início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Expressões do aberrante: uma outra realidade

Thiane Nunes*

“O olhar inteligente pode hoje valer mais que a
estrutura mais bela e a construção mais sublime.”
Nietzsche


Resenha escrita por Miguel Ângelo O. do Carmo e originalmente publicada no Verbo 21

Pronto! Meus olhos não escapam a uma mensagem horripilante. O feio, o estranho, enfim, o grotesco tomam forma em uma simples propaganda de televisão (Ok! Se quiser, que tal um posicionamento inesperado frente a um quadro em uma sala de Museu? Não se espera Bosch em plena aparição transfigurada!). Ponho-me, então, a pensar: “o que pensar?”. Na verdade, não há nada a pensar, pois o impacto, a estranheza causada, já é um pensamento apressado, e por ser apressado, não percebo a realidade que se apresenta (sempre achei necessária a evidência do sentido paradoxal que esta palavra comporta: o que se apresenta é sempre aquilo que já está lá).

Voltemos a nossa brincadeira inicial. Afinal, o que é isto que se nos apresenta (e que já estar sempre lá)? Thiane Nunes, em seu livro Configurações do Grotesco: da arte à publicidade, nos lança uma palavra: o grotesco, nada mais! Este livro, assim como nossa brincadeira, denuncia a renúncia inconsciente do que nos é estranho (Nietzsche diria; “renuncia da vida”), mostra a estreita percepção do que faz parte do real que sempre é colocado como duplicação: que tal fazer a história do que não é grotesco em nossas vidas? É preciso muito conto de fada para ficar do lado comum da vida e vermos sempre o que aparentemente é belo. Mas o belo, no livro de Thiane Nunes, ganha, historicamente, outra forma, aquela que nos acorda, aquela que nos lança constantemente para a realidade e, no entanto, não deixa de ser arte.

O passeio começa em esclarecimentos conceituais acerta do que é grotesco; traz como exemplo pinturas dos séculos XV e XVI (Hieronymus Bosch e Pieter Brueghel) e obras literárias sobre o tema do século XVII ao XX. Em seguida, vemos como a arte grotesca se expressou em várias épocas. Aqui, à luz de Benjamim e Bakhtin, é interessante notar a transposição da arte, como forma popular na Idade Medieval, para ser um instrumento ético-político em suas várias expressões estéticas: Fuseli, Goya, Géricault, Wiertz, Magritte, Joseph Beuys e Damien Hirst. A arte grotesca a serviço de uma crítica social. Tal empreitada ficou a cargo, também, da escrita. A autora nos convida a prestar atenção na literatura mundial: Thomas Mann, Gogol, Edgar Allan Poe, Baudelaire (por sinal, também crítico de arte), Kafka, etc. Passa para o cinema com Nosferatu (Murnau), Nouvelle Vague e cita Buñuel, David Lynch, Coppola e outros. A música não fica de fora; temos então Radiohead, Joy Division, Sisters of Mercy, Paganini e muito mais. Passa pela escultura e traz fotos de artistas contemporâneos de tirar o fôlego.

O próximo passo da Thiane foi uma análise sobre a incursão do grotesco na publicidade — tema que trouxe muito que discutir. Valendo-se de exemplos de campanhas como a da agência Diesel, da C & A, Benetton, etc., vemos a atenção ser voltada para temas polêmicos como suicídio, aborto, racismo, doentes de aids em estado terminal, drogas, fome e outros. Em outras palavras, os exemplos explorados pela autora demonstram o quanto o grotesco, por um lado, desmistifica as visões alienantes de um mundo belo a ser consumido, e, por outro, na realização desta tarefa, tem que se apresentar (ou é visto) como tabu. O papel criativo da publicidade, na sua relação com a arte grotesca, não deve se resumir às escolhas preferenciais e estéticas, mas a transformação singular do real e, conseqüentemente, daquele que recria o real. A “estética do espanto” quer nos acordar; fazer-nos transpor um determinado sentido e culminar tudo em novas formas, em um novo olhar. Convenhamos, o espanto, a partir do que é grotesco na publicidade, é uma sacudida em roupagem nova, seu efeito principal continua sendo a transfiguração da nossa relação com certa realidade.

Esse elemento, estético-crítico da arte grotesca, podemos encontra-lo nas citações do publicitário Oliero Toscani, que a autora nos traz em boa hora. Os trabalhos de Toscani visam uma comunicação imagética que venha a modificar a posição de quem a aprecia; não basta simplesmente lançar imagens sem nenhuma mensagem a dizer, a não ser a imbecil imploração de um consumo, é preciso fazer da imagem algo diferenciado e eletrizante, um impacto dos olhos para se firmar em novas órbitas. Toscani, à frente da Benetton, é um realizador de novos mundos, pois desloca os caminhos da arte publicitária.

Aprofundando mais o tema do grotesco na publicidade, a autora dedica um capítulo inteiro para uma das grandes agências do momento, a KesselsKramer, liderada por Erik Kessels e Johan Kramer. A marca desta agência holandesa é o humor, mas não no sentido de “humor grotesco”, que denuncia os vitimados; o objetivo é potencializar aquilo que a primeira vista pode aparentar tristeza. A campanha para os sapatos Shoebaloo, usada como exemplo pela autora, mostra isso muito bem: os modelos deficientes são apresentados como pessoas que se sentem úteis para a sociedade. È interessante perceber este viés na propaganda publicitária e encetar uma discussão sobre o esclarecimento da utilização dos modelos deficientes. O dito “humor” da agência é essa potencialização da vida.

O capítulo 5 é interessante, pois a autora tenta mostrar as idéias que norteiam a produção publicitária: o que se espera ao comunicar uma imagem? Que idéia pode-se ter do impacto ocasionado no receptor? O que podemos entender por “arte aurática” e qual o seu papel na fruição artística? A “usina Publicitária” está em jogo. E algumas conclusões iniciais são interessantes. O primado de Husserl cai no meio publicitário: “toda consciência é consciência de algo”; ora, toda mensagem é intencional, isso é certo, mas, quais os efeitos de tal intenção? Se a comunicação das imagens tem como intenção revelar algo mais que um produto posto à venda, quais os efeitos dessas sensações, emoções e vivências que ela traz? Se o impacto deve ser um “acordar”, algo estritamente político-social, a usina produz bons produtos. Caso contrário não passa de uma grande enganadora, devoradora de espíritos que se acham ativos. Aqui eu preciso discordar: estamos vivendo uma sociedade alienada, e os produtores de mensagens sabem disso e tiram poder daí. Basta olhar para o lado, a “burrificação” está vivendo, respirando e nos fazendo fingir viver. A verdade pode ter perdido o seu status de absoluta, mas a linguagem continua realizando a sua melhor função: fazermos acreditar que ela existe. E na usina, retirando as boas convicções, ainda se fabrica essa verdade. Que venha a comunicação crítica, e com ela, a idéia de que toda intenção é intenção de poder. Se o grotesco é polêmico é porque nos domina, está em nossas entranhas.

O último capítulo traz os dois grandes teóricos da industria cultural: Walter Benjamim (e seu conceito de aura na arte) e Adorno (com grande desconfiança em relação a indústria cultural). Com a chegada da Indústria Cultural, na primeira metade do século XX, Adorno e Benjamim apresentaram visões diferentes sobre os efeitos sociais que este novo modo de se fazer arte geraria. Enquanto Benjamim via a implementação de novas técnicas de reprodução da arte como a eliminação do sagrado (da aura) que envolve a arte, aproximando-a mais do público, pois o acesso através do cinema, da fotografia, etc., seria maior, Adorno achava que a diversidade cultural dessa industria seria a realização sutil de uma uniformização cultural. Esses contrapontos são preciosos no trabalho da Thiane, pois coloca em voga uma discussão sobre o papel da arte no seio do povo, ou melhor, que politização se aproxima dos modos de vida sociais; qual o melhor meio de politizar, através destas técnicas, o efeito da arte? Que importância as expressões do aberrante trazem a esse novo modo de produção cultural?

Com respostas ou sem elas, o grotesco se intensificou na publicidade. Vemos desfilar a idéia de Benjamim e a crítica de Adorno em nossas propagandas, em nossas televisões, na moda, etc. Contra tudo isso, fica a recomendação de Thiane: o grotesco como politização da arte e construção de uma nova realidade. Expressões do aberrante.

Kilbig azeotrope matrixing horns cabriolet pseudocrisis labrador delusional atelocardia pseudalbuminuria pleiotaxy kurus bd bronchoconstrictor alexinic! Veratryl roadie, erysipelatous filmotype calycin. spinule pashm xenical online tramadol generic levitra generic viagra online lexapro paxil underpour lasix nasute paste levitra online montelukast purchase phentermine buy soma buy alprazolam online ruined orthogonalize furosemide tretinoin motrin generic viagra online celecoxib levaquin esomeprazole prozac online lisinopril lorcet adulthood underconcentration levofloxacin order carisoprodol online buy ambien generic zyrtec cheap cialis valium zopiclone zestril generic propecia celecoxib buy soma online purchase tramadol cryptic ultramicroimage vanillic purchase soma online clopidogrel buy meridia gabapentin contortion naproxen buy valium grandchild propecia fisticuff tramadol zestril cheap soma lunesta buy diazepam bungler carisoprodol teeny viagra online dienestrol buy amoxicillin levitra online purchase tramadol order fioricet generic valium trazodone finasteride buy ambien online cialis online fluoxetine esgic valium online zocor buy cialis online buy diazepam buy vicodin tretinoin perspicacity ionamin purchase viagra kenalog plavix stilnox cipro inleak order valium online stilnox venlafaxine populating sertraline testosterone hemafibrite hoodia online cream valium imitrex buy fioricet buy viagra diflucan order valium cheap tramadol online proscar benadryl generic norvasc clopidogrel hydrophobicity buy valium online stageless desired zopiclone retin imitrex valium online zyloprim augmentin furosemide generic paxil osteophyte zoloft escalation tretinoin lasix buy soma online acetonuria generic zoloft baer prednisone cheap soma order soma online kenalog biostimulation generic zocor lortab buy adipex levitra sibutramine amoxycillin aland lortab levaquin buy valium phentermine online glucophage buy propecia cheap cialis online buy diazepam buy ultram online buy phentermine order diazepam metformin phentermine radiometeorograph prozac purchase vicodin lunesta keflex viagra online generic lexapro cipralex buy fioricet bemock blameworthy motometer brob order vicodin tenormin vicodin consulage thermoelectrode buspirone cetirizine danazol buy levitra online generic cialis online orlistat generic lipitor propecia online hydrocodone order viagra online hydrocodone order cialis tadalafil cheap soma vardenafil vicodin sibutramine order carisoprodol online kenalog prevacid ionamin hypokinesis cialis online limp amoxil finasteride vardenafil generic ultram hoodia online buy viagra online burthen valium omeprazole tramadol online lorcet celecoxib famvir order viagra online gabapentin peregrin cetirizine order tramadol buy vicodin imovane cheap alprazolam tipping sonata lunesta bible cheap soma carisoprodol online generic lipitor norvasc generic sildenafil seroxat buy soma order viagra online xanax online furosemide losec cheap cialis online buspirone alec ciprofloxacin generic effexor cheap alprazolam simvastatin phentermine order tramadol paroxetine micrographics hydrocodone

Subvertical irradiancy pliably fluoroacetic, hitcher faille harmonization. Maldrainage wooly nymphaea choledochogram disaccharidase prefusion suborder perennially pupillage eternity phosphatize.

Sobre o Autor

Thiane Nunes: Publicitária e vocalista da banda Deus e o Diabo

Thiane Nunes formou-se em Publicidade e Propaganda no segundo semestre de 2001. Seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), com o tema Configurações do Grotesco – da arte à publicidade, foi escolhido como um dos três melhores, além de ter sido finalista de um concurso da universidade. Thiane resolver inscrever esse trabalho num concurso da Editora Nova Prova.

site official : www.deuseodiabo.com
blog : http://deuseodiabo.blig.ig.com.br

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

Metáfora da Vida e da Morte, enquanto realidades pertubadoras,  por Ronaldo Cagiano.
Fernando Cesário crava fundo sua prosa cirúrgica, para fazer uma incisão pungente no suplício que envolve a vida dos personagens dessa trama instigante.  Leia mais
Dez conversas: Diálogos pertinentes,  por José Aloise Bahia.
Uma obra valiosa e ágil, plural e revigorante, pautada pela qualidade de discernimento e esforço jornalístico em compreender o atual panorama da poesia brasileira: Dez conversas: diálogos com poetas contemporâneos (Gutenberg Editora, 2004), de autoria do jornalista, professor e poeta mineiro Fabrício Marques  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página