Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Moacyr Scliar


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

Best-seller divide opiniões e cria "zafonadictos"

por Moacyr Scliar *
publicado em 01/11/2008.

A carreira do escritor espanhol Carlos Ruiz Zafón (Barcelona, 1964) é, para dizer o mínimo, meteórica. Começou como premiado autor de obras juvenis, mas, em 2001, deu o grande salto com o romance "A Sombra do Vento", que, traduzido em 30 idiomas e publicado em 45 países, vendeu milhões de exemplares, recebendo prêmios e transformando o autor num best-seller internacional -na Espanha, fala-se em "zafonadictos", fãs incondicionais do escritor.

Sete anos depois, Zafón nos dá um segundo romance, "O Jogo do Anjo", que já está repetindo o êxito, e que nos permite entender um pouco aquilo que poderíamos chamar de anatomia do best-seller.

A história, que tem como cenário a sempre fascinante cidade de Barcelona no começo do século 20, começa de maneira relativamente simples: David Martín, filho de um veterano de guerra violento e desesperado e de uma mãe com quem não tem contato, é um jovem que trabalha em um medíocre jornal.

Trama de sucesso

Mas aí vê-se diante da situação descrita no parágrafo inicial do romance: "Um escritor nunca esquece a primeira vez em que aceita algumas moedