início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

O Pobre de Deus

Nikos Kazantzákis*

Amor, devoção e admiração pelo herói e grande mártir São Francisco de Assis foram o que inspirou o autor a escrever essa história ainda mais verdadeira que a verdade. Primeira tradução para o português (belíssimo trabalho de Ísis da Fonseca - membro da Sociedade Internacional dos Amigos de Kazantzákis/Genebra), "O Pobre de Deus" é uma história bela e comovente sobre o caminho seguido por são Francisco de Assis, narrada por seu inseparável amigo irmão Leão, durante sua trajetória na Terra.

É um exemplo de fé incontestável e sabedoria que vai, muitas vezes, levar ao leitor à reflexão sobre a própria vida e seus atos. A história de são Francisco de Assis é narrada por seu fiel companheiro, um humilde mendigo, chamado carinhosamente por ele de irmão Leão.

É uma narrativa rica em detalhes e que se passa nos mais diferentes lugares do mundo. São Francisco de Assis é o modelo do homem a serviço de um ideal, que com uma duríssima luta incessante consegue executar o supremo dever do homem superior à ética, à verdade e à beleza: transformar a matéria que Deus lhe confiou e torná-la espírito.

A vida de São Francisco de Assis (1182-1226) já foi contada das mais variadas maneiras por cineastas como Roberto Rosselini, que fez dele um mártir, e Franco Zeffirelli, que o transformou num hippie. Entre o realismo do primeiro e a fantasia do segundo existe um abismo que só a literatura foi capaz de transpor.

Particularizando, apenas um escritor polêmico como o grego Nikos Kazantzákis (1883-1957), autor de A Última Tentação de Cristo, poderia ter escrito O Pobre de Deus, biografia romanceada do santo italiano que nasceu rico, livrou-se das roupas de seda, dançou nu na praça principal de Assis, falou com pássaros e peregrinou até seus pés sangrarem e seus olhos ficarem cegos. Kazantzákis, excomungado pela Igreja Ortodoxa Grega, atormentado pelas idéias de Nietzsche e Bergson, marxista estudioso do budismo, era mesmo o nome para a difícil tarefa de explicar personalidade tão complexa.

Sobre a Tradutora:
Ísis Borges Belchior da Fonseca estudou grego antigo na USP (fez mestrado e doutorado). Estudou, por três anos, grego moderno em Paris (patrocinada pelo governo Francês), no Instituto de Línguas Orientais - onde, inclusive, concluiu o curso de História Bizantina - uma ponte entre o grego antigo e o moderno. Depois, participou por mais dois anos de pesquisas sobre o grego moderno na Grécia (patrocinada pelo Governo Grego). Na volta ao Brasil, foi a responsável pela implantação do grego moderno como disciplina acadêmica na Universidade de São Paulo (em 1990).

Sobre o Autor

Nikos Kazantzákis: (1883/1957) nasceu em Heráklion (Creta). Freqüentou, por dois anos, na ilha de Naxos, uma escola de monges franciscanos. Em 1906, concluiu o curso de Direito, em Atenas. De 1907 a 1909 dedicou-se à filosofia, em Paris, recebendo grande influência de Bergson. Traduziu obras desse filósofo e também de Nietzsche. Além dessas, vale destacar traduções de outras grandes obras como A divina comédia, de Dante, o Fausto, de Goethe, a Ilíada e a Odisséia de Homero.
Kazantzákis escreveu uma tragédia de título Cristo (publicada em 1928); retomou o tema de Cristo na Odisséia (1938), e bem mais tarde, em 1945, publicou seus dois romances: O Cristo recrucificado e A última tentação de Cristo (adaptado para o cinema). Em 1956, recebeu o International Peace Award.

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

IDENTIDADE PERDIDA,  por Rubens Shirassu Júnior.
Resenha sobre a obra VERDES TRIGOS, de Henrique Chagas, obra inspiradora deste sítio cultural.  Leia mais
Os germes ao vento e os esforços ordenadores,  por Chico Lopes.
A editora Globo, com “A arte do romance – Antologia de prefácios” (319 páginas, tradução, organização e notas de Marcelo Pen), presta enorme serviço aos admiradores brasileiros de Henry James, que esperaram muito tempo para conhecer em português essa célebre reflexão do escritor sobre sua própria obra.  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página