início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Safo - Breve Nota e Traduções

Giuliana Ragusa*

A representação de Afrodite na lírica de Safo

Neste livro, Giuliana Ragusa, centrando-se na lírica arcaica de Safo, a célebre poeta da ilha de Lesbos, redimensiona a imagem da deusa Afrodite, complexa e multifacetada, percorrendo, além da literatura, a história, a religião, a arqueologia e a iconografia gregas. Desse trajeto resultam cuidadosas análises, interpretações e traduções dos fragmentos poéticos que chegaram até nós. Assim, o leitor encontrará um denso e estimulante estudo da fragmentária, porém rica, representação sáfica de Afrodite.

Safo nasceu na ilha de Lesbos, provavelmente em Mitilene, por volta de 630 a.C.: eis o que de mais certo sabemos sobre a biografia dessa poeta, a única do período arcaico grego (circa 800-480 a.C.) cuja obra atravessou os séculos e chegou até nós.

..... Em seu tempo, a poesia lírica ainda não se divorciara da música. Ao contrário, era destinada a ser cantada ou recitada com acompanhamento musical numa determinada ocasião de performance. Safo praticou pelo menos três subgêneros líricos que os poemas aqui traduzidos ilustram: monódias, ou seja, cantos solos apresentados com o acompanhamento da lira (fragmentos 1 V, 2 V, 16 V, 44 V, 96 V), cantos corais (fragmento 140 V) e epitalâmios (fragmento 112 V), canções inseridas no quadro da cerimônia de casamento para louvar os noivos ou para celebrar sua união de maneira jocosa, o que denuncia as suas raízes populares.

..... As canções sáficas chegaram-nos em estado material precário: faltam-nos versos, palavras, inícios e finais de suas composições. Na realidade, tudo o que temos são fragmentos, denominação mais apropriada. Nem por isso a força da lírica de Safo foi comprometida: desde a Antigüidade até hoje, os ecos de seus versos e mesmo dos mitos e das ficções em torno de sua ignorada biografia se fazem ouvir nas obras da literatura ocidental, seja na prosa, na poesia ou no teatro.

..... Na tradução, note-se que seus fragmentos não têm títulos, mas números que normalmente coincidem nas suas duas edições mais importantes de Safo: Poetarum Lesbiorum Fragmenta (1955), de Denys Page e Edgar Lobel, e Sappho et Alcaeus: fragmenta (1971), de Eva-Maria Voigt.

De florido manto furta-cor, ó imortal Afrodite,
filha de Zeus, tecelã de ardis, suplico-te:
não me domes com angústias e náuseas,
........veneranda, o coração, ...............................................................................4
mas para cá vem, se já outrora -
a minha voz ouvindo de longe - me
atendeste, e de teu pai deixando a casa
........áurea a carruagem ................................................................................... 8
atrelando vieste. E belos te conduziram
velozes pardais em torno da terra negra -
asas rápidas turbilhonando, céu abaixo e
........pelo meio do éter. ....................................................................................12
De pronto chegaram. E tu, ó venturosa,
sorrindo em tua imortal face,
indagaste por que de novo sofro e por que
........de novo te invoco, ....................................................................................16

e o que mais quero que me aconteça em meu
desvairado coração. "Quem de novo devo persuadir
(?) ao teu afeto? Quem, ó
........Safo, te maltrata? ....................................................................................20
Pois se ela foge, logo perseguirá;
e se presentes não aceita, em troca os dará,
e se não ama, logo amará,
........mesmo que não queira". ......................................................................... ..24
Vem até mim também agora, e liberta-me dos
duros pesares, e tudo o que cumprir meu
coração deseja, cumpre; e, tu mesma,
........sê minha aliada de lutas. ...........................................................................28


Fr. 2:

Para cá, até mim, de Creta, (para este?) templo
sagrado, onde (...) e agradável bosque
de macieiras, e altares nele são esfume-
........ados com incenso. .....................................................................................4
E nele água fria murmura por entre ramos
de macieiras, e pelas rosas todo o lugar
está sombreado, e das trêmulas folhas
........torpor divino desce. ...................................................................................8
E nele o prado pasto-de-cavalos viceja
(...) com flores, e os ventos
docemente sopram (…)
Aqui tu (...) tomando, ó Cípria*,
nos áureos cálices, delicadamente,
néctar, misturado às festividades,
........vinho-vertendo ... ....................................................................................16

*: outro nome de Afrodite.


Fr. 16:

Alguns, renque de cavalos, outros, de soldados,
e outros, de naus - sobre a terra negra dizem
ser a coisa mais bela, mas eu (digo): o que quer
........que se ame. ..............................................................................................4
Inteiramente fácil fazer compreensível a
todos isso, pois a que muito superou
em beleza os homens, Helena, o marido*,
........o mais nobre, ............................................................................................8
tendo deixado, foi para Tróia navegando,
até mesmo da filha e dos queridos pais
completamente esquecida, mas desencaminhou-a
........Afrodite (?) .............................................................................................12
........(...)
(...) agora traz-me Anactória à lembrança,
........a que está ausente, ..................................................................................16
Seu adorável caminhar quisera ver,
e o brilho luminoso de seu rosto,
a ver dos lídios** as carruagens e a armada
........infantaria... ....................................................................................................20

*: Menelau.
**: povo da antiga Lídia (atual Turquia), bem próxima de Lesbos, poderosa e rica em ouro.


