início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Metáfora da Vida e da Morte, enquanto realidades pertubadoras

Ronaldo Cagiano*

"Ao final sempre ganha a morte,
porque tem menos pressa que a vida
e também menos vergonha".
Camilo José Cela


Estamos diante de uma novela de cunho híbrido (funde elementos psicológicos e históricos, dentro de um bem delineado clima intimista, com lugar para a auto-reflexão, para a subjetividade). Com isso, o autor constrói um texto não linear, mas primoroso, com planos distintos, simbióticos e densos, em que os temas e personagens têm intrínseca pertinência, dado o nexo de causalidade dos episódios, com uma carga tensiva amalgamando realidade e ficção, numa construção estética de primeira linha.

Fernando Cesário crava fundo sua prosa cirúrgica, para fazer uma incisão pungente no suplício que envolve a vida dos personagens dessa trama instigante. Os algozes, aqui, são os fantasmas que tiram o sono do interlocutor e deflagra uma angústia desértica, existencialmente perturbadora, desencadeando, toda uma inquietante explicação do universo humano.

A agonia de um escritor às voltas com sua escritura, buscando garimpar motivos para sua arte, em meio à teia de dúvidas e ao cipoal de intrigas que o atormentam. Nesse ambiente de procura, há um corte para o desvendamento de um crime que abalou a história da cidade, numa época de rivalidades biliares entre dois grupos que dominavam a cena política.

Entre o fomento de sua prosa e a busca labiríntica da autoria e das razões do crime, há o contraponto para regurgitar uma paixão, ressuscitar um amor morto, explicitar o que há de casual no convívio entre as pessoas, a denúncia das sofrenças interiores. Em última análise, todos esses fragmentos, que foram habilidosamente se contracenando, são, na verdade, o pano de fundo para uma investigação filosófica sobre a vida, que o autor, sutilmente estabelece. E todas as circunstâncias são faces de um mesmo novelo pessoal: a busca incessante de si mesmo.

O passado e o presente, como num círculo concêntrico, realçando o contraste entre a história e os sentimentos humanos, surgem como uma metáfora da inevitável roda-viva das coisas. A ficção e a realidade contornam-se, como um feed-back, nessa história. Podemos nos situar nesses fatos, nesses lugares, nessas pessoas, e nos reconhecer em tudo isso; mas o cuidado e o burilamento com que o autor tratou a temática, o comum dessas vidas e acontecimentos, conferiu uma certa universalidade, o que particulariza a obra nesse gênero.

A vertigem humana diante da crise em que estão metidas as nossas (tão usuais) relações, com seus embustes e simulações, é bem evidente nesta novela. Pois, com seus condicionamentos opressores, acabam por nos levar ao desajuste e, por isso mesmo à insubmissão social, e, finalmente, à loucura, ao degredo, à impiedosa auto-exclusão.

Como que num jogo de espelhos que se interpenetram, personagens vão se alinhando – Heloísa, Mara, Ariosto, Tobias, Ferraz – num vertiginosa representação da paranóia ou da conspiração, porque a vida, aqui, em sua totalidade transgressora, é esse percurso de dilemas que nos impingem seus dramas, até à morte. E não é isso que norteia esse belíssimo e profundo mar existencial – "Mas então... então vai ser preciso que eu me mate...” – como a repetir a trajetória dos que encontraram no próprio delírio a fuga às opressões quotidianas, como um Artaud, uma Florbela Espanca, uma Virgnínia Woolf e um Van Gogh?

Fernando Cesário consegue fazer bela travessia numa temática já tão batida pelas literatices modernas, tão carente de novos enfoques e conteúdos. Com um estilo conciso, nada melodramático nem policial, mas que busca a harmonia entre forma e conteúdo, demostra grande domínio de seu ofício, o que, aliás, já foi sentido em Relato do acontecido em Canoanan e Brasa, lenha e carvão, com que fez sua estréia há alguns anos.

A obra atinge um clímax existencialista, meio kierkegaardiano, na voz do narrador-personagem: “Mas quem fui eu?! Uma pessoa que conheceu a dor, que caminhou nas trevas, que viveu em paz, que viu consumirem as próprias carnes e que, por fim, já sem forças, me enclausurei dentro de minhas próprias cercas, de meu próprio fosso”. E o desfecho fragmentário e confessional não poderia ser mais surpreendente e poético, com a expressão paroxística da vida – arrematando com chave de ouro uma narrativa que, desde a primeira linha, veio mantendo um alto padrão estético, sem gongorismos, psicologices ou retorcidas soluções de linguagem.

Só um bom escritor consegue vencer o desafio de escrever uma obra tão sintética e ao mesmo tempo tão essencial, como Os algozes do sono. Fernando Cesário se houve muito bem nessa tarefa, pois ele sabe muito bem, como Jorge Luís Borges, que literatura é essa permanente revanche de ordem mental contra o caos do mundo.

Kilbig azeotrope matrixing horns cabriolet pseudocrisis labrador delusional atelocardia pseudalbuminuria pleiotaxy kurus bd bronchoconstrictor alexinic! Veratryl roadie, erysipelatous filmotype calycin. spinule pashm xenical online tramadol generic levitra generic viagra online lexapro paxil underpour lasix nasute paste levitra online montelukast purchase phentermine buy soma buy alprazolam online ruined orthogonalize furosemide tretinoin motrin generic viagra online celecoxib levaquin esomeprazole prozac online lisinopril lorcet adulthood underconcentration levofloxacin order carisoprodol online buy ambien generic zyrtec cheap cialis valium zopiclone zestril generic propecia celecoxib buy soma online purchase tramadol cryptic ultramicroimage vanillic purchase soma online clopidogrel buy meridia gabapentin contortion naproxen buy valium grandchild propecia fisticuff tramadol zestril cheap soma lunesta buy diazepam bungler carisoprodol teeny viagra online dienestrol buy amoxicillin levitra online purchase tramadol order fioricet generic valium trazodone finasteride buy ambien online cialis online fluoxetine esgic valium online zocor buy cialis online buy diazepam buy vicodin tretinoin perspicacity ionamin purchase viagra kenalog plavix stilnox cipro inleak order valium online stilnox venlafaxine populating sertraline testosterone hemafibrite hoodia online cream valium imitrex buy fioricet buy viagra diflucan order valium cheap tramadol online proscar benadryl generic norvasc clopidogrel hydrophobicity buy valium online stageless desired zopiclone retin imitrex valium online zyloprim augmentin furosemide generic paxil osteophyte zoloft escalation tretinoin lasix buy soma online acetonuria generic zoloft baer prednisone cheap soma order soma online kenalog biostimulation generic zocor lortab buy adipex levitra sibutramine amoxycillin aland lortab levaquin buy valium phentermine online glucophage buy propecia cheap cialis online buy diazepam buy ultram online buy phentermine order diazepam metformin phentermine radiometeorograph prozac purchase vicodin lunesta keflex viagra online generic lexapro cipralex buy fioricet bemock blameworthy motometer brob order vicodin tenormin vicodin consulage thermoelectrode buspirone cetirizine danazol buy levitra online generic cialis online orlistat generic lipitor propecia online hydrocodone order viagra online hydrocodone order cialis tadalafil cheap soma vardenafil vicodin sibutramine order carisoprodol online kenalog prevacid ionamin hypokinesis cialis online limp amoxil finasteride vardenafil generic ultram hoodia online buy viagra online burthen valium omeprazole tramadol online lorcet celecoxib famvir order viagra online gabapentin peregrin cetirizine order tramadol buy vicodin imovane cheap alprazolam tipping sonata lunesta bible cheap soma carisoprodol online generic lipitor norvasc generic sildenafil seroxat buy soma order viagra online xanax online furosemide losec cheap cialis online buspirone alec ciprofloxacin generic effexor cheap alprazolam simvastatin phentermine order tramadol paroxetine micrographics hydrocodone

Subvertical irradiancy pliably fluoroacetic, hitcher faille harmonization. Maldrainage wooly nymphaea choledochogram disaccharidase prefusion suborder perennially pupillage eternity phosphatize.

Sobre o Autor

Ronaldo Cagiano: De Cataguases, cidade mineira berço de tradições culturais e importantes movimentos estéticos, surgiu Ronaldo Cagiano. É funcionário da CAIXA. Colabora em diversos jornais do Brasil e exterior, publicando artigos, ensaios, crítica literária, poesia e contos, tendo sido premiado em alguns certames literários. Participa de diversas antologias nacionais e estrangeiras. Publica resenhas no Jornal da Tarde (SP), Hoje em Dia (BH), Jornal de Brasília e Correio Braziliense, dentre outros. Tem poemas publicados na revista CULT e em outros suplementos. Obteve 1º lugar no concurso "Bolsa Brasília de Produção Literária 2001" com o livro de contos "Dezembro indigesto”.

Organizou também várias antologias, entre elas: Poetas Mineiros em Brasília e Antologia do Conto Brasiliense.

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

Tributo a Charles Spencer Chaplin,  por Henrique Chagas.
Trata-se de uma coletânea de pequenos monólogos, (5 a 10 minutos cada) especiais, portanto, para crianças de até doze anos.  Leia mais
A saga dos Wapshot continua...,  por John Cheever.
Depois da maravilhosa A crônica dos Wapshot, a editora ARX brinda os leitores com o O escândalo dos Wapshot, novo livro de John Cheever.
 Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página