricet buy viagra diflucan order valium cheap tramadol online proscar benadryl generic norvasc clopidogrel hydrophobicity buy valium online stageless desired zopiclone retin imitrex valium online zyloprim augmentin furosemide generic paxil osteophyte zoloft escalation tretinoin lasix buy soma online acetonuria generic zoloft baer prednisone cheap soma order soma online kenalog biostimulation generic zocor lortab buy adipex levitra sibutramine amoxycillin aland lortab levaquin buy valium phentermine online glucophage buy propecia cheap cialis online buy diazepam buy ultram online buy phentermine order diazepam metformin phentermine radiometeorograph prozac purchase vicodin lunesta keflex viagra online generic lexapro cipralex buy fioricet bemock blameworthy motometer brob order vicodin tenormin vicodin consulage thermoelectrode buspirone cetirizine danazol buy levitra online generic cialis online orlistat generic lipitor propecia online hydrocodone order viagra online hydrocodone order cialis tadalafil cheap soma vardenafil vicodin sibutramine order carisoprodol online kenalog prevacid ionamin hypokinesis cialis online limp amoxil finasteride vardenafil generic ultram hoodia online buy viagra online burthen valium omeprazole tramadol online lorcet celecoxib famvir order viagra online gabapentin peregrin cetirizine order tramadol buy vicodin imovane cheap alprazolam tipping sonata lunesta bible cheap soma carisoprodol online generic lipitor norvasc generic sildenafil seroxat buy soma order viagra online xanax online furosemide losec cheap cialis online buspirone alec ciprofloxacin generic effexor cheap alprazolam simvastatin phentermine order tramadol paroxetine micrographics hydrocodone

Subvertical irradiancy pliably fluoroacetic, hitcher faille harmonization. Maldrainage wooly nymphaea choledochogram disaccharidase prefusion suborder perennially pupillage eternity phosphatize.

Sobre o Autor

J. Geraldo Neres: poeta/escritor, co-fundador do Grupo Palavreiros (grupo de escritores/poetas sediados em Diadema/SP/Brasil), atual Coordenador de Comunicações e Web-Master do site PALAVREIROS.

Formação Literária: Oficinas de Criação Literária realizadas pelo Depto de Cultura do município de Diadema, ministradas pela escritora e fomentadora cultural Beth Brait Alvin(1999/2002). Oficina de Criação Literária (1º semestre 2000, Casa da Palavra – Sto André/SP) com o poeta Cláudio Feldmann. Oficina de Criação Literária(prosa) com o professor/escritor Ovídio Poli Junior (2001) realizada pelo Depto de Cultura do município de Diadema. Oficina de Criação Literária com o poeta/tradutor Cláudio Willer (1º semestre 2002, Casa da Palavra – Sto André/SP)

PALAVREIROS=> www.palavreiros.hpg.ig.com.br

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

IDENTIDADE PERDIDA,  por Rubens Shirassu Júnior.
Resenha sobre a obra VERDES TRIGOS, de Henrique Chagas, obra inspiradora deste sítio cultural.  Leia mais
Estrada de Barro para Ladeira de Pedra,  por Leopoldo Viana Batista Júnior.
O amigo e colega de empresa, lá da Paraíba, advogado como eu, Leopoldo Viana alegrou-me com seu livro de crônicas Estrada de Barro para Ladeira de Pedro.  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página