início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Seu Cão Merece! Você Merece! E Nós Também...

José Aloise Bahia*

Existe algum cão em seu apartamento ou casa? No sítio? Conhece algum vira-lata perdido ou freqüentador assíduo do seu bairro? Se a resposta for não para as três perguntas, bom sinal, pois você é um candidato em potencial para ler o livro "Çomo Mimar seu Cão" (Editora Zouk, São Paulo, 2005), de autoria do jornalista paulistano Rodrigo Capella. A dica inicial: de preferência leve este simples e divertido compêndio - não confunda com auto-ajuda - para uma leitura ao ar livre. Por exemplo, sentado num banquinho de uma praça ampla e arborizada da sua cidade, tendo como companhia alguns cachorrinhos que por lá passeiam com seus respectivos donos. Após as primeiras páginas e uma pitadinha de reflexão, uma coisa eu tenho certeza: a sua saúde e compreensão do mundo canino, por extensão o humano, aumentarão em graça, humor e cortesia. De repente, você pode até mudar de idéia. Num ato virtuoso e polido adotar um animal. Os médicos receitam. Dizem que faz bem para o coração.

Por falar nisso, se tem uma virtude que andava meio sumida do mapa no mundo contemporâneo é a polidez. A "virtude das aparências" de acordo com os franceses, prima em primeiro grau da educação, parece estar de volta. Forçando-nos a superar atos de recusa, a polidez sugere um encontro, e o seu desdobramento: a comunicação e o diálogo. Conjunção importante, e que vale sempre ser relembrado nesta mesclada sociedade individualista e globalizada. Sob a perspectiva do eu, advêm desta constatação algumas indagações: nestes tempos, seríamos nós suficientemente maduros para procurar o outro, e romper com a nossa indiferença? Suficientemente maduros para parar - dar um "stop" - e perceber o outro?

Tentar se comunicar, tornar comum, dialogar e manter uma interatividade mais plena? Valem refletir tais tentativas e esforços. Como valem também observar as lições cheias de afetividade apresentadas por Capella em seu livro. 50 dicas importantes para transformar seu animal de estimação num grande companheiro, ou 50 dicas importantes para transformar você num grande companheiro dele, o cão. No fundo, no fundo, já que as relações entre os humanos são mais complexas, procuremos pelos menos tratar bem o fiel amigo de todas as horas. Seja ele um mini-yorkshire de três anos (raça do enorme colega Brutus, a quem o autor dedica o livro), um lulu da Pomerânia, um pequinês, um boxer ou um fila.

A Moral da História - Eis a apologia fundante e a pergunta básica estampada por Capella na contracapa do livro: "O cão é o único que te dá amor incondicional! Não pede mesada, não exige presentes caros e gosta de distribuir carinho. Não está na hora de você fazer o mesmo por ele?" Uma possível resposta, se é que possam ter respostas - aliás, as soluções são os atos de carinho e cumplicidade cotidiana com o seu cão, seu gato, pássaros, etc. e a preservação da natureza em geral -, ou um reconhecimento, que é atentamente percebido e escrito nas orelhas de "Çomo Mimar seu Cão" pelo respeitado cineasta Carlos Reichenbach: " É engraçado, só agora me dou conta que posso falar cobras e lagartos de certas ex-namoradas e amigos ressentidos, mas não consigo ter sequer uma lembrança ruim de qualquer amigo canino. Acho que apliquei com eles todas as lições sugeridas neste livro, embora eu continue tendo a impressão de que não bem (ou só) de cachorros que Rodrigo Capella esteja falando".

Reichenbach captou o espírito da coisa. A moral da história. E quais são as lições fundamentais do livro? Cinco estágios, divididos em 50 dicas essenciais para o amadurecimento físico e psicológico do seu cão. Seria somente do cão!? Tudo gira em torno do verbo mimar. Isto mesmo, mimar = dar mimos, dar carinho. Tendo como epicentro de toda as situações não o cão em si, mas o seu dono. Ou os seus donos - tem psicólogos animais especializados e zoólogos que afirmam que os cães não têm somente um dono. Li isto numa revista científica de uma vizinha que estuda medicina veterinária na UFMG. Mas esta é uma outra discussão. Pois bem, voltemos ao livro. No estágio número um, observamos o valor da comunicação, a noção de liberdade, a alimentação, a higiene e as brincadeiras básicas e animadas que o autor revela como essências no trato e convivência diária com o(s) escolhido(s). Tem gente que não gosta só de um. Prefere logo o casal ou toda a ninhada.

Estágios e Dicas - A evolução do livro se faz pelo humor fino e a coragem ao divulgar determinadas situações e sugestões realisticamente fantásticas que beiram um tipo de democracia total, transgressora e transparente. É o caso da dica número 14 (estágio dois): "TV... Deixe o cão escolher a programação durante todas as semanas. Isso mesmo. No prazo máximo de um ano, você se tornará uma pessoa mais culta e mais canina. Quem garante? O cão." Não podemos desprezar tais sinalizações e escolhas, pois, segundo o autor, de uma maneira radical: "... Já nós, seres teoricamente humanos, preferimos assistir novelas, seriados, jornais e programas de auditório. Achamos isto divertido. Os cães detestam. Acham que esses programas são um atraso de vida."

No estágio três (se você conseguir chegar até lá será um grande passo, como observa o próprio Capella), os conhecimentos e noções de reciprocidade, polidez e leitura vão se aprofundando. As observações e incrementos chegam ao máximo da exigência na dica 26 (estágio três), cujo título chama-se "História". Como não se sabe o tipo de narração que o canídeo exigirá do seu dono, e para uma formação mais diversificada e humanista, aliás, mais canina, a sugestão é a seguinte: "Monte uma biblioteca para o seu animalzinho e catalogue toda a coleção... Com certeza terá um cão mais comunicativo, sociável e empreendedor". No estágio quatro, o item 36 chama a atenção, um dos assuntos prediletos de todos os homens e mulheres: "Namorar".

