início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Nos labirintos do ser

Ronaldo Cagiano*

O escritor gaúcho, radicado em Serrana, interior de São Paulo, Menalton Braff, que recebeu o Prêmio Jabuti em 2000, vem construindo uma sólida carreira literária. Não obstante ter alcançado só agora o reconhecimento da crítica, o autor vem de uma longa experiência literária. Por motivos políticos, Menalton escondeu-se atrás de um pseudônimo, Salvador dos Passos, período em que lançou pela pequena editora Seiva “Na força de mulher” (contos) e “Janela aberta” (romance), obras com a mesma qualidade de “À sombra do cipreste” e do premiado “Que enchente me carrega?”.

Menalton já foi comparado a Raduan Nassar, pela semelhança da linguagem e pelo enfoque na angústia e desassossego dos personagens. Influências à parte, Braff tem luz própria, estilo também vigoroso e uma versatilidade para a renovação da própria linguagem, sem limitações formais ou temáticas. Há em seus contos uma atmosfera ao mesmo tempo de densidade e poesia, permitindo ao leitor identificar também a confluência com a obra de Lygia Fagundes Telles, no que seu texto tem de poético e cristalino.

Sua narrativa, de intensa projeção psicológica, busca sempre o desvendamento do ser, na exegese de personagens que vivem situações limítrofes entre a tensão e o desespero. Não é raro encontrarmos em sua prosa períodos marcados por intenso fluxo verbal, abdicando-se de pontuações, como um Saramago, refletindo o vertiginoso jorro de pensamentos de seus personagens e a necessidade de explosão e desabafo.

Em seu novo romance, “Castelos de papel”, recém-publicado pela Nova Fronteira, o autor projeta as deambulações mentais de um certo Alberto Ribeiro, um empresário que sente-se desconfortável e acudo depois de sua aposentadoria. Nesse período de ociosidade compulsória afloram sensações e sentimentos estranhos, sintoma de sua ruína psicológica e social, quando vê seu mundo transformando de uma hora para outra, em contraponto à sua condição anterior, de capitalista bem-sucedido, agora destituído do poder de controle sobre sua vida e sua família.

Primeiro, o seqüestro de um amigo, provocando-lhe uma paranóica sensação de insegurança, de modo a desconfiar de um sorveteiro, cujo olhar o faz crer tratar-se de um desafeto, ex-funcionário demitido de sua empresa. Tal situação motiva-o a retornar à empresa, onde empreende uma busca delirante nos arquivos para tentar desvendar o mistério e encontrar algo sobre ele. Os documentos aos quais recorre de forma pressurosa em sua faina buscar uma pista, funcionam alegoricamente como um castelo que desaba ao mínimo vendaval.

Em seguida, é a obsessão do filho em mudar-se do país, que para o pai constitui-se não só em rebeldia, mas num desafio aos seus valores e costumes tão arraigados. Novamente, percebe que perdeu as rédeas da família e dos negócios e que sua autoridade valia pelo que representava enquanto ativo socialmente. Numa seqüência de confusões mentais, Alberto vai construindo uma teia de devaneios, até encontrar-se com seu passado e suas raízes modestas na figura de um office-boy da empresa, quando este percebe no patrão um homem desorientado e ansioso, em contraponto ao poder e autoridade de ontem.

Em “Castelos de papel” a figura de Alberto metaforiza a necessidade do ser humano de ser reconhecido como pessoa, numa época cada vez mais sintonizada com o ter, quando tudo desemboca num mundo de fetiches e desagregações. Há, portanto, uma dimensão dialética e onírica nesse romance. Pois a perda de si mesmo para um universo burocrático e sem lirismo ou compaixão acaba por legar ao homem uma condição labiríntica, da qual torna-se difícil escapar. Sobretudo depois da degradação causada pela modernidade e pela globalização, que vai nos minando com seus tentáculos e deixando um terrível espólio: o vazio espiritual aliado a outras carências afetivas como única herança individual e coletiva.

“Castelos de papel” confirma a talentosa produção de Menalton Braff, inserindo-o no rol dos grandes nomes da literatura contemporânea.

