início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

"Bíblia" de musa antiglobalização chega ao Brasil

Naomi Klein*

Sem Logo - A Tirania das Marcas em um Planeta (Editora Record, 544 págs. R$ 50,00), livro da jornalista canadense Naomi Klein, foi lançado no Brasil - aproveitando a presença da autora no 2º Fórum Social Mundial de Porto Alegre e já se encontra nas melhores livrarias. Naomi, de 31 anos (já considerada musa antineoliberista e antiglobalização, embora negue o título) participou também do debate Globalização e Justiça Social.

A edição brasileira do livro tem posfácio dedicado ao Brasil. No Logo (título original) revela, segundo a autora, o processo de traição das promessas centrais da era da informação: maior número de opções, aumento da interatividade e liberdade crescente. Oferece, ainda, uma organizada compilação dos protestos mais significativos contra as grandes corporações e sua influência mundial. Saudado pelo jornal New York Times como "(...) a bíblia de um movimento", o livro foi considerado pelo jornal britânico The Observer "equivalente a O Capital para o crescente movimento anticorporativo".

Em 1992, a Nike pagou US$ 20 milhões a Michael Jordan para estampar o rosto do rei do basquete nas propagandas de seu mais novo tênis. O fato fica ainda mais impressionante quando se descobre que a quantia é muito superior ao que a empresa pagou para todos os 30 mil trabalhadores indonésios que efetivamente fabricaram os calçados.

Naomi Klein constrói formulações reveladoras sobre o reino das marcas: aponta os efeitos negativos do marketing na cultura, no trabalho e nas escolhas dos consumidores, mostrando como multinacionais convertem o mundo em uma oportunidade de mercado. Para Klein, logotipos e marcas são o que temos mais próximo de uma linguagem internacional: a maior parte dos seis bilhões de habitantes da Terra pode identificar o símbolo do McDonald s ou da Coca-Cola.

No universo globalizado, gerenciar imagens e associações por meio das quais o consumidor se relaciona com um produto se tornou a chave do sucesso. Naomi Klein nasceu em 1970, em Montreal, no Canadá, e hoje vive em Toronto. Iniciou sua carreira jornalística no Toronto Star, cobrindo a área de marketing. Colunista do The Globe and Mail, teve artigos publicados no The New York Times, The Village Voice, Ms., The Nation, This Magazine e Saturday Night. Só de marca A moça, que passou a infância obcecada por marcas e anúncios e tinha verdadeira adoração pelos letreiros fluorescentes das grandes companhias de petróleo e pelas etiquetas de roupas. Mais crescidinha, percebeu que esse negócio de marcas e grifes escondia algo perverso - e a atração virou repulsa.

Dedicou-se, então, a analisar e desarmar os absurdos cometidos pela publicidade. Em Porto Alegre, Naomi Klein diz que quer, principalmente, ouvir o que as pessoas têm a dizer. "É preciso observar o que alguns grupos estão fazendo para aumentar a participação da sociedade nas decisões dos governos", afirma. Ela se recusa a ser "porta-voz" de uma geração ou de um movimento. "Não tenho a receita de como podemos mudar o que está aí - mas tenho a certeza de que uma nova forma de poder tem de ser encontrada".

Leia entrevista concedida à Folha de S.Paulo por Naomi Klein.

Sobre o Autor

Naomi Klein: Jornalista canadense, é uma das líderes do movimento anti-globalização e mentora do NoLogo. Uma crítica à sociedade de consumo. NO LOGO virou uma espécie de bíblia dos manifestantes antiglobalização.

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

O Pintor Que Escrevia,  por Leticia Wierzchovski.
Leticia Wierzchovski: em seu novo romance, a gaúcha investiga sobre como amar também pode ser pecado  Leia mais
Impressões de leitura dos poemas de Cyana Leahy,  por Cyana Leahy.
Leia as impressões de leitura dos poemas manifestada por vários poetas e escritores.  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página