Fr. 44:

(...)
Veio o arauto (...)
Ídaos (...), veloz mensageiro:
"(...)
Heitor e os companheiros a de vivos olhos trazem ...................................................5
de Tebas sacra e da Plácia de fontes perenes - ela,
delicada Andrômaca -, nas naus, sobre o salso
mar. E muitos braceletes áureos e vestes
de púrpura fragrantes, adornos furta-cor,
incontáveis cálices prateados e marfins". .............................................................10
Assim ele falou; e rápido ergueu-se o pai querido, Príamo;
e a nova, cruzando a ampla cidade, chegou aos amigos.
De pronto os troianos às carruagens de boas rodas
atrelaram as mulas, e nelas subiu toda a multidão
de mulheres e junto as virgens (...), ....................................................................15
mas apartadas as filhas de Príamo (...)
e cavalos os homens atrelaram aos carros (...)
... rumou (...) em direção a Ílio*,
e a flauta de doce som (...) se misturou
e o som das castanholas (...) e então as virgens ...................................................25
cantaram uma canção sacra e chegou aos céus
eco divino (...)
e em toda parte estava ao longo das ruas (...)
crateras e cálices (...)
mirra e cássia e incenso se misturavam, ..............................................................30
e as mulheres soltavam alto brado, as mais velhas,
e todos os homens entoavam adorável e alto
peã a Apolo invocando o Arqueiro habilidoso na lira,
e hineavam Heitor e Andrômaca, semelhantes aos deuses.**

*: outro nome de Tróia.
**: Os personagens citados fazem parte da realeza troiana retratada na Ilíada de Homero (c. 750 a.C.?). Note-se que, no épico, Apolo, como outros deuses, coloca-se ao lado de Tróia e contra os gregos, que, por sua vez, também tinham deidades que os favoreciam, como Atena.


Fr. 96:

(...)
Mas agora ela se sobressai entre Lídias mu-
......lheres como, depois do sol
...............posto, a dedirrósea lua ........................................................................8
supera todas as estrelas; e sua luz se es-
......parrama por sobre o salso mar
.......e igualmente sobre multifloridos campos. ......................................................11
E o orvalho é derramado em beleza, e bro-
.....tam as rosas e o macio ce-
........refólio e o trevo-mel em flor. .....................................................................14
E (ela) muito agitada de lá para cá a re-
...cordar a gentil Átis com desejo;
...decerto frágil peito (...)? se consome. ..............................................................17


Fr. 112:

.............................Ó feliz noivo, tua boda, como pediste,
.............................se cumpriu, e tens a virgem que pediste.
.............................Tua forma é graciosa, e (....) olhos de
.............................mel, e amor se derrama na desejável face
.............................(...) honra-te em especial Afrodite...


Fr. 140:

............................."Morre, Citeréia*, delicado Adônis. Que nos resta fazer?"
............................."Golpeai, ó virgens, vossos seios, e lacerai vossas vestes..."**


*: outro nome de Afrodite.
**: nos mitos antigos, Afrodite e Adônis são amantes separados pela morte dele, que ocorre no auge de sua juventude e virilidade.


Sobre o Autor

Giuliana Ragusa: Giuliana Ragusa é professora de Língua e Literatura Grega da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, onde defendeu sua dissertação de mestrado "Fragmentos de uma deusa: a representação de Afrodite na lírica de Safo" (agosto de 2003), que se encontra na biblioteca da Faculdade de Letras da USP.
É autora do artigo intitulado "De compositione uerborum: apontamentos para uma reavaliação do tratado de Dionísio de Halicarnasso", da revista especializada Letras Clássicas, número 4, 2000 (2002), p.137-154, publicada pela Editora Humanitas, São Paulo.

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

O Contrato segundo Karl Larenz,  por Henrique Chagas.
Conforme ensinamento do Professor Renan Lotufo, se o Código Civil Francês foi produto de uma concepção antropocêntrica, colocando o homem no centro do universo jurídico, a pandectística alemã tinha a pretensão de ser estritamente científica, neutra, rejeitando todo e qualquer sistema ideológico. É adentrando neste sits in leban que estudamos Karl Larenz.  Leia mais
Um tempo mítico,  por Miguel Sanches Neto.
Depois de um longo tempo de guerra civil, soldados das Nações Unidas estão em Moçambique para acompanhar o processo de paz. O romance narra estranhos acontecimentos de uma pequena vila imaginária, Tizangara, ao sul do país, onde militares da ONU começam a explodir subitamente.
 Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página