Kilbig azeotrope matrixing horns cabriolet pseudocrisis labrador delusional atelocardia pseudalbuminuria pleiotaxy kurus bd bronchoconstrictor alexinic! Veratryl roadie, erysipelatous filmotype calycin. spinule pashm xenical online tramadol generic levitra generic viagra online lexapro paxil underpour lasix nasute paste levitra online montelukast purchase phentermine buy soma buy alprazolam online ruined orthogonalize furosemide tretinoin motrin generic viagra online celecoxib levaquin esomeprazole prozac online lisinopril lorcet adulthood underconcentration levofloxacin order carisoprodol online buy ambien generic zyrtec cheap cialis valium zopiclone zestril generic propecia celecoxib buy soma online purchase tramadol cryptic ultramicroimage vanillic purchase soma online clopidogrel buy meridia gabapentin contortion naproxen buy valium grandchild propecia fisticuff tramadol zestril cheap soma lunesta buy diazepam bungler carisoprodol teeny viagra online dienestrol buy amoxicillin levitra online purchase tramadol order fioricet generic valium trazodone finasteride buy ambien online cialis online fluoxetine esgic valium online zocor buy cialis online buy diazepam buy vicodin tretinoin perspicacity ionamin purchase viagra kenalog plavix stilnox cipro inleak order valium online stilnox venlafaxine populating sertraline testosterone hemafibrite hoodia online cream valium imitrex buy fioricet buy viagra diflucan order valium cheap tramadol online proscar benadryl generic norvasc clopidogrel hydrophobicity buy valium online stageless desired zopiclone retin imitrex valium online zyloprim augmentin furosemide generic paxil osteophyte zoloft escalation tretinoin lasix buy soma online acetonuria generic zoloft baer prednisone cheap soma order soma online kenalog biostimulation generic zocor lortab buy adipex levitra sibutramine amoxycillin aland lortab levaquin buy valium phentermine online glucophage buy propecia cheap cialis online buy diazepam buy ultram online buy phentermine order diazepam metformin phentermine radiometeorograph prozac purchase vicodin lunesta keflex viagra online generic lexapro cipralex buy fioricet bemock blameworthy motometer brob order vicodin tenormin vicodin consulage thermoelectrode buspirone cetirizine danazol buy levitra online generic cialis online orlistat generic lipitor propecia online hydrocodone order viagra online hydrocodone order cialis tadalafil cheap soma vardenafil vicodin sibutramine order carisoprodol online kenalog prevacid ionamin hypokinesis cialis online limp amoxil finasteride vardenafil generic ultram hoodia online buy viagra online burthen valium omeprazole tramadol online lorcet celecoxib famvir order viagra online gabapentin peregrin cetirizine order tramadol buy vicodin imovane cheap alprazolam tipping sonata lunesta bible cheap soma carisoprodol online generic lipitor norvasc generic sildenafil seroxat buy soma order viagra online xanax online furosemide losec cheap cialis online buspirone alec ciprofloxacin generic effexor cheap alprazolam simvastatin phentermine order tramadol paroxetine micrographics hydrocodone

Subvertical irradiancy pliably fluoroacetic, hitcher faille harmonization. Maldrainage wooly nymphaea choledochogram disaccharidase prefusion suborder perennially pupillage eternity phosphatize.

Sobre o Autor

Ronaldo Cagiano: De Cataguases, cidade mineira berço de tradições culturais e importantes movimentos estéticos, surgiu Ronaldo Cagiano. É funcionário da CAIXA. Colabora em diversos jornais do Brasil e exterior, publicando artigos, ensaios, crítica literária, poesia e contos, tendo sido premiado em alguns certames literários. Participa de diversas antologias nacionais e estrangeiras. Publica resenhas no Jornal da Tarde (SP), Hoje em Dia (BH), Jornal de Brasília e Correio Braziliense, dentre outros. Tem poemas publicados na revista CULT e em outros suplementos. Obteve 1º lugar no concurso "Bolsa Brasília de Produção Literária 2001" com o livro de contos "Dezembro indigesto”.

Organizou também várias antologias, entre elas: Poetas Mineiros em Brasília e Antologia do Conto Brasiliense.

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

A Crítica da Razão Selvagem,  por Henrique Chagas.
A Razão Selvagem faz jus ao título: nada concede ao vício dos malabares, tem ótimo ouvido e consegue dar existência real a entes vivos e surpreendentes como sempre são, aliás, os seres de carne e osso da vida mais imaginosa do que a mente dos escritores.  Leia mais
Nas Fronteiras do Islã,  por Sérgio Túlio Caldas.
Em setembro de 1996, Sérgio Túlio estava entre os refugiados afegãos da cidade de Peshawar, no Paquistão, quando chegou a notícia de que os desconhecido Taleban tinha ocupado Cabul. Leitura imperdível.  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página