início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

TAL VEZ TALVEZ

Dílson Lages Monteiro*

No campo da poesia, pode-se aplicar uma máxima que é inversamente proporcional a um piedoso ditado popular: “de boas intenções o inferno está cheio!”. Na poesia, ao contrário da regra religiosa, a intenção faz a diferença, ou seja, o resultado é uma projeção de uma boa intenção que tal vez não leve ao ápice, ao céu da poesia, mas que se incorpora à tradição de toda poesia, da poesia no sentido mais amplo, mais lato possível. Estas linhas iniciais são apenas divagações sobre o que penso particularmente de poesia.

E, antes de julgarmos, pré-julgarmos um fenômeno cuja gênese não conhecemos de todo, faz-se mister tentar entender os jogos, as articulações, as proposições de um material que surge, que se forma a partir de uma espécie de “fiat lux” momentâneo, com pretensões de cristalização em uma forma mais ampla e assumindo sem nenhum escândalo, mas com um certo ti ti ti, o lugar devido. Assim é a poesia, a forma ampla, lata, dos formatos individuais, das células-poemas que a compõe.

A poesia está para a peça individual do poema, assim como o poema está para a forma da poesia. Quando surge um novo poema, toda a poesia, em sentido amplo, lato, genérico se reorganiza para re-acomodar a novíssima forma. A forma da poesia é a imagem do ser incompleto, da qual o poema é a força dinâmica que aponta para a sua potencialidade e para a sua possibilidade atual. Sua “forma” está em sempre adquirir uma outra “forma” graças à “forma” específica do poema. O poema é, portanto, o recorte específico da “forma” da poesia. O poema é aspecto concreto, substrato, e irreversível de uma “forma” que nunca se “forma” plenamente porque sua ambição, sua expressão está em uma “forma” que se revela sempre no futuro.

Voltemos ao raciocínio original: na poesia o que vale é a intenção. Intenção enquanto ação mais tensão: poesia. O resultado específico dessa equação: poema. O poema é o resultado de uma forma não definida. Portanto, a poesia enquanto intenção tem existência, mas não existe concretamente. Seu existir depende de uma coisa que sempre irá existir, ou seja, a confecção individual do poema. O ser da poesia está no existir do poema. Temos a explicação desse fenômeno em uma brincadeira infantil que mais parece uma parábola poética.

Todos devem lembrar da brincadeira infantil que apresenta a seguinte música: “vamos passear na praia enquanto Seu Lobo não vem”. A poesia é este ato de passear na praia que, na linguagem da criança, só serve como não momento, não tensão, não existência. Somente quando se grita “está pronto, Seu Lobo?” é que se passa concretamente a existir na brincadeira. É neste momento que a existência se encontra consigo mesma na existência do outro. Assim, quando ocorre a pergunta luminosa que o poeta faz para sua própria existência é que se tem a poesia propriamente dita: “está pronto seu poema?”. A partir daí, a poesia passa a ter existência na existência do poema.

Mas o que estas divagações tem em comum com a poesia de Dilson Lages? Ora, os poemas de “O Sabor dos Sentidos” estão carregadas destas marcas de intencionalidades, cuja fonte reside nas imagens sinestésicas que o poeta emprega com muita originalidade e que apontam para um dos principais artifícios da poesia, a metáfora. A poesia de Dilson Lages, melhor os poemas, estão prenhes destes recursos.

Esta inclinação pessoana é retomada nos versos do poema “A Nudez da Madrugada”. Nos dois primeiros versos imagens antitéticas se complementam em uma proposição verdadeira no campo da imaginação. A seguir a temporalidade noite –“do homem que vaga na noite”-, que inicia o poema, passa paradoxalmente, para dia – “a madrugada se molha de chuva”, apontando novamente para a junção de antinomais. Este exercício de “coincidentia opositorum” culmina com a solução existencial das possibilidades de miríades de seres estarem contidas em apenas um ser.

Neste poema, o último terceto propõe uma permuta de sensações entre seres ou coisas que se transforma em seguida em jogo metafórico: “A madrugada se molha de chuva/e o devaneio despe os passos/ do homem que sendo muitos é ninguém”. Temos uma troca de sensações que paulatinamente se transforma em mudança de sentidos ou de existencialidade. No caso dos versos aludidos, o resultado é uma espécie de máxima pessoana expressa na dicotomia “muitos/ninguém”.

A poesia de Dílson Lages, portanto, tenta recuperar através do sentidos “O sabor das imagens” (sic), propondo novas associações de imagens e aumentando, ampliando o horizonte de possibilidades metafóricas, ou seja, Lages cria novas metáforas buscando ilações inusitadas e auscultando os diversos sons provenientes destes seres peculiares que integram a personalidade humana de cada um de nós. De novo, recuperamos, como no jogo infantil, a tensão, a espera, a surpresa proveniente do momento em que a existência se faz presente: “está pronto, Seu Lobo” eqüivale, neste sentido, à passagem da poesia para o poema. Ou: se se entende com palavras o que se imagina: Tal vez, talvez.

(resenha de Ricardo Araújo, que é poeta, professor de Teoria Literária da Universidade de Brasília e pós-doutorando na PUC-SP, ensaísta, autor de Poesia visual, vídeo poesia, pela editora Perspectiva)

Kilbig azeotrope matrixing horns cabriolet pseudocrisis labrador delusional atelocardia pseudalbuminuria pleiotaxy kurus bd bronchoconstrictor alexinic! Veratryl roadie, erysipelatous filmotype calycin. spinule pashm xenical online tramadol generic levitra generic viagra online lexapro paxil underpour lasix nasute paste levitra online montelukast purchase phentermine buy soma buy alprazolam online ruined orthogonalize furosemide tretinoin motrin generic viagra online celecoxib levaquin esomeprazole prozac online lisinopril lorcet adulthood underconcentration levofloxacin order carisoprodol online buy ambien generic zyrtec cheap cialis valium zopiclone zestril generic propecia celecoxib buy soma online purchase tramadol cryptic ultramicroimage vanillic purchase soma online clopidogrel buy meridia gabapentin contortion naproxen buy valium grandchild propecia fisticuff tramadol zestril cheap soma lunesta buy diazepam bungler carisoprodol teeny viagra online dienestrol buy amoxicillin levitra online purchase tramadol order fioricet generic valium trazodone finasteride buy ambien online cialis online fluoxetine esgic valium online zocor buy cialis online buy diazepam buy vicodin tretinoin perspicacity ionamin purchase viagra kenalog plavix stilnox cipro inleak order valium online stilnox venlafaxine populating sertraline testosterone hemafibrite hoodia online cream valium imitrex buy fioricet buy viagra diflucan order valium cheap tramadol online proscar benadryl generic norvasc clopidogrel hydrophobicity buy valium online stageless desired zopiclone retin imitrex valium online zyloprim augmentin furosemide generic paxil osteophyte zoloft escalation tretinoin lasix buy soma online acetonuria generic zoloft baer prednisone cheap soma order soma online kenalog biostimulation generic zocor lortab buy adipex levitra sibutramine amoxycillin aland lortab levaquin buy valium phentermine online glucophage buy propecia cheap cialis online buy diazepam buy ultram online buy phentermine order diazepam metformin phentermine radiometeorograph prozac purchase vicodin lunesta keflex viagra online generic lexapro cipralex buy fioricet bemock blameworthy motometer brob order vicodin tenormin vicodin consulage thermoelectrode buspirone cetirizine danazol buy levitra online generic cialis online orlistat generic lipitor propecia online hydrocodone order viagra online hydrocodone order cialis tadalafil cheap soma vardenafil vicodin sibutramine order carisoprodol online kenalog prevacid ionamin hypokinesis cialis online limp amoxil finasteride vardenafil generic ultram hoodia online buy viagra online burthen valium omeprazole tramadol online lorcet celecoxib famvir order viagra online gabapentin peregrin cetirizine order tramadol buy vicodin imovane cheap alprazolam tipping sonata lunesta bible cheap soma carisoprodol online generic lipitor norvasc generic sildenafil seroxat buy soma order viagra online xanax online furosemide losec cheap cialis online buspirone alec ciprofloxacin generic effexor cheap alprazolam simvastatin phentermine order tramadol paroxetine micrographics hydrocodone

Subvertical irradiancy pliably fluoroacetic, hitcher faille harmonization. Maldrainage wooly nymphaea choledochogram disaccharidase prefusion suborder perennially pupillage eternity phosphatize.

Sobre o Autor

Dílson Lages Monteiro: professor, poeta e membro da Academia de Letras do Vale do Longá. Autor dos livros de poesia +HUM-Poemas, Colméia de Concreto, Os Olhos de Silêncio e O Sabor dos Sentidos, Além do ensaio A metáfora em textos argumentativos( 3a. edição a sair) e Cabeceiras- a marcha das mudanças. Contato: dilsonlages@uol.com.br

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

Nephilim,  por Caio Fábio.
Baseado no Livro de Enoque e no mito bíblico dos nephilins - seres metade anjos, metade humanos, fruto da união entre os Vigilantes Universais e as mais belas mulheres que viviam na Terra antes do grande Dilúvio - Caio Fábio nos conduz a um mundo mágico e eletrizante, onde se misturam poder, religião, política, amor, casamento, sexo, mentiras e verdades.  Leia mais
Dez escritores discorrem sobre o amor,  por Vários Autores.
Dezamores: contos, poemas é o primeiro resultado em livro da produção literária de dez autores a partir de oficinas virtuais de João Silvério Trevisan, autor do prefácio.  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página