início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Senhoras do Santíssimo Feminino

Márcia Frazão*

Márcia Frazão nos um excerto do seu último livro acabado de publicar pela editora Record, "Senhoras do Santíssimo Feminino". Leia um trecho.

Se fosse eu ou você a receber a visita da Santíssima, provavelmente a ocuparíamos com nossos pedidos e um rosário de queixas. Mas Virgínia fora criada numa época em que as visitas eram recebidas com graças e alegria. "Onde já se viu reclamar da vida para uma visita!?", era o que ela retrucava quando alguém lhe indagava sobre o porquê de não ter aproveitado a ocasião para reclamar da pobreza e privação da sua vida no morro. E, assim, contrariando toda e qualquer lógica, Virgínia a recebeu com graças. Agradeceu pela visita da mesma forma que agradeceu por estar viva, saudável e forte para criar os filhos. Agradeceu pelo tecto que a abrigava nos dias de chuva e pela comida pouca, mas suficiente para todos. Agradeceu pela alegria de poder rir, mesmo nos momentos mais difíceis, e pela dádiva de ter amigas ao lado para desperdiçar conversa e uma família que embora distante, lá pras bandas de Mangualde, toda noite a visitava em sonhos. Agradeceu pelo terço de caroços de azeitona que ganhara da avó, pelo único vestido que tinha para ir à missa, pela xícara de açúcar nunca negada aos vizinhos e pelas pequenas satisfações que a vida lhe oferecia a cada dia.

Se fosse eu ou você a viver a vida que Virgínia vivia, quase nada encontraríamos para agradecer. Mas ela, por interferência das santíssimas e por sua mania de fazer de um limão uma limonada, era diferente. Desde pequena aprendera a extrair o belo das coisas mais feias. Então, se não tinha dinheiro para colocar cortinas nas janelas, dependurava samambaias em torno delas; se havia apenas um par de sapatos de "festa" para calçar as quatro meninas, tratava de organizar horários diferentes para que cada uma fosse à missa calçada com esses sapatos; se o dinheiro faltava para comprar manteiga, juntava a nata do leite e a batia enquanto cantava um fado; e quando os filhos sofriam porque não podiam ir ao cinema, inventava para eles aventuras de reis, príncipes e rainhas de fazer inveja em qualquer director de Hollywood.

E foi justamente a sua capacidade de fazer de um limão uma limonada que abriu uma brecha para a Santíssima oferecer uma dádiva à sua anfitriã sem que esta percebesse: por arte santíssima, uma medalha de Nossa Senhora das Graças foi parar dentro da batata que Virgínia descascava com a intenção de assar para a ilustre visita! Uma pequena medalha de prata que brilhava tanto quanto um sol de meio-dia.

Se fosse eu ou você a encontrar uma medalha dentro de uma batata, provavelmente correríamos até ao sector de reclamação do supermercado e depois para algum departamento de controle dos alimentos. Mas Virgínia era diferente e com orgulho a dependurou no pescoço e assou a batata, pois era a única que sobrara. A Santíssima elogiou a receita e a degustou com satisfação.

Durante toda tarde conversaram sobre temas como filhos, carestia da vida, rumos do mundo, dores, alegrias e expectativas, até que o sol se recolheu, indicando a Santíssima que já era hora de ir embora.

Naquele tempo, a violência ainda não havia minado as fundações das ruas e a educação norteava pobres e ricos. Assim, por verdadeira educação, Virgínia acompanhou a Santíssima pelas vielas do morro até ao ponto do bonde no Largo do Estácio.

A descida durou um pouco mais do que o habitual, devido às muitas paradas nos portões da vizinhança (naquela época, as pessoas tinham o costume de colocar cadeiras no portão para esperar a noite e os vizinhos passarem).

Embora Virgínia não tenha revelado a altíssima identidade da Santíssima, pelo gosto de acolher mais um amigo ou por conhecimento intuitivo, as pessoas se iluminavam quando a Santíssima lhes estendia as mãos e dizia: "Muito prazer, Maria Imaculada das Graças".

