Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Rubens Shirassu Júnior


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

Mais Água no Corpo

por Rubens Shirassu Júnior *
publicado em 18/10/2004.

Justin McLeod (Mel Gibson) em diálogo com Chuck Forstadt (Nick Stahl), no filme O Homem sem Face, diz que as mulheres são instáveis por conter mais água no corpo físico do que os homens. De certa forma, o raciocínio do personagem, com uma face machista, tem uma certa razão.

Ao comparar o grande volume de água dentro da mulher, refletindo na sua oscilação emocional, junto ao ciclo lunar, e suas influências no movimento das águas, pretende a reflexão apenas incitar a mulher a estar mais atenta à sua própria natureza, que simbolicamente se parece com o movimento das ondas do mar, ou pelo menos com as projeções que desde tempos remotos se fez sobre os mistérios do mar. Fingindo cada vez mais de sua vida instintiva, algumas mulheres correm o perigo duma alienação total, pior do que qualquer alienação social.

Para nossa época há de parecer absurdo que a mulher seja “de fases” durante tão poucos dias do mês. As estruturas sociais não permitem à mulher estes altos e baixos, feito as ondas. Portanto, esta crônica pode parecer pura fantasia. Mas se analisarmos as diversas fases da produtividade veremos que nela também existe uma fase de inspiração, uma de preparação, uma de elaboração e uma de exposição. Trata-se, portanto, antes de tudo, de uma atitude a adquirir em que a mulher respeite o seu ritmo interior, e perceba que poderia adaptar o ritmo da produção ao dele. Mas, para isto a mulher precisa realmente viver o seu rítmo de uma maneira cada vez mais consciente e expô-lo aos homens, para quem é um mistério. Esse caráter misterioso do mar que brilha no meio da noite, atraindo o homem perdido na escuridão, as mudanças de forma, a sua influência e seu poder encantador sobre os namorados, aqueles que são românticos. Esse poder de envolvimento pode também ser encontrado na alma feminina, uma aura fantástica e, ao mesmo tempo, apavorante, descritos em inúmeros contos e lendas, por exemplo, da Iara ou de Iemanjá.

Nós, do mundo masculino, pensamos sempre que a mulher muda de idéia por capricho ou por conveniência pessoal, esperando que ela faça o que tinha se proposto anteriormente. Pode ser, porém, que entre o momento em que formulou o seu desejo e o momento de concretizá-lo tenha mudado tanto dentro de si, que não mais seja capaz de ser conseqüente, pelo menos em termos racionais. Pela constante mudança nos estados psicológicos diz Carl Jung: “A mulher tem quer esperar o momento de amadurecimento, submeter-se às mudanças de seus estados psíquicos se quer ser fiel a si mesma, correndo assim o risco de ser considerada uma “lunática”. Se porém, ela aceita conscientemente isto, abre-lhe um mundo criativo extremamente rico, onde não existem barreiras rígidas de convenções ou preconceitos de como e quando deve criar”. Para mim, prefiro usar o termo “solúvel”, onde o Aurélio define: Que se pode solver, dissolver ou resolver.

De uns anos para cá, para aliviar a dor e o peso da sociedade machista, pude observar o aumento relevante de mulheres que bebem em bares e choperias, adicionando à composição, o levedo de cerveja e a cevada, aumentando o trabalho do rim e da bexiga, diminuindo a água no organismo da mulher. E, se houve uma mudança no perfil da mulher, é porque tudo estava encharcado pela ressaca do mar dentro da sua vida submersa.

Sobre o Autor

Rubens Shirassu Júnior: Designer artístico, jornalista e autor entre outros de Religar às Origens (Ensaios, 2003) e Oriente-se: Manual de Procedimentos no Japão, 1999.
É o autor da coluna OLHO MÁGICO na VERDES TRIGOS.

Contato: jrrs@estadao.com.br

Veja também o "ORIENTE-SE: Manual de Procedimentos no Japão"
Edição Independente de Rubens Shirassu Júnior
Site do Livro: http://www.stetnet.com.br/orientese/

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


Apenas um colóquio, por Carol Westphalen.

Quando a literatura se aproxima do futebol, por Rodrigo Capella.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos