Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Pablo Morenno


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

As Formigas

por Pablo Morenno *
publicado em 24/07/2005.

Há formigas invadindo a casa. Escarafuncham o encanamento elétrico, trilham azulejos, habitam um vaso, varrem a cozinha. Inócuos todos os conselhos: pó de café, pimenta, cravo e canela, alho, folhas de cinamomo. Inesperadamente, uma perninha vermelha assoma entre azulejos. Quase microscópicas e da cor das coisas, nem sempre posso vê-las. Se cochilo no sofá, sinto um estranho carinho. Me engano. São formigas em revezamento quatro por quatro entre a orelha e a nuca.

Ontem, decidi pela coabitação harmônica. Deixei uma mescla de migalhas e açúcar na área de serviço. Elas entenderam a mensagem. Hospedaram-se num velho xaxim ao lado da lavarroupas.

Não fale de felicidade nos círculos literários. Demonstre bom gosto. Finais felizes afastam a crítica. Um romance premiável precisa ter homens e mulheres dilacerados. Finais felizes são contos de fada ou, no máximo, literatura infantil.

As ciências humanas não estudam felicidade. Salvo em alguma tendência marginal da psiquiatria ou da psicologia, a felicidade não doutora. Procuram-se leis naturais, causas e efeitos, verdades, fenômenos previsíveis e estatisticamente demonstráveis.

A religião tampouco deseja pessoas felizes. O homem precisa de salvação. Felicidade, no máximo, para depois da morte, se não abusar dos prazeres mundanos, é óbvio.

Por essas e outras eu e a felicidade vivemos um amor conturbado. Oscilo entre o ridículo e essas incessantes formiguinhas. Quando menos espero, brotam desesperadas num vão qualquer, galopam pela face. Despudoradas me desmentem entre os amigos das letras, colegas da universidade ou meus leitores crentes. Vexame certo.

Tranqüilizei-me porque alguns pensadores sérios, para além de livretos de auto-ajuda, andam escrevendo sobre. E todos defendem a mesma tese estarrecedora: o consumo é inversamente proporcional à felicidade. Comprove lendo “Felicidade” de Eduardo Giannetti, “A Filosofia e a Felicidade” do filósofo francês Philippe van den Bosch e “Choosing Simplicity"(Escolhendo a simplicidade) de Linda Breen Pierce.

Em outras palavras, a economia capitalista poderá entrar em colapso com a felicidade em massa. Se pessoas felizes não consomem, se o consumo é o azeite da máquina econômica, infelicidade e insatisfação são justas salvaguardas da humanidade. Sendo claro: ninguém está interessado na felicidade. Desestabilizadora, nociva, corrosiva. Sem consumo cai a produção, aumenta o desemprego, estagna a ciência...Um caos.

Admiro as formigas ocupando a casa. Me acalmo quando se restringem à área de serviço. Estou no controle. Amanhã, desejarão uma bolacha recém lançada, um cereal novo com vitaminas, um suco exótico da Amazônia. Criarei novas estratégias.

As formigas, como a felicidade, são teimosas e invasivas. Explicam-se os conflitos. Sempre insatisfeitos, procuramos doçura em inéditas migalhas.

Penso felicidade mesmo tentando mantê-la em área restrita. Brota em frestas. Às vezes coincide com o reaparecimento das formigas, às vezes não. A literatura, a ciência e a religião têm coisas mais importantes por fazer. A economia põe e depõe governos, inicia e acaba guerras, financia bibliotecas e escritores, ergue os templos. O que não se pode fazer é, por causa da felicidade, acabar com tudo inadvertidamente. Não! Não! Não!

Alguns amigos me dizem “precisas desinfestar a casa o quanto antes”. Acho uma solução terrorista. Por ora.

Sobre o Autor

Pablo Morenno: Pablo Morenno nasceu em 21.05.1969, em Belmonte, SC, e mora em Passo Fundo, RS. É licenciado em Filosofia e bacharel em Direito. Também é professor de Espanhol em cursinhos pré-vestibular, músico e servidor público federal do Tribunal Regional do Trabalho/4ª Região, e pinta nas horas vagas. Escreve uma coluna semanal de crônicas no jornal O Nacional, de Passo Fundo RS, e Nossa Cidade de Marau-RS. Colabora com os jornais Zero Hora, Direito e Avesso, e com sites de leitura e literatura. É Membro da Academia Passofundense de Letras, ocupando a cadeira cujo patrono é Érico Veríssimo. Como animador cultural e escritor, participa de projetos de leitura do IEL- Instituto Estadual do Livro do RS e de eventos literários no Rio grande do Sul e Santa Catarina. Com suas palestras interdisciplinares e descontraídas, utilizando-se de histórias e da música, conversa com crianças, jovens, pais, professores e idosos sobre a importância da leitura e da arte na vida.

Livros publicados: POR QUE OS HOMENS NÃO VOAM? Crônicas, WS Editor e MENINO ESQUISITO, Poesia Infantil, WS Editor. Contato com o Autor: Pablo Morenno

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


O Romance Histórico Tradicional, por Dante Gatto.

APARÊNCIA, por Pablo Morenno.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos