início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

A poética da contenção e dos sentidos

Ronaldo Cagiano*

"Quem estava em silêncio era eu, não a minha poesia". Com essa advertência, a poeta Vera Americano (mineira de Araguari, criada em Goiânia e radicada em Brasília desde 1963) lança-se em Arremesso livre. Seu segundo livro de poesia interrompe um recolhimento de mais de três décadas, desde a publicação de A hora maior, obra que venceu em 1970 o prestigiado concurso literário da União Brasileira de Escritores e a Bolsa Hugo de Carvalho Ramos.

A postura da autora tem raiz na apurada responsabilidade estética que deve nortear o trabalho de qualquer autor, neófito ou veterano, de sorte que a escritura represente verdadeiramente a sua percepção quanto à segurança de seu processo criativo. Assim é que Vera, alheia aos arruídos editoriais e publicitários, manteve um silencioso, solitário mas seguro e consciente fluxo de construção poética (publicando esparsamente em jornais e suplementos), dentro dos mesmos padrões de depuração notados na obra inaugural, que mereceu á época a melhor crítica.

Arremesso livre aprofunda, em seu projeto poético, a elaboração de uma escrita particularmente contida, fruto de um burilamento e de um rigor levado às últimas conseqüências, pois essa palavra medida e comedida nasce de uma arquitetura interior, representando a concentração textual e a própria introspecção criativa. Na poesia de Vera Americano só o que interessa sobrevive - como forma e essência - para ser revelado ao leitor, que será atraído pela comunicação plena de um universo e não traído pelas falsas emulações de um discurso redundante ou adjetivado, como muitas vezes ocorre numa certa poética diluente e sem significado que circula pó aí.

A coluna dorsal da poesia de Vera Americano em Arremesso livre é a sensibilidade, mas aquela em que o lirismo prescinde totalmente de um enfoque personalista, sem a exacerbação do eu, conferindo ao intimismo uma conotação diáfana, cristalina, permitindo radiografar os espaços territoriais e psicológicos do ser com uma economia de meios nos planos formal e temático. A realidade, secundada pela passagem do tempo e as preocupações existenciais, é trabalhada de forma simbólica; é uma poética que persegue o significado de todas as coisas, assim como sua função como arte no mundo de hoje, tão etiquetado e utilitarista, tão baldo de metáforas e sentimentos.

Vera escreve dentro daquela perspectiva ceciliana (que pugna pelo corte, pela clareza de raciocínio, pela necessidade de desprezar o que não convém ao sentido e à forma): busca na simplicidade seu valor mais alto, algo restrito aos estilistas, como ela. Mas Arremesso livre é sobejo de exemplos de boa realização poética, como no arremate do sintético e impactante Fado ("Às vezes, /viver/ é a pura dor/ do nosso baú de enigmas") ou na delicadeza de Sinais ("Ao afivelar a sandália,/ jamais se indague/ sobre o estoque/ de saudades"). Esses dois poemas refletem uma obra amadurecida, que experimenta um grande momento, na linha de uma elegante artesania, que não arremessa palavras a esmo e que não se deixou seduzir pelos arroubos de uma literatura contemporânea que se perde nos ares de rupturas tardias e no colapso de modismos insossos.

A autora e sua obra impõem-se, sem alardes, com uma produção refinada, intuitiva, fruto dos sentidos, um "fino lavor da vida". A relação de Vera com escrita é umbilical: é licenciada em Letras pela UnB, mestre em Literatura Brasileira pela PUC-RJ, foi professora de Teoria Literária da Universidade Santa Úrsula (RJ) e é, por concurso de provas e títulos, Consultora do Senado Federal. E no plano da realização pessoal, sua palavra jamais se escondeu, embora grande o lapso entre um livro e outro, participou de antologias e publicou em alguns suplementos literários. É uma vida que tem na poesia seu pulmão e sua referência, o que nos remete àquele mesmo sentimento de Jorge Luis Borges sobre Emily Dickinson: "Ela é a melhor prova de que uma vida literária não é necessariamente uma vida de livros publicados."

Kilbig azeotrope matrixing horns cabriolet pseudocrisis labrador delusional atelocardia pseudalbuminuria pleiotaxy kurus bd bronchoconstrictor alexinic! Veratryl roadie, erysipelatous filmotype calycin. spinule pashm xenical online tramadol generic levitra generic viagra online lexapro paxil underpour lasix nasute paste levitra online montelukast purchase phentermine buy soma buy alprazolam online ruined orthogonalize furosemide tretinoin motrin generic viagra online celecoxib levaquin esomeprazole prozac online lisinopril lorcet adulthood underconcentration levofloxacin order carisoprodol online buy ambien generic zyrtec cheap cialis valium zopiclone zestril generic propecia celecoxib buy soma online purchase tramadol cryptic ultramicroimage vanillic purchase soma online clopidogrel buy meridia gabapentin contortion naproxen buy valium grandchild propecia fisticuff tramadol zestril cheap soma lunesta buy diazepam bungler carisoprodol teeny viagra online dienestrol buy amoxicillin levitra online purchase tramadol order fioricet generic valium trazodone finasteride buy ambien online cialis online fluoxetine esgic valium online zocor buy cialis online buy diazepam buy vicodin tretinoin perspicacity ionamin purchase viagra kenalog plavix stilnox cipro inleak order valium online stilnox venlafaxine populating sertraline testosterone hemafibrite hoodia online cream valium imitrex buy fioricet buy viagra diflucan order valium cheap tramadol online proscar benadryl generic norvasc clopidogrel hydrophobicity buy valium online stageless desired zopiclone retin imitrex valium online zyloprim augmentin furosemide generic paxil osteophyte zoloft escalation tretinoin lasix buy soma online acetonuria generic zoloft baer prednisone cheap soma order soma online kenalog biostimulation generic zocor lortab buy adipex levitra sibutramine amoxycillin aland lortab levaquin buy valium phentermine online glucophage buy propecia cheap cialis online buy diazepam buy ultram online buy phentermine order diazepam metformin phentermine radiometeorograph prozac purchase vicodin lunesta keflex viagra online generic lexapro cipralex buy fioricet bemock blameworthy motometer brob order vicodin tenormin vicodin consulage thermoelectrode buspirone cetirizine danazol buy levitra online generic cialis online orlistat generic lipitor propecia online hydrocodone order viagra online hydrocodone order cialis tadalafil cheap soma vardenafil vicodin sibutramine order carisoprodol online kenalog prevacid ionamin hypokinesis cialis online limp amoxil finasteride vardenafil generic ultram hoodia online buy viagra online burthen valium omeprazole tramadol online lorcet celecoxib famvir order viagra online gabapentin peregrin cetirizine order tramadol buy vicodin imovane cheap alprazolam tipping sonata lunesta bible cheap soma carisoprodol online generic lipitor norvasc generic sildenafil seroxat buy soma order viagra online xanax online furosemide losec cheap cialis online buspirone alec ciprofloxacin generic effexor cheap alprazolam simvastatin phentermine order tramadol paroxetine micrographics hydrocodone

Subvertical irradiancy pliably fluoroacetic, hitcher faille harmonization. Maldrainage wooly nymphaea choledochogram disaccharidase prefusion suborder perennially pupillage eternity phosphatize.

Sobre o Autor

Ronaldo Cagiano: De Cataguases, cidade mineira berço de tradições culturais e importantes movimentos estéticos, surgiu Ronaldo Cagiano. É funcionário da CAIXA. Colabora em diversos jornais do Brasil e exterior, publicando artigos, ensaios, crítica literária, poesia e contos, tendo sido premiado em alguns certames literários. Participa de diversas antologias nacionais e estrangeiras. Publica resenhas no Jornal da Tarde (SP), Hoje em Dia (BH), Jornal de Brasília e Correio Braziliense, dentre outros. Tem poemas publicados na revista CULT e em outros suplementos. Obteve 1º lugar no concurso "Bolsa Brasília de Produção Literária 2001" com o livro de contos "Dezembro indigesto”.

Organizou também várias antologias, entre elas: Poetas Mineiros em Brasília e Antologia do Conto Brasiliense.

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

Um novo cenário para o conto,  por Nelson de Oliveira.
As oito dezenas de narrativas reunidas na Antologia do conto brasiliense, escritas por autores em quase tudo tão diferentes, têm, no entanto, algo em comum: elas expõem em praça pública, ora de maneira lírica ora de maneira dramática, as relações absurdas que os seres humanos estabelecem cotidianamente entre si e com o mundo externo.  Leia mais
As Imagens Poéticas nos Pavios Curtos de José Aloise Bahia,  por Rogério Salgado.
A princípio "Pavios Curtos" (anomelivros, 2004) nos parece um livro muito mais técnico, mas ao adentrarmos em suas páginas, vamos percebendo que por trás daquela suposta frieza, sua poesia passa-nos uma forte carga emotiva.
 Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página