início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Além das Nuvens

Bruna Longobucco*

"Onde há fé, a verdade vai além dos fatos e o limite assume outra dimensão. Assim, no brilho da lua ou do sol sob o olhar das estrelas ou do céu de verão, "Além das Nuvens" leva a mensagem de que cada um pode construir sua própria verdade. É a medida de todos... Nas vozes do tempo, a palavra revela o outro lado do não".

Além das Nuvens

O menino correu até sentir o mar tocar seus pés. Voltou-se, então, para aquele que todos chamavam de “o grande sábio”, Artur, e sorriu. Levou algum tempo antes de materializar o que se passava em seu interior.

- Ainda não acredito que possamos encontrar o que não está de fato ao nosso alcance - disse.
- Ora Plínio, se não acredita, não precisa nem tentar. Mas, se em sua mente, isso for realmente possível, aí então terá todas as respostas que procura.
- Não sei, talvez seja tudo uma questão de imaginar, idealizar.
- Agora está mais próximo do que tenho tentado lhe falar todas as tardes, há mais ou menos doze luas.
Um brilho refletiu-se na expressão de Plínio e ele sorriu orgulhoso.
- Preciso voltar para casa. Meus pais me esperam e tenho um mundo de tarefas a realizar.

Artur assentiu, vendo seu mais novo discípulo se afastar. Depois que ele se foi, sentou-se na areia e refletiu por horas e horas. Parecia imerso em outra dimensão. Permaneceu assim, até que sentiu a mudança do clima e olhou a procissão de nuvens que escureciam a paisagem.

Caminhou algum tempo até o pequeno chalé, onde o horizonte indefinível era a janela para o mundo. Naquela tarde não havia sol ou promessa de estrelas. O céu cinzento anunciava tempestade e Artur achou melhor se recolher ao interior da rústica moradia.

Observou, da pequena janela em sua sala, o ir e vir das palmeiras alvoroçadas. Concluiu que, na manhã seguinte, a chuva deixaria seus sinais. Sinais refletidos na areia úmida e na vegetação que cobria as dunas.

Sim, como a chuva, a vida também deixava marcas...
Algumas eram benéficas ao crescimento espiritual. Outras, causavam dor, remorso, tristeza. Lembranças não bem-vindas de tempos passados.

De toda forma, um homem não poderia seguir adiante sem superar derrotas, deixar para trás as vitórias. A vida não é um recontar infinito do ontem, não deve ser.

Ainda bem jovem, Artur procurou refúgio na ilha isolada em meio ao oceano - a ilha de Adamir, escondida no país da paz.

Queria fugir de um dom que lhe fora confiado. Dera-lhe a deusa do templo de Leah o poder de aconselhar. Contudo, nem sempre seus conselhos eram alento à alma daqueles que o buscavam em aflição e, diversas vezes, lidou com a fúria, a vingança e a dor.

Chegou um dia em que não mais conseguiu suportar as palavras e suas conseqüências e partiu de Leah, sua cidade natal, decidido a se tornar um ser anônimo e completamente só, circundado apenas pelos livros e pela natureza sublime.

Mas, aos poucos, andantes foram se instalando na ilha de Adamir. Náufragos, exilados, fugitivos da alma, assim como ele.

E, a contragosto, tornou-se novamente um conselheiro. Descobriu que não se foge do que se é. Cada um recebe potencialidades, às quais precisa corresponder. A existência é a prova maior que deve enfrentar o ser humano que se propõe a trilhar o caminho da evolução.

Desistentes entregam-se ao acaso, tornam-se filhos da amargura; frustrados, perdem sonhos e ideais. Artur decidiu lutar e levar adiante a missão que lhe fora destinada. Era, agora, o mestre das crianças de Adamir. Mas não queria ensinar apenas o caminho dos homens, das letras, das palavras. Só seria um grande sábio quando ensinasse o caminho dos sonhos. O único capaz de ir além do tempo, além das nuvens...

Não se foge do que é, não se foge do que sente.
E não falo da verdade aparente,
mas sim daquela que transcende.


Onde você encontra Além das Nuvens:
. Café da Travessa Livraria
Getúlio Vargas, 1405, Savassi - Belo Horizonte/MG
Tel: (31) 3223-8092
. Leitura Pátio Savassi
Av. do Contorno 6061, Lj 235/236, São Pedro - Belo Horizonte/MG
Tel: (31)3288-3800

Sobre o Autor

Bruna Longobucco: Filha de imigrantes italianos, Bruna Longobucco nasceu em 10/04/1978, na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais.
Desde a infância, interessou-se por literatura e escrever veio como um dom natural. Em 2004, começou a divulgar seus trabalhos com participações em antologias e outras publicações. Graduada em Comunicação Social e bacharelanda em Direito, entre seus originais há contos, poesias, crônicas e romances.

Site oficial: http://www.brunalongobucco.com

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

Ricardo Dicke, uma aposta de Guimarães Rosa,  por Henrique Chagas.
Cada palavra dessa obra justifica a admiração que Guimarães Rosa teve por Dicke. Verdadeiramente, trata-se de um outro Guimarães Rosa. Também tem uma narrativa em espiral como “Grande Sertão: Veredas”.  Leia mais
"O Nome da Rosa" já está nas bancas,  por Umberto Eco.
O livro de Umberto Eco, segundo da coleção Biblioteca Folha, pode ser adquirido nas bancas neste domingo (15), junto do exemplar da Folha (mais R$ 11,50).  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página