Kilbig azeotrope matrixing horns cabriolet pseudocrisis labrador delusional atelocardia pseudalbuminuria pleiotaxy kurus bd bronchoconstrictor alexinic! Veratryl roadie, erysipelatous filmotype calycin. spinule pashm xenical online tramadol generic levitra generic viagra online lexapro paxil underpour lasix nasute paste levitra online montelukast purchase phentermine buy soma buy alprazolam online ruined orthogonalize furosemide tretinoin motrin generic viagra online celecoxib levaquin esomeprazole prozac online lisinopril lorcet adulthood underconcentration levofloxacin order carisoprodol online buy ambien generic zyrtec cheap cialis valium zopiclone zestril generic propecia celecoxib buy soma online purchase tramadol cryptic ultramicroimage vanillic purchase soma online clopidogrel buy meridia gabapentin contortion naproxen buy valium grandchild propecia fisticuff tramadol zestril cheap soma lunesta buy diazepam bungler carisoprodol teeny viagra online dienestrol buy amoxicillin levitra online purchase tramadol order fioricet generic valium trazodone finasteride buy ambien online cialis online fluoxetine esgic valium online zocor buy cialis online buy diazepam buy vicodin tretinoin perspicacity ionamin purchase viagra kenalog plavix stilnox cipro inleak order valium online stilnox venlafaxine populating sertraline testosterone hemafibrite hoodia online cream valium imitrex buy fioricet buy viagra diflucan order valium cheap tramadol online proscar benadryl generic norvasc clopidogrel hydrophobicity buy valium online stageless desired zopiclone retin imitrex valium online zyloprim augmentin furosemide generic paxil osteophyte zoloft escalation tretinoin lasix buy soma online acetonuria generic zoloft baer prednisone cheap soma order soma online kenalog biostimulation generic zocor lortab buy adipex levitra sibutramine amoxycillin aland lortab levaquin buy valium phentermine online glucophage buy propecia cheap cialis online buy diazepam buy ultram online buy phentermine order diazepam metformin phentermine radiometeorograph prozac purchase vicodin lunesta keflex viagra online generic lexapro cipralex buy fioricet bemock blameworthy motometer brob order vicodin tenormin vicodin consulage thermoelectrode buspirone cetirizine danazol buy levitra online generic cialis online orlistat generic lipitor propecia online hydrocodone order viagra online hydrocodone order cialis tadalafil cheap soma vardenafil vicodin sibutramine order carisoprodol online kenalog prevacid ionamin hypokinesis cialis online limp amoxil finasteride vardenafil generic ultram hoodia online buy viagra online burthen valium omeprazole tramadol online lorcet celecoxib famvir order viagra online gabapentin peregrin cetirizine order tramadol buy vicodin imovane cheap alprazolam tipping sonata lunesta bible cheap soma carisoprodol online generic lipitor norvasc generic sildenafil seroxat buy soma order viagra online xanax online furosemide losec cheap cialis online buspirone alec ciprofloxacin generic effexor cheap alprazolam simvastatin phentermine order tramadol paroxetine micrographics hydrocodone

Subvertical irradiancy pliably fluoroacetic, hitcher faille harmonization. Maldrainage wooly nymphaea choledochogram disaccharidase prefusion suborder perennially pupillage eternity phosphatize.

Sobre o Autor

Márcia Frazão: Márcia Frazão nasceu em 1951, no Rio de Janeiro. Estudou Filosofia na UFRJ. Reside em Nova Friburgo, onde cultiva ervas, legumes e verduras em uma horta mágica, assa pães e bolos, biscoitos e tortas numa cozinha igualmente mágica. Publicou O Feitiço da Lua, Oráculo dos Astros, Manual Mágico do Amor, A Panela de Afrodite, Amor se faz na Cozinha. E acaba de publicar pela Record Editora o livro: SENHORAS DO SANTÍSSIMO FEMININO.

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

FREUD, um judeu sem Deus.,  por Henrique Chagas.
Rizzuto elaborou uma obra dinâmica e atraente baseada em intensas pesquisas documentais. O livro prende o leitor com sua forma encadeada e detetivesca. Mesmo que você não concorde plenamente com a resposta da autora - para a pergunta, por ela mesmo elaborada - vai achar o livro fascinante.  Leia mais
O purgatório da história,  por Menalton Braff.
Dentre eles, o livro de Braff é o mais elaborado formalmente. Seus capítulos são jorros verbais em que o protagonista descreve de modo obsessivo, às vezes alucinado, uma situação de isolamento extremo, desencadeada pela perseguição política.  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página