Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Airo Zamoner


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

A bacia de Brandônio

por Airo Zamoner *
publicado em 24/06/2004.

Quando eu o encontrei pela primeira vez, tinha recém mudado para o bairro. Casa simples na beira da rua. A escada com dois degraus avançava pela calçada. Claro que era clandestina. Nenhum código de posturas municipais permitiria tal disparate. O fato é que a escada estava lá há muitos anos.

Era domingo e Brandônio estava sentado naquela escada desviada por todos os transeuntes. Colocou uma bacia cheia de água em sua frente. Sacudia os cadernos do jornal, um a um, sobre a bacia e muitas letras, fotos e desenhos iam caindo e dissolvendo-se na água. A água já estava escura e o jornal quase branco. Quando nada mais caía, ele pegava outro caderno e repetia a operação.

Os transeuntes, mais preocupados com o transtorno da escada no meio do caminho, que com o estranho ritual de Brandônio, murmuravam impropérios merecidos. Ele, mais preocupado com sua estapafúrdia tarefa, nem ouvia os descontentes.

Esbocei um gesto de atravessar a rua. Queria ver de perto. Queria saber porque e principalmente com que poder esse meu novo vizinho conseguia fazer aquilo. Não deu tempo. Terminou de sacudir o último caderno e arrumou-os dobrando-os impecavelmente alinhados. De longe, dava para ver a quantidade de espaços brancos que sobraram. Também se via que muita coisa escrita sobrou. O jornal ficou esquisito, mal acabado, limpo. Dobrou-o mais uma vez e o jogou para dentro da casa. Levantou-se, pegou calmamente a bacia com as duas mãos. Foi até a sarjeta e despejou aquele caldo grosso que escorreu poucos centímetros até desaparecer esgoto adentro.

Passaram-se alguns dias sem que eu pudesse ver Brandônio novamente. A casa da frente sempre fechada até parecia não ter mais ninguém.

Domingo seguinte. Chuva forte desde manhã cedo. Espiei a rua deserta e encharcada e quase desmaio. Lá do outro lado estava o Brandônio. Bacia à sua frente, sacudindo o jornal. A água transbordava alimentada pela chuva. O jornal se desmanchava e as letras caiam do mesmo modo que havia visto na primeira vez. Na calçada, frisos de água preta se misturavam com água cristalina. Foi então que Brandônio olhou para frente e bateu seus olhos na minha vidraça. Acenou-me sorrindo e eu retribuí sem graça.

Corri até a porta disposto a atravessar essa maldita rua e esclarecer aquele comportamento e a aparente magia. Quando abri minha porta, Brandônio já havia se recolhido, provavelmente estaria sentado à beira do fogão, lendo seu jornal, ou o que sobrara dele.

Fechei-me no quarto. Levei o meu jornal e uma bacia de água. Sacudi até doer os braços e nenhuma desgraçada letra conseguia cair...

Você deve estar imaginando como eu sabia o nome dele, não? Olha como foi. No dia seguinte dois pedreiros desmanchavam a escada do Brandônio. Claro! Era uma obrigação. Feria as normas municipais. Atravessei a rua e perguntei aos pedreiros se o morador é que tinha encomendado o serviço.

– Morador?

– Sim, aquele senhor que veio morar aqui por esses dias.

– Olha aqui, moço! Quem morava aqui era “seu” Brandônio, mas isso foi há quase vinte anos. – ele nem interrompeu a tarefa - Desde lá que ninguém mais veio morar aqui. É prédio condenado pela Prefeitura.

Voltei para casa. Fui ler meu jornal. Inteiro. Com todas as letras. Depois da leitura, enlouqueci mais um pouco.

Sobre o Autor

Airo Zamoner: Airo Zamoner nasceu em Joaçaba, Santa Catarina, criou-se no Paraná e vive em Curitiba. É atualmente cronista do jornal O ESTADO DO PARANÁ e outros periódicos nacionais. Suas crônicas são densas de conteúdo sócio-político, de crítica instigante e bem humorada. Divide sua atividade literária entre o romance juvenil, o conto e a crônica, tendo conquistado inúmeros prêmios e honrosas citações.

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


A lista do Malaquias, por Airo Zamoner.

Jeito brasileiro, por Sabine Kiefer.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos