início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

No garimpo da linguagem

Ronaldo Cagiano*

Lançado no último dia 14, o romance "Erefuê", do mineiro Evandro Affonso Ferreira já está dando o que falar. Em mais uma ousada incursão pela nossa língua, o autor dá seqüência à sua saga de diligente pesquisador. Ferreira mergulha nos pélagos da linguagem, para extrair, com a perícia de escafandrista do idioma, preciosidades lexicais, numa proposta que busca mostrar todas as possibilidades de comunicação que ele nos oferece.

A um primeiro contato com esse fluxo vertiginoso, quase hemorrágico, de expressões pouco utilizadas na fala e na escrita quotidianas, o leitor poderá questionar a validade dessa empreitada, sobretudo num mundo, cujo dinamismo da comunicação e rápido escalonamento de valores exigem agilidade e rapidez na apreensão do conhecimento. Não custará a ele perceber o equívoco. Não obstante deparar-se com uma linguagem menos convencional, estará diante de um universo multifacético, em que cada expressão foi utilizada de maneira funcional, numa atitude criativa que visa não só realizar uma interface com uma linguagem esquecida mas conseqüente, como fazer a crítica da própria comunicação em nossos dias, tão marcada pelo tráfico de termos estrangeiros e pela assunção de gírias e modismos.

"Erefuê vem completar o que poderíamos considerar uma espécie de trilogia etimológica, iniciada com os mini-contos de"Grogotó" (Topbooks, Rio, 2001) e a novela "Araã!" (Hedra, SP, 2002), resultado do talento e do faro prospector de Evandro, em seu esforço de tirar do limbo certas expressões coloquiais que fazem parte do imaginário coletivo. Nesse aluvião, o autor recolheu para composição de um amplo espectro de termos, palavras de origem erudita e popular. Do arcaico ao moderno, do latim ao grego, das gírias à toponímia indígena, a apuração valeu a pena. A experiência fascinante de percorrer os territórios da língua resultou num expressivo caleidoscópio vernacular.

Ainda que o autor tenha se esmerado em catalogar palavras estranhas, em tal mapeamento não descurou de construir um enredo, estimulando assim o trânsito do leitor numa linguagem densa e pouco usual. "Erefuê" não é um compêndio de dicções estranhas, de expressões anacrônicas ou de interjeições propaladas a esmo, de efeito pictórico ou mitológico, ou que provoquem incompreensão ou espanto, como "huifa", "glugue", "banazola", "ixe", "é é é é", "ã-hã", "cof cof cof", "eh-eh", ou latinismos recitados a torto e a direito. Hélas. Alto lá! Cada termo tem seu lugar e sua razão no processo narrativo. Evandro, com perícia e talento, no lugar de criar uma arca de noé vocabular, construiu uma sintaxe própria, numa história amalgamada com humor e ironia.

O livro contextualiza o drama de Menelau, que é levado a julgamento pelo assassinato do amante de Helena, sua esposa, flagrada em adultério numa banheira. Enquanto aguarda a sentença do Tribunal, o acusado vai desfiando seu rosário de lamentações, execrando um relacionamento ao revelar a face messalínica da mulher, num jorro melancólico e patético em que tenta justificar o seu ato pela defesa da honra. As lembranças vêm à tona, e, vez por outra, intercalam-se os diálogos entre os jurados, conferindo uma quebra proposital na sisudez do texto, sem, contudo, diminuir a expectativa no desdobramento da tensão. Essa particularidade semântica tem um plus metafórico, pois aí entra a capacidade de Evandro de interferir na narrativa sem tirar autonomia dos personagens. De forma muito peculiar vai intercambiando a trama com discussões filosóficas e tratando de temas tão universais e atemporais, como o amor, a solidão, a vida e a morte, o que, na verdade, funciona como uma leitura da própria realidade humana, com seus absurdos, seus paradoxos e suas bizarrices.

Com "Erefuê", Evandro Affonso Ferreira, nascido em Araxá em 1945 e radicado há mais de três décadas em São Paulo, consolida sua trajetória literária com um trabalho de fina extração, renovando a prosa moderna sem os vícios, a flatulência, a clonagem ou os recursos requentados pelas vanguardices ou experiemntalismos tardios. Como pesquisador que escarafuncha e recria o nosso idioma, contribui para a valorização das nossas raízes idiomáticas, chamando a atenção para a carnavalização do fazer literário em nossos dias, quando notamos o crescente empobrecimento do vocabulário, a banalização das ficção e a falta de recursos dos que falam e escrevem.

Em tempo: Erefuê é um substantivo masculino, palavra de origem iourubá, que quer dizer "fluido negativo, oriundo dos espíritos sem luz".

Trecho

"Esperei três anos peguei cabeça dele tibungo glugue glugue glugue achamboado aquele se debatia a trouxe-mouxe eh-eh pudesse falar infeliz discordaria alto-bom-som do Eclesiastes puh dia dela morte é melhor que dia dele nascimento coisa nenhuma eh-eh; sou sujeito vingativo feito Nêmesis sim concordo; lamento doutor juiz nunca desde sempre consegui dissimular este meu sorriso prosaico; sim senhor prefiro o riso de Demócrito às lágrimas de Heráclito; reatando fio da conversa digo-repito atoleimado aquele glugue glugue glugue pegou carona nas asas de Azrail eh-eh exalou derradeiro alento; bem-feito fiau ninguém lambe buziu de mulher alheia impunemente."

Sobre o Autor

Ronaldo Cagiano: De Cataguases, cidade mineira berço de tradições culturais e importantes movimentos estéticos, surgiu Ronaldo Cagiano. É funcionário da CAIXA. Colabora em diversos jornais do Brasil e exterior, publicando artigos, ensaios, crítica literária, poesia e contos, tendo sido premiado em alguns certames literários. Participa de diversas antologias nacionais e estrangeiras. Publica resenhas no Jornal da Tarde (SP), Hoje em Dia (BH), Jornal de Brasília e Correio Braziliense, dentre outros. Tem poemas publicados na revista CULT e em outros suplementos. Obteve 1º lugar no concurso "Bolsa Brasília de Produção Literária 2001" com o livro de contos "Dezembro indigesto”.

Organizou também várias antologias, entre elas: Poetas Mineiros em Brasília e Antologia do Conto Brasiliense.

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

Remendando cuias em busca da cabaça de origem,  por Otacilio Souza.
Desconfio, por exemplo, que viver é um remendar contínuo de cuias. Cada um tem as suas para costurar, o que é ótimo. Já foi dito que felicidade é ter o que fazer. Portanto, enquanto remendamos ou fazemos, vamos sendo felizes.
 Leia mais
Outono sobre Paraty,  por Zelmo Denari.
Zelmo deixou o jurista de lado e de forma fluente relata o drama daqueles que viveram os sonhos de um pais livre da opressão e arbítrio dos militares.
 Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página