Os cães também necessitam namorar, segundo o autor. O cúmulo da sacanagem e solidão é cadastrar o cachorro nos sites de namoro virtuais (coisa que muitos marmanjos e marmanjas fazem há tempos). Interessante esta questão, pois vem à memória uma reportagem que vi semanas atrás numa emissora de TV a cabo. Uma sorridente e ruiva norte-americana estava sendo entrevistada enquanto escolhia num site específico um par ideal para sua jovem fox terrier de puro sangue. Ela ficou em dúvida entre dois pretendentes. Um do
estado da Flórida e o outro de Michigan.

Certificado de Fidelidade Canina - Se você conseguir - eu acho que consegue - chegar até o último estágio, o de número 5, você realmente tem uma saudável vocação para compartilhar a sua residência com um cão ou cadela (você decide!). As coisas encrencam mesmo, como aponta a dica 45, se você pretende adotar um cachorro e tem alguma criança em casa. Porquê? "O cão não gosta de dividir a atenção, o carinho e os elogios que recebe." Esta reflexão, com certeza, todo pai ou mãe já as fez. É claro! Para o bem da família. Depois de ler as 50 dicas, Capella impõe através de um breve sermão uma penitência, um longo exercício de tolerância: ler novamente as mesmas 50 dicas inúmeras vezes. Segundo o jornalista, ajuda na memorização. O grande prêmio, após os esforços empreendidos e passar por todos os estágios, encontra-se escrito na página 71: o Certificado de Fidelidade Canina.

Detalhe: para ter valor o diploma de "benemérito e grande benfeitor, amigo e irmão dos caninos" precisará ser assinado por não menos que o presidente da república. A assinatura do dono do cão é mais fácil de conseguir, doravante a do presidente...

Depois da leitura - atenta, amena, despojada e sem preconceitos, eu espero -, o negócio é praticar as lições. Entretanto, antes de realizá-las, tenha sempre em mente que o mínimo que o seu atual ou futuro cão quer é carinho, atenção e respeito. Agora, se a sua relação com ele está noutro patamar - vai de mau a pior - "Çomo Mimar seu cão", realmente, vai ajudar-lhe a refletir e a perceber onde estão os seus erros e como fazer para mudá-los. Pois afinal é bem mais sensato, humano e canino reconhecê-los e pedir desculpas através do diálogo, sorrisos em vez de caras feias, favores e educação em vez de indiferença.

Sei que é difícil, mas tente. Seja um pouco mais humilde, pacífico e polido. Já é um bom começo. Se quiser, se tiver paciência, vai aí uma dica final: tente também mimar com alegria contagiante, exercer o senso lúdico e divertir. Sem falsos moralismos, criar condições e momentos de felicidade. Seu cão merece! Você merece! E nós também...

Trecho (Dica) do Livro:

"Vivemos numa globalização cada vez mais intensa. As pessoas precisam divulgar seus trabalhos, façanhas, conquistas e realizações. Somente dessa forma obterão o reconhecimento justo dos demais seres humanos. Com os animais funciona diferente? Não, mas com a diferença de que eles têm a necessidade de informar aos outros sobre detalhes íntimos. Número de filhos, quantidade de pêlos, cor dos olhos e se ronca ou não. Por que tudo isso? Os outros cães precisam saber como o seu amigo é fisicamente e psicologicamente, para só assim decidir se vão gostar ou não dele. Portanto, comece a planejar um site para o seu cão. Se não tiver tempo, contrate um bom profissional, pois há muitos no mercado. Selecione um material diversificado e interessante sobre o cão, como cartas, vídeos, desenhos, figurinhas, bonecos e brinquedos em geral. Fotografe tudo nos mínimos detalhes e coloque no site. Isso ajudará, e muito, a carreira artística de seu amigo. Se é que ele pensa em ser um artista (pensa)?"

Sobre o Autor

José Aloise Bahia: José Aloise Bahia nasceu em nove de junho de 1961, na cidade de Bambuí, região do Alto São Francisco, Estado de Minas Gerais. Reside em Belo Horizonte. Tem ensaios, críticas, artigos, crônicas, resenhas e poesias publicadas em diversos jornais, revistas e sites de literatura, arte e imprensa na internet. Pesquisador no campo da comunicação social e interfaces com a literatura, política, estética, imagem e cultura de massa. Estudioso em História das Artes e colecionador de artes plásticas. Sócio fundador e diretor de jornalismo cultural da ALIPOL (Associação Internacional de Literatura de Língua Portuguesa e Outras Linguagens) Estudou economia (UFMG). Graduado em comunicação social e pós-graduado em jornalismo contemporâneo (UNI-BH). Autor de "Pavios Curtos" (poesia, anomelivros, 2004). Participa da antologia poética "O Achamento de Portugal" (anomelivros, 2005), que reúne 40 poetas mineiros e portugueses contemporâneos.


 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

BRASIL: NOVA CARTAGO?,  por Alaor Barbosa.
Alaor Barbosa, autor de "Um Cenáculo na Paulicéia", cuja resenha encontra-se publicada na VERDES TRIGOS, sob o título de "Lobato Revisitado" enviou-me texto completo de entrevista, autorizando-nos publicá-la, que concedeu ao Jornal Opinião, de Goiânia.  Leia mais
"Bíblia" de musa antiglobalização chega ao Brasil,  por Naomi Klein.
No Logo (título original) revela, segundo a autora, o processo de traição das promessas centrais da era da informação.  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página