início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Lima Trindade : mitos, desencantos e os mortos muito vivos

Chico Lopes*

Conheço Lima Trindade (Vivaldo, ou, para mim, apenas Valdo) desde alguns anos, quando comecei a publicar alguns ensaios sobre filmes e livros no seu site, Verbo 21, por onde muita gente nova, que está escrevendo, já passou. Lá, publiquei um conto, "Debaixo de praga", que depois iria se juntar a outros tantos na antologia "Cenas da favela", organizada por Nelson de Oliveira e recentemente lançada pela Geração Eitorial/Ediouro. Ele escreveu com perspicácia e brilho sobre meu livro "Nó de sombras" e me entrevistou quando do lançamento de "Dobras da noite". Também esteve aqui em Poços de Caldas e se revelou de uma grande simpatia, de um calor humano especial, um calor que poderia ser classificado de baiano se ele não fosse brasiliense residente em Salvador e se, felizmente, essa questão de calor e simpatia não transcendesse geografias e tribos.

Vivaldo faz resenhas literárias muito bem, é bom leitor, atento às nuances das obras, meticuloso na análise e nas leituras (sei que nunca emite opiniões sem ter um quadro bem definido de influências, referências e informações em sua cabeça; faz parte de sua honestidade intelectual patente). Demorou um tanto para estrear em livros publicados, o que lhe dava certa angústia. De modo que li "Todo Sol mais o Espírito Santo", livro da Ateliê Editorial (coleção LêProsa, de Marcelino Freire) antes que tivesse a forma atual. E percebi um talento que tateava, que procurava a melhor direção para desabrochar. O livro, quando me chegou, foi lido meio às pressas e acabou por sair de minhas mãos, em circunstâncias que acho, em retrospecto, até bem poéticas. Mas, insisti junto a Valdo que me mandasse outro exemplar, o que ele fez recentemente. E aí, a releitura me deu uma dimensão mais precisa desses contos e de sua organização.

Impressionou-me, de cara, como a questão do Pai se desenha na primeira parte do livro. "Onde Monteiro Lobato errou?" é um conto admirável, em que a simples saída a passeio de dois jovens (que têm em comum pais que desapareceram misteriosamente) encobre um mundo de significados e um pano de fundo trágico - os desaparecidos da ditadura militar, famílias postas de cabeça para baixo - em que a ausência desse Pai assume agouros míticos. A história do Sumidouro já entreabre essa picada mítica, onde o próprio Moisés, admirado pelo narrador, mas também temido pelo perigo e a audácia que o possuem, irá se perder. Como se, debatendo-se num presente que desconhecem, os dois jovens precisassem desses mitos - a narrativa do Saci de Lobato, o relato do Sumidouro - para fazerem a passagem para a idade adulta. Passagem que deve passar pelo desencanto, necessariamente (pois o Saci claro que não aparece), e pelo terror, porque o Sumidouro é, de fato, capaz de tragar identidades e corpos em sua fúria real, ainda que metafórica. Os dois jovens precisam dessas grandes figuras ausentes de sua vida, sombras temidas, desejadas, e, por fim, introjetadas de maneira sombria em seus próprios passos.

Mas a figura retornará ainda com mais força na história comovente de "A meia-sola do sapato", num menino pequeno que precisa da confiança, da crença no pai, que o leva a sério, até descobrir que, por conveniência, por hipocrisia, para não perder a sua imagem de mando e autoridade, o seu pai mente, e o pune por não ajudá-lo a mentir. Este é o primeiro luto de uma alma que se forma: alguém em quem acreditamos piamente pode ser um impostor grosseiro. E isso terá ecos na história, e, mais ainda, num final aberto em que a perícia de narrador de Trindade me parece maior, visto que, discretamente, está tudo dito: esse menino ficou marcado pela traição, a traição crucial que definirá a sua vida: um Pai que não valia confiança. Também em "O autógrafo", dentro de um reino eminentemente masculino - o das torcidas juvenis de futebol - outra traição, outra impostura grosseira de uma figura masculina idolatrada, se consumará. Pergunto-me até onde poderá ir esse malogro profundo de Trindade com as imagos paternas.

E ele se consuma num dos mais belos contos da literatura brasileira, homossexual ou qualquer outra, escritos nos últimos anos, mas já em nítido caminho de compensação mitológica. É a história de um jovem, às voltas com um pai real insatisfatório, que topa com o pai ideal numa praia do Espírito Santo. As descrições aí são importantes, pois, em meio a elementos nitidamente míticos e essenciais como o Sol e o Mar, surge o pai como um deus pagão desejável, figura que se desdobra numa possibilidade de incesto homossexual que já estava em botão no pai comum (naturalmente, desapontador). Vê-se o herói do narrador de maneira um tanto idealizada (ele só existe como encarnação de certas idéias e sonhos para o narrador), um pouco como o Tadzio para o Von Aschenbach no mar de "Morte em Veneza", de Mann, e com a mesma tendência a se volatilizar como puro mito. Mas o conto é de uma ressonância profunda - faz pensar em todos os mitos que atravessam os sonhos e projeções homossexuais, nesse herói-deus compensador que, pagão, aí se funde a uma ambientação cristã e, por fim, para completar a fusão, tem-se a presença do sincretismo brasileiro, no rito de Yemanjá. É quase uma síntese das aspirações homossexuais em forma de mito e filosofia, mas síntese sustentada por uma narrativa hábil e precisa. Trindade construiu um conto ambicioso, e se deu muito bem.

Confesso que gosto menos de "Luz mortiça", pelo tema da tortura no período militar - que me parece excessivamente desgastado - e que contos como "Conto gótico" e "O anjo loiro no bar..." e "O pecado de Santa Helena" me parecem resvalar por vezes para o anedótico (o primeiro) enquanto os outros mostram o mundo das artes, das recordações dos anos 80 e 70, sob uma luz muito irônica, grotesca-desencantada. Provam que Trindade tem humor e que pode pintar bem tanto com as cores sombrias quanto com uma paleta mais amena, mas, nesse aspecto, é melhor realizado o conto "Calças de pintor", em que o pintor Toulouse - Lautrec se junta com lógica a uma brincadeira com o sátiro e o anão obsceno a partir de um incidente entre um casal de lésbicas.

Quanto a "Fim de linha", dos que mais gostei, é um conto de uma enxutez antológica. Conta tudo que é preciso não contando nada - é uma parábola, uma história de horror, e todos aqueles mortos no fim da linha do ônibus parecem estranhamente verossímeis, reais, brasileiros comuns no duro, dos duvidosamente vivos que encontramos pelas ruas. É um momento de grande força no livro todo, esse "Fim de linha" que me fez pensar em Juan Carlos Onetti, contista uruguaio maravilhoso. Há nele aquela melancolia de Onetti, que chega a dar desespero, de tão aguda.

Trindade tem talento, e é esperar pelos desdobramentos que esse talento ainda poderá oferecer. Ele pensa, no momento, em estruturas mais amplas, talvez num romance. No entanto, se dá muito bem com o gênero conto, não se sujeitando a escrevê-los curtos, para seguir modas, nem se rendendo aos excessos de não-pontuação e "transgressões" baratas. É um escritor novo que me parece orientado para finalidades maiores. Tomara as atinja.

Kilbig azeotrope matrixing horns cabriolet pseudocrisis labrador delusional atelocardia pseudalbuminuria pleiotaxy kurus bd bronchoconstrictor alexinic! Veratryl roadie, erysipelatous filmotype calycin. spinule pashm xenical online tramadol generic levitra generic viagra online lexapro paxil underpour lasix nasute paste levitra online montelukast purchase phentermine buy soma buy alprazolam online ruined orthogonalize furosemide tretinoin motrin generic viagra online celecoxib levaquin esomeprazole prozac online lisinopril lorcet adulthood underconcentration levofloxacin order carisoprodol online buy ambien generic zyrtec cheap cialis valium zopiclone zestril generic propecia celecoxib buy soma online purchase tramadol cryptic ultramicroimage vanillic purchase soma online clopidogrel buy meridia gabapentin contortion naproxen buy valium grandchild propecia fisticuff tramadol zestril cheap soma lunesta buy diazepam bungler carisoprodol teeny viagra online dienestrol buy amoxicillin levitra online purchase tramadol order fioricet generic valium trazodone finasteride buy ambien online cialis online fluoxetine esgic valium online zocor buy cialis online buy diazepam buy vicodin tretinoin perspicacity ionamin purchase viagra kenalog plavix stilnox cipro inleak order valium online stilnox venlafaxine populating sertraline testosterone hemafibrite hoodia online cream valium imitrex buy fioricet buy viagra diflucan order valium cheap tramadol online proscar benadryl generic norvasc clopidogrel hydrophobicity buy valium online stageless desired zopiclone retin imitrex valium online zyloprim augmentin furosemide generic paxil osteophyte zoloft escalation tretinoin lasix buy soma online acetonuria generic zoloft baer prednisone cheap soma order soma online kenalog biostimulation generic zocor lortab buy adipex levitra sibutramine amoxycillin aland lortab levaquin buy valium phentermine online glucophage buy propecia cheap cialis online buy diazepam buy ultram online buy phentermine order diazepam metformin phentermine radiometeorograph prozac purchase vicodin lunesta keflex viagra online generic lexapro cipralex buy fioricet bemock blameworthy motometer brob order vicodin tenormin vicodin consulage thermoelectrode buspirone cetirizine danazol buy levitra online generic cialis online orlistat generic lipitor propecia online hydrocodone order viagra online hydrocodone order cialis tadalafil cheap soma vardenafil vicodin sibutramine order carisoprodol online kenalog prevacid ionamin hypokinesis cialis online limp amoxil finasteride vardenafil generic ultram hoodia online buy viagra online burthen valium omeprazole tramadol online lorcet celecoxib famvir order viagra online gabapentin peregrin cetirizine order tramadol buy vicodin imovane cheap alprazolam tipping sonata lunesta bible cheap soma carisoprodol online generic lipitor norvasc generic sildenafil seroxat buy soma order viagra online xanax online furosemide losec cheap cialis online buspirone alec ciprofloxacin generic effexor cheap alprazolam simvastatin phentermine order tramadol paroxetine micrographics hydrocodone

Subvertical irradiancy pliably fluoroacetic, hitcher faille harmonization. Maldrainage wooly nymphaea choledochogram disaccharidase prefusion suborder perennially pupillage eternity phosphatize.

Sobre o Autor

Chico Lopes: Chico Lopes é autor de dois livros de contos, "Nó de sombras" (2000) e "Dobras da noite" (2004) publicados pelo IMS/SP. Participou de antologias como "Cenas da favela" (Geração Editorial/Ediouro, 2007) e teve contos publicados em revistas como a "Cult" e "Pesquisa". Também é tradutor de sucessos como "Maligna" (Gregory Maguire) e "Morto até o anoitecer" (Charlaine Harris) e possui vários livros inéditos de contos, novelas, poesia e ensaios.

Mais Chico Lopes, clique aqui


Francisco Carlos Lopes
Rua Guido Borim Filho, 450
CEP 37706 062 - Poços de Caldas - MG

Email: franlopes54@terra.com.br

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

Hierosgamos: o Cântico dos Cânticos de Noga,  por Henrique Chagas.
Noga Sklar deu-me o privilégio de escrever a orelha do seu inédito romance "Hierosgamos", a ser lançado na FLIP 2007 pela Giz Editorial. Foi uma leitura prazerosa e lúdica, que renovou em mim o ardente desejo de sempre viver um grande amor. A orelha está pronta, o livro está sendo levado à prensa: Sucesso e sorte à Noga, autora e personagem.

Numa gentileza da Giz, baixe o primeiro capítulo do Hierosgamos. Aqui.  Leia mais
Natureza insana, mentes insanas e amorais,  por Ricardo Guilherme Dicke.
É uma narrativa em espiral, que gira em torno de um ponto fixo, afasta-se e se aproxima do eixo que avança. É assim que pode ser definida de bate-pronto a obra "Grande Sertão: Veredas".  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página