início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Nephilim

Caio Fábio*

Nephilim, livro de Caio Fábio, editado pela a RAZÃO CULTURAL EDITORA é a fascinante história de Abellardo Ramez II, um homem de meia idade que experimenta fortes mudanças em suas percepções de vida após um transplante de coração. Após um certo tempo, Abellardo passa a sentir o que a doadora de seu coração experimentara em vida. Incomodado com essas sensações, decide voltar à floresta, onde estavam suas raízes.

Durante a viagem, Abellardo sofre um acidente e experimenta contato com uma dimensão da existência que não consegue definir. Nesse lugar, ele encontra Enoque, o sétimo depois de Adão, o homem que não viu a morte, porque foi levado ao céu antes do dilúvio. Ao retornar, ele descobre que foi salvo da morte por um caboclo, Isaac Porto.

Doente, febril, e quebrado, perdido nas margens de um rio amazônico, ele começa a ler o livro de Enoque (que estava entre seus pertences e que foi tirado do barco pelo caboclo). Achado no mar Morto, esse texto antiquíssimo conta a história de um grupo de anjos, os Vigilantes Universais, que se apaixonaram pelas mais belas mulheres existentes antes do Dilúvio bíblico, e com elas geraram filhos, gigantes poderosos, verdadeiros deuses e titãs, que se tornaram os dominadores do mundo antigo.

Em meio à leitura e aos delírios da febre, Abellardo acaba viajando no tempo, indo para um período da história onde os deuses e mitos de hoje eram, de fato, os senhores dos homens. Lá ele descobre como aqueles híbridos — humano-angelicais — haviam se corrompido completamente, impondo tirania, vampirismo, canibalismo, mágicas e ciências proibidas sobre os seus escravos humanos, além de construir as grandes edificações que hoje os historiadores e arqueólogos não sabem explicar como foram feitas. Abellardo também encontra Enoque e com ele visita o Egito da primeira dinastia, governado pelos deuses, os Nephilims. Ali ele descobre a revelação de muitos segredos que até hoje atordoam a humanidade e também discerne aspectos até então obscuros sobre a presença desses seres na sociedade dos nossos dias.

É uma viagem também de amor, paixão, culpa e esperança para os conflitos da alma humana. No final de tudo, Abellardo encontra com uma das mais terríveis manifestações desses seres em nossos dias e tem que enfrentá-los com os instrumentos de discernimento espiritual que ele adquiriu em companhia de Enoque, na mais remota antigüidade.

Em suma: os Nephilims estão presentes no mundo moderno, mas ainda é possível discerni-los e vencê-los. A grande mensagem do livro é sobre aquilo que se oculta sob as muitas fachadas que entre nós chamamos, muitas vezes, de poder e sedução.

Nos últimos 18 anos o autor publicou 106 títulos, que somam uma venda de mais de cinco milhões de exemplares. Nove títulos de sua autoria já foram publicados em espanhol e dois em alemão. Nephilim é a sua primeira obra de caráter ficcional. (resenha de divulgação da Editora Razão Cultural).


Sobre o Autor

Caio Fábio: Caio Fábio D Araújo Filho é amazonense, nascido em Manaus. Amante de causas sociais, Caio Fábio fundou várias organizações com a finalidade de diminuir o drama dos menos favorecidos. Sua maior obra, a Fábrica de Esperança, chegou a atender mensalmente a mais de vinte mil jovens e adolescentes e foi considerada a maior obra social não-governamental da América Latina. Caio Fábio ganhou títulos honorários de doutor e mestre em teologia e foi considerado por uma revista cristã inglesa e por uma pesquisa especializada internacional um dos cem líderes cristãos mais criativos e respeitados do mundo no século XX.

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

IDENTIDADE PERDIDA,  por Rubens Shirassu Júnior.
Resenha sobre a obra VERDES TRIGOS, de Henrique Chagas, obra inspiradora deste sítio cultural.  Leia mais
Um novo cenário para o conto,  por Nelson de Oliveira.
As oito dezenas de narrativas reunidas na Antologia do conto brasiliense, escritas por autores em quase tudo tão diferentes, têm, no entanto, algo em comum: elas expõem em praça pública, ora de maneira lírica ora de maneira dramática, as relações absurdas que os seres humanos estabelecem cotidianamente entre si e com o mundo externo.  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página