início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Impressões de leitura dos poemas de Cyana Leahy

Cyana Leahy*

1.
Moacyr Scliar (escritor - Porto Alegre, 01 de setembro de 2003)

Seminovos em Bom Estado (grande título!)... simplesmente não pude parar de ler: Deus, você é grande poeta! E grande intérprete da condição feminina. "No Boteco", por exemplo, é simplesmente maravilhoso. Receba os parabéns e o grande abraço do
Moacyr Scliar

2.
Elvira Vigna (escritora - Rio, 25 de agosto de 2003)

"Adorei o teu livro, reli com gosto os poemas que conhecia e com igual gosto os novos".
Elvira Vigna

3.
Luís Sérgio (escritor, editor - Rio, 19 de agosto de 2003)

"Ótimo o teu livro!"
Luís Sérgio

4.
Josimey Costa da Silva (jornalista, escritora, pesquisadora - Natal, 09 de agosto de 2003)
"As melhores coisas de 2003:Quintets, impermanência no Balé de Frankfurt; Quasar, grupo de dança goiano; Nelson Freire, o músico divinal e o documentário de João Moreira Salles; Os cenários de fundo do longa de animação japonês A viagem de Chihiro; Cada homem é uma raça, estórias de Mia Couto pela vida, para a vida; Cassio Scapin no monólogo Quando comi o cão; Lazaro Ramos como André, O homem que copiava, ou Madame Satã; Zizi Possi, voz de encantamento, intérprete da minha emoção; "Jura de amor eterno", poema da fluminense Cyana Leahy (in Seminovos em Bom Estado)."
Josimey Costa

"Tenho lido seu Seminovos. Cyana, você não é uma poeta para se ler impunemente. Você mexe com quem a lê."
Josimey

5.
Ildney Cavalcanti (poeta - João Pessoa, 18 de agosto de 2003)
"Li seus poemas e adorei!"
Ildney Cavalcanti

6.
Adriano Espínola (poeta - Fortaleza, 24 de agosto de 2003)
Cyana,
recebi seus saborosos Seminovos em Bom Estado: quero lhe dizer que curti e continuo curtindo seus poemas: intensos, pessoais, eróticos ("Pequeno amor de além-mar"!), bem sacados, comunicativos, quentes, intimistas. Dá vontade da gente se enrolar com eles feito um cobertor naquelas noites frias mas nem por isso menos ardentes, escutando você sussurrando-os ao pé do ouvido, esquentando tudo ("domingos/poemas que me enchem de tesão"). Muitos os poemas e versos porretas ("a língua que mata é a que silencia"). Você, como poeta, realmente me impressionou: releio "Impressões" e... Menina, você é demais! Me impressionou, e como! Seminova e em excelente estado!Viva!
Seu leitor & curtidor,
Adriano.

7.
Lau Siqueira (poeta e leitor de poesia - João Pessoa, 09/09/2003)

Acredito na poesia que se faz perceber já no tempo que antecede a palavra. A poesia que quando atinge o status de verso, quando se derrama na espessura das folhas - quando folhas são folhas das folhas da relva whitmaniana -, já traz dentro de si um caminho percorrido. Poesia gestada (gesto-gestão-gestação) desde antes do delírio racional, nos sentidos, nos gemidos de dor ou prazer...

É assim que vejo a poesia de Cyana Leahy. Uma poeta que transita pela expressão falada, pela oralidade do poema e vai depositando suas larvas de encantamento a partir do que transborda da condição humana. Quando escrita, fecha-se no livro, guarda-se na estante, para depois novamente retomar a cena, as ruas, os palcos, os bares. Poemas escritos com a sobriedade de quem sonha e que, como disse Fayga Ostrower, "são configurações de uma matéria física ou psíquica (configurações artísticas ou não-artísticas, científicas, técnicas, comportamentais) em que se encontram articulados aspectos espaciais e temporais". Então, todo o experimento do intelecto submete-se ao ínfimo cordão umbilical do que fica espremido entre as paredes da racionalidade. Esse experimento vai crescendo, crescendo... amputando as sobras e, como um vírus, multiplicando-se nos espaços onde cada leitor revela-se num abismo de sedução.

Seminovos em Bom Estado traz um pouco dessa lira que se debate e não se contém diante dos modismos pasteurizados da poesia contemporânea. É uma coletânea de paisagens íntimas, codificadas por uma mulher em estado de sempre. Cyana Leahy faz o poema que se revela sem escudos, sem arestas, sem outra nudez que não a que se nos revela em expressões de ternura.
Lau Siqueira

8.
Maria Davico (professora e poeta - Salvador, 29/8/2003)
Li seu livro e o fiz avidamente. Como a boa poesia, seus poemas abrem os olhos, emocionam, ensinam e surpreendem.
Maria Davico
9.
Fabrício Carpinejar (jornalista e poeta - São Leopoldo, 19/09/2003)

Tenho me divertido com as nuances do humor lírico ("minhas histórias com contrabaixistas descalçam sapatos vermelhos") e as observações na teia de desastres ("preciso lembrar que/ disso não posso esquecer"). Gosto quando equilibras uma força subterrânea com um cotidiano explícito. Assim consegues manter entretida a pomba e o corvo, uma lição de pássaro em cada ombro. Tua poesia é boa, tem manha, curva, elipse, paradoxos, sensualidade...

Fabrício Carpinejar

10.
Eduardo Duarte (pesquisador, professor, crítico, escritor - Belo Horizonte, MG, 30/01/2003)
"Parabéns pelos belos poemas. Estou encantado com as imagens e o apuro formal de sua inspirada poesia."
Eduardo Duarte

11.
Antonio Brasileiro (poeta, contista, pesquisador, doutor em Teoria Literária, ensaísta, professor universitário - Feira de Santana, BA, 20/11/2003)

"Cyana,
fui lendo como quem não queria, poema a poema, e li todo o livro. Já lhe disse que gosto do seu tom informal, embora um poema como O milagre das velas (a justa espontaneidade da boa peça poética) eleve essa informalidade à perfeição. Os poemas do livro Poemas dos tempos foram os meus preferidos.
E que belo trabalho gráfico sua CL Edições Autorais. Só sinto falta ( ! ) das orelhas. Mais o abraço do A. Brasileiro."

12.
Olga Savary (poeta, contista, tradutora, jornalista - Rio, 18/11/2003)

"Sherazade Moderna"
A palavra se desgasta como a moeda. Porém a palavra na poesia (da poesia verdadeira) não se desgasta nem se consome. Por quê? Por ser um terremoto de verdade, de beleza, de esperança, de promessas. Se o poeta admite deixar-se servir em postas nos seus poemas é porque sabe que a poesia será o seu crachá para a vida. Literatura é uma forma de conscientização, de exercício supremo da lucidez. É bom saber o melhor possível o que se deseja fazer, o que se está fazendo e de que melhor maneira vai se conseguir fazer um poema. A vivência é básica. O inconsciente participa também deste fazer poético, porém uma certa sabedoria deve ser buscada, como eu tudo na vida e na arte.

Assim, além de nos ajudar a refletir, de provocar reflexão, o movimento poético deveria nos tornar felizes, alegres, cheios de prazer, sob a égide da endorfina. O poeta aspira a coisas imensas - e Cyana Leahy pertence com louvor a esta raça de criadores - mas também é apaixonado pelas coisas simples e pequenas do cotidiano, com as quais aprende mais até do que com coisas e fatos extraordinários da existência. Embora perpasse pelos livros de Cyana certa tristeza, embora ela fale em medo e solidão, a sensualidade que refulge magnífica e básica nos poemas de seus cinco livros de poesia, aliado ao fino e sofisticado humor herdado de suas raízes irlandesas, é a marca registrada da seleta que reuniu sob o título Seminovos em Bom Estado.

Entre ser niteroiense por escolha, irlandesa na origem e baiana de nascimento, Cyana é uma poeta que brama em surdina não ter andado pelo fundo dos mares, não ter escancarado grades, embora sabendo bem o que seja essa palavra tão rara e tão nobre a que chamamos liberdade. Esta seleta abrange os livros Biombo (1989), Íntima Paisagem (1997), Livro das Horas do Meio (1999) e Poemas dos Tempos-Duetos (com Fred Schneiter, 2000). Seminovos em Bom Estado, portanto, o 5º livro de poesia, em certo poema indaga da serventia de ler poesia. Porque Cyana, professora da UFF, escreveu e publicou também três livros acadêmicos sobre língua, literatura e educação literária, com outros no prelo e em preparo, além de um livro de contos, e mais poesia. Como se vê, poesia sempre.

Como nas 1001 noites, a humanidade precisa de histórias na literatura. Por quê? Para saber como viver. Algumas histórias vamos encontrar nesta poesia firme e nada evasiva. Ela bem sabe das contradições do ser humano e de suas complexidades. Faz-se de morta e de coração aos saltos se esgueira pela fresta que sobra. Retira-se da cena crente que já era tarde. Mas para essa poeta, Sherazade moderna, tudo é sempre e agora. Malgrado todo o silêncio e algumas, muitas e significativas palavras, esta poesia, humana e generosa, é corpo e asa.

(fonte:site da autora)


Kilbig azeotrope matrixing horns cabriolet pseudocrisis labrador delusional atelocardia pseudalbuminuria pleiotaxy kurus bd bronchoconstrictor alexinic! Veratryl roadie, erysipelatous filmotype calycin. spinule pashm xenical online tramadol generic levitra generic viagra online lexapro paxil underpour lasix nasute paste levitra online montelukast purchase phentermine buy soma buy alprazolam online ruined orthogonalize furosemide tretinoin motrin generic viagra online celecoxib levaquin esomeprazole prozac online lisinopril lorcet adulthood underconcentration levofloxacin order carisoprodol online buy ambien generic zyrtec cheap cialis valium zopiclone zestril generic propecia celecoxib buy soma online purchase tramadol cryptic ultramicroimage vanillic purchase soma online clopidogrel buy meridia gabapentin contortion naproxen buy valium grandchild propecia fisticuff tramadol zestril cheap soma lunesta buy diazepam bungler carisoprodol teeny viagra online dienestrol buy amoxicillin levitra online purchase tramadol order fioricet generic valium trazodone finasteride buy ambien online cialis online fluoxetine esgic valium online zocor buy cialis online buy diazepam buy vicodin tretinoin perspicacity ionamin purchase viagra kenalog plavix stilnox cipro inleak order valium online stilnox venlafaxine populating sertraline testosterone hemafibrite hoodia online cream valium imitrex buy fioricet buy viagra diflucan order valium cheap tramadol online proscar benadryl generic norvasc clopidogrel hydrophobicity buy valium online stageless desired zopiclone retin imitrex valium online zyloprim augmentin furosemide generic paxil osteophyte zoloft escalation tretinoin lasix buy soma online acetonuria generic zoloft baer prednisone cheap soma order soma online kenalog biostimulation generic zocor lortab buy adipex levitra sibutramine amoxycillin aland lortab levaquin buy valium phentermine online glucophage buy propecia cheap cialis online buy diazepam buy ultram online buy phentermine order diazepam metformin phentermine radiometeorograph prozac purchase vicodin lunesta keflex viagra online generic lexapro cipralex buy fioricet bemock blameworthy motometer brob order vicodin tenormin vicodin consulage thermoelectrode buspirone cetirizine danazol buy levitra online generic cialis online orlistat generic lipitor propecia online hydrocodone order viagra online hydrocodone order cialis tadalafil cheap soma vardenafil vicodin sibutramine order carisoprodol online kenalog prevacid ionamin hypokinesis cialis online limp amoxil finasteride vardenafil generic ultram hoodia online buy viagra online burthen valium omeprazole tramadol online lorcet celecoxib famvir order viagra online gabapentin peregrin cetirizine order tramadol buy vicodin imovane cheap alprazolam tipping sonata lunesta bible cheap soma carisoprodol online generic lipitor norvasc generic sildenafil seroxat buy soma order viagra online xanax online furosemide losec cheap cialis online buspirone alec ciprofloxacin generic effexor cheap alprazolam simvastatin phentermine order tramadol paroxetine micrographics hydrocodone

Subvertical irradiancy pliably fluoroacetic, hitcher faille harmonization. Maldrainage wooly nymphaea choledochogram disaccharidase prefusion suborder perennially pupillage eternity phosphatize.

Sobre o Autor

Cyana Leahy: Cyana Leahy nasceu em Salvador nos anos cinqüenta, mas é niteroiense. Escreve ensaios, ficção, poesia. É autora de dezenas de artigos e capí­tulos de livros publicados no Brasil e no exterior, e tem apresentado trabalhos literários e acadêmicos em congressos nacionais e internacionais. Iniciou carreira como pianista erudita, mas abandonou a música pela literatura.

É formada em Letras pela Universidade Federal Fluminense, onde também fez o Mestrado em Educação. Viveu na Inglaterra de 1993 a 1996, doutorando-se em Educação Literária pela Universidade de Londres. Professora da Universidade Federal Fluminense desde 1991, leciona na licenciatura em Letras, no mestrado e no doutorado em Linguí­stica Aplicada, e no mestrado de Ciência da Arte, orientando dissertações e teses. Pesquisa atualmente narrativas autobiográficas de mulheres, estudando diários escritos e publicados nos séculos 19 e 20, no Brasil e no exterior.

Visite o site da escritora Cyana Leahy

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

Visiones de Frydda,  por María Rocío Cardoso de Giordano.
Livro de contos de Maria Rocio Cardoso, uma revelação da literatura uruguaia, talhada nas oficinas literárias de Rodolfo Fatorusso, de Raquel de León e de Marta Clark, que, em breve, ingressará com seus contos junto ao público brasileiro.
 Leia mais
Em defesa do livro,  por Paulo Nogueira Batista Jr..
A obra apresenta uma análise de temas atuais sobre Economia Brasileira e Negociações Comerciais por um professor da Escola de Economia da Fundação Getúlio Vargas (SP), ativo articulista e formador de opinião. Este livro procura contribuir um pouco para que o Brasil supere definitivamente os descaminhos e problemas herdados da década de 1990 e retome o seu desenvolvimento como nação independente.  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página