Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Chico Lopes


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

Fábula de Lars von Trier foi o melhor filme do ano

por Chico Lopes *
publicado em 19/11/2004.

É comum, na imprensa, que quem escreve sobre cinema eleja o seu melhor filme ao final de cada ano. Mas, a escolha é sempre difícil, porque é o tipo de tarefa em que a questão do tempo, do decantamento para uma obra de arte, entra decisivamente. E o crítico, obrigado a praticar não só o discernimento, mas também a velocidade (forçosamente superficial), fica meio perdido. Nessa correria toda, quantas coisas perdemos, esquecemos, quantas não vimos, que difícil é saber o que vai permanecer, que presunção achar que nosso "bom gosto" deva ser o gosto de todo mundo! No entanto, cumpra-se a praxe, e aqui direi o que me afetou neste 2004.

Me ocorre dizer que não vi neste ano nenhum filme mais importante, mais pertinente e de impacto que DOGVILLE, a fábula moral do dinamarquês Lars von Trier. Von Trier é, aliás, um dos mais vivos e instigantes cineastas da atualidade, formando, ao lado de David Lynch e de uns outros poucos, a pequena galeria dos autores que mantém independência dentro do "mainstream" e que ainda conseguem cutucar essa coisa que nos anos 60 chamou-se Sistema, sacudindo o conformismo doentio e generalizado do público e da indústria. Talvez aja, em alguns casos, como um provocador em que não falta boas doses de charlatanismo e procura de auto-promoção, mas sabe em geral o que está fazendo e na sua crueza é também capaz de muito refinamento.

É difícil dizer o quanto DOGVILLE me satisfez. Tenho ido pouco ao cinema e me tornei um consumidor caseiro de DVDs - os clássicos, de preferência, porque não agüento a porcaria da maior parte das novidades que há por aí (e nas locadoras há provas arrematadas de ignorância: outro dia um sujeito, que não sabia que sou crítico de cinema, me aconselhou, junto a uma prateleira, a não pegar o "Uma rua chamada pecado", de Elia Kazan, porque o filme era em preto e branco - o que significava, para ele, que era uma porcaria. Que espécie de gente é essa que discrimina obras-primas só por não serem a cores? É alarmante!)

DOGVILLE faz o que uma obra de arte decente deve fazer: ruma contra os clichês, rompe com as expectativas viciadas e comodistas do público. Conta a história de Grace, uma mulher que está sendo misteriosamente perseguida por gângsteres e que se instala numa cidadezinha americana, essa "Vila do Cão" que tanto se parece com a idealização mentirosa das cidadezinhas norte-americanas no cinema: gente comunitária, unida, puritana, que procura ajudar seu vizinho etc. É uma paródia da velha "Our town", de Thornton Wilder. Contemporaneamente, temos pouquíssima paciência com a idealização da vida comunitária norte-americana, porque já aprendemos a distinguir o que há por debaixo disso. A eterna hipocrisia e a pequenez humana tornam as cidades pequenas bem o contrário do que querem parecer- ninhos de preconceito, intolerância e mesquinhez ao invés de lugares idílicos onde os medianos podem gozar suas idéias bovinas e "bem intencionadas" em paz.

O filme é deliberadamente teatral, quase uma provocação - as marcas estão lá, na ausência de cenário, no chão de madeira, poucos objetos de cena, linhas pintadas, indicativas, e tudo reduzido a um esquematismo de quadro-negro onde, com um giz, se determina nomes, residências, funções. Nicole Kidman, boa e bela atriz e mulher corajosa (quanto ela é melhor que seu ex-marido, o chatíssimo Tom Cruise!), faz essa Grace com perícia e encanto. E, no elenco, veteranos como Lauren Bacall e Bem Gazzara, despojados, reluzem.

O filme pode parecer um padecimento para os que não gostam de "cinema lento, europeu", para o público que declarou guerra ao cinema intelectualizado. Mas é sim Cinema no que a melhor a arte tem - a coragem criativa, as interpretações de primeira e uma tese arriscada, em que Von Trier coloca a cara para bater. O final é uma maravilha, inesperado, chocante, uma vingança da inteligência contra a estupidez, um suspiro de alívio...Que bom que haja ainda diretores assim, capazes de mandar as convenções para o inferno e nos deixarem inteiramente felizes! Claro que esse final tem componentes fascistas, meio à la Nietzche, mas possui uma lógica que perturba e faz pensar. Principalmente isso: faz pensar. Coisa importante, que a imbecilidade do cinema de massa vem deixando de lado.

É uma vingança contra a estupidez da América de Bush, contra a estupidez de todas as aldeias do mundo, onde as pessoas tentam ser verdadeiras e acabam sendo sacrificadas no altar do preconceito e da picuinha. Uma vingança contra os Jecas "bonzinhos", moralistas, edificantes, cruéis e aproveitadores...Caso do intelectual do filme, o desprezível Thomas Edison Jr. (aliás, as sátiras de Von Trier aos americanos são implacáveis a partir dos nomes). Não é à toa que Grace leva este nome. Há também outras gozações que o cinéfilo reconhecerá - Elm Street, a rua principal, é a rua do título original de "A hora do pesadelo", de Wes Craven, e há lá um garoto completamente sádico e sacana que se chama Jason (no futuro, sairá decapitando adolescentes naquela série imbecil de terror que os adolescentes americanos consagraram - infelizmente, com ecos nos adolescentes do mundo todo).

Von Trier e seu cinema corajoso (lembrar o pouco valorizado e sublime "Dançando no escuro", em que pôs a cantora Bjork para tentar ser atriz) são luzes neste túnel repelente e reacionário que atravessamos.

Legenda: Nicole Kidman: a "Graça" atirada aos porcos em "Dogville"

Sobre o Autor

Chico Lopes: Chico Lopes é autor de dois livros de contos, "Nó de sombras" (2000) e "Dobras da noite" (2004) publicados pelo IMS/SP. Participou de antologias como "Cenas da favela" (Geração Editorial/Ediouro, 2007) e teve contos publicados em revistas como a "Cult" e "Pesquisa". Também é tradutor de sucessos como "Maligna" (Gregory Maguire) e "Morto até o anoitecer" (Charlaine Harris) e possui vários livros inéditos de contos, novelas, poesia e ensaios.

Mais Chico Lopes, clique aqui


Francisco Carlos Lopes
Rua Guido Borim Filho, 450
CEP 37706 062 - Poços de Caldas - MG

Email: franlopes54@terra.com.br

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


Paul Auster: a funda ausência do pai, por Chico Lopes.

Centenário, por Noga Lubicz Sklar.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos