início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Sobre o Pardal na Janela

Dílson Lages Monteiro*

O escritor Marcel Proust escreveu que “todo leitor é um leitor de si mesmo”. O pensamento do notável romancista se faz ver em O Pardal na Janela, do poeta e crítico literário Alberto Da Costa e Sílva, recentemente editado pela Academia Brasileira de Letras (ABL).

Seduzem no livro a leveza do estilo (em alguns textos, o autor escreve à maneira de um laborioso cronista ), os diálogos intertextuais com a tradição a evidenciarem amor desmedido pela palavra multiforme e, sobremaneira, a focalização dos temas pelo enfoque da saudade. Desse modo, a linguagem é fácil, recheada de experiências vivenciais comoventes, como a recordação de encontro, em companhia de Antônio Carlos Villaça e do fotógrafo Aldir Vieira, com o notável poeta Manuel Bandeira (p. 106), a propósito de entrevista para um jornal de estudantes:

“Bandeira acolheu-nos de Pijama e chinelos, magro, moreno e encurvado, e de pijama e chinelos deixou-se fotografar. Levantara havia pouco da sesta e foi fazer-nos ele próprio um cafezinho, a achar imensa graça naqueles três meninotes. Levou, contudo, a entrevista a sério. (...) Bandeira copiou-nos alguns de seus poemas. Guardo, desse dia, o autógrafo de Desencanto e, sempre que o leio, volta-me a voz pausada, quase rouca, a dizer-nos com indisfarçável emoção: Eu faço versos como quem morre...”

Fascina também a forma como exerce as críticas biográfica e temática. Habitualmente rotuladas de ultrapassadas e de incapazes de dar conta do fenômeno literário numa perspectiva crítica, essas formas de análise conseguem, nos textos de O Pardal na janela, diferentemente do que se possa acreditar acerca dessas abordagens, concretizar-se organicamente. Assim são construídas (distantes do artificialismo), porque ancoradas na polifonia – alguns diriam na retórica - e na exaltação de suas preferências individuais como crítico-leitor.

Alberto Da Costa e Silva reconhece que “é perigoso ligar os acontecimentos da vida de um autor às suas obras. Essas vinculações costumam muitas vezes levar a descaminhos”. Não obstante, passeia por dados pessoais dos autores analisados, examinando relações entre o ambiente sócio-cultural em que viveram e a obra por eles produzida, com coerência, à maneira de Richard Ellmann, para quem “a obra literária não é um mero objeto, mas uma convergência de energias, um deter-se momentâneo de forças que provêm não apenas da tradição literária, mas também do indivíduo e da sociedade”.

Nos diversos artigos nos quais comenta poetas e poemas, valoriza a poesia acentuadamente imagética. Desfilam em sua pena o entrecruzar de vozes consagradas pela tradição: Cesário Verde, Antero de Quental, Cruz e Sousa, Augusto dos Anjos, Murilo Mendes, Da Costa e Silva, com relevo especial a este último, a respeito do qual delineou ensaio antológico, O aprendizado de Orfeu, leitura relevantíssima a quem anseia mergulhar profundamente na poética do autor de Sangue.

Nesse ensaio, o crítico sonda a gênese da criação literária em Da Costa e Silva, abrangendo desde a infância até as leituras que se entrelaçam na obra deste que é um dos maiores vultos da Literatura Brasileira de Expressão Piauiense. Nele, resume-se um roteiro seguro para a percepção de como “surgiam as paisagens verbais de cuja construção foi mestre e que singularizam a sua obra”.

Em O Pardal na Janela, ressoa lição de Ivan Junqueira a validar Marcel Proust: “O texto é um tecido de textos anteriores, ecos dos quais evoca continuamente, tecido de referências históricas e práticas, jogos de palavras. Um texto não é, e não pode ser, único, mas um processo de compromisso”.

Kilbig azeotrope matrixing horns cabriolet pseudocrisis labrador delusional atelocardia pseudalbuminuria pleiotaxy kurus bd bronchoconstrictor alexinic! Veratryl roadie, erysipelatous filmotype calycin. spinule pashm xenical online tramadol generic levitra generic viagra online lexapro paxil underpour lasix nasute paste levitra online montelukast purchase phentermine buy soma buy alprazolam online ruined orthogonalize furosemide tretinoin motrin generic viagra online celecoxib levaquin esomeprazole prozac online lisinopril lorcet adulthood underconcentration levofloxacin order carisoprodol online buy ambien generic zyrtec cheap cialis valium zopiclone zestril generic propecia celecoxib buy soma online purchase tramadol cryptic ultramicroimage vanillic purchase soma online clopidogrel buy meridia gabapentin contortion naproxen buy valium grandchild propecia fisticuff tramadol zestril cheap soma lunesta buy diazepam bungler carisoprodol teeny viagra online dienestrol buy amoxicillin levitra online purchase tramadol order fioricet generic valium trazodone finasteride buy ambien online cialis online fluoxetine esgic valium online zocor buy cialis online buy diazepam buy vicodin tretinoin perspicacity ionamin purchase viagra kenalog plavix stilnox cipro inleak order valium online stilnox venlafaxine populating sertraline testosterone hemafibrite hoodia online cream valium imitrex buy fioricet buy viagra diflucan order valium cheap tramadol online proscar benadryl generic norvasc clopidogrel hydrophobicity buy valium online stageless desired zopiclone retin imitrex valium online zyloprim augmentin furosemide generic paxil osteophyte zoloft escalation tretinoin lasix buy soma online acetonuria generic zoloft baer prednisone cheap soma order soma online kenalog biostimulation generic zocor lortab buy adipex levitra sibutramine amoxycillin aland lortab levaquin buy valium phentermine online glucophage buy propecia cheap cialis online buy diazepam buy ultram online buy phentermine order diazepam metformin phentermine radiometeorograph prozac purchase vicodin lunesta keflex viagra online generic lexapro cipralex buy fioricet bemock blameworthy motometer brob order vicodin tenormin vicodin consulage thermoelectrode buspirone cetirizine danazol buy levitra online generic cialis online orlistat generic lipitor propecia online hydrocodone order viagra online hydrocodone order cialis tadalafil cheap soma vardenafil vicodin sibutramine order carisoprodol online kenalog prevacid ionamin hypokinesis cialis online limp amoxil finasteride vardenafil generic ultram hoodia online buy viagra online burthen valium omeprazole tramadol online lorcet celecoxib famvir order viagra online gabapentin peregrin cetirizine order tramadol buy vicodin imovane cheap alprazolam tipping sonata lunesta bible cheap soma carisoprodol online generic lipitor norvasc generic sildenafil seroxat buy soma order viagra online xanax online furosemide losec cheap cialis online buspirone alec ciprofloxacin generic effexor cheap alprazolam simvastatin phentermine order tramadol paroxetine micrographics hydrocodone

Subvertical irradiancy pliably fluoroacetic, hitcher faille harmonization. Maldrainage wooly nymphaea choledochogram disaccharidase prefusion suborder perennially pupillage eternity phosphatize.

Sobre o Autor

Dílson Lages Monteiro: professor, poeta e membro da Academia de Letras do Vale do Longá. Autor dos livros de poesia +HUM-Poemas, Colméia de Concreto, Os Olhos de Silêncio e O Sabor dos Sentidos, Além do ensaio A metáfora em textos argumentativos( 3a. edição a sair) e Cabeceiras- a marcha das mudanças. Contato: dilsonlages@uol.com.br

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

Maduro já no berço,  por Ronaldo Cagiano.
Todo Sol mais o Espírito Santo, livro de estréia de Lima Trindade, expõe a amplitude do universo ficcional do autor. Os contos presentes na obra bebem nas fontes do rock anos 80, da literatura marginal, do cinema e das histórias em quadrinhos.  Leia mais
O Fim de Viagem, Começo de Vida,  por Rosa Ghelman.
Rosa Ghelman lançou "Fim de Viagem, Começo de Vida" (Editora Oficina do Livro). Um livro que nos chega como testemunho de quem sempre encarou a vida como uma fonte inesgotável de esperança e fundada na solidariedade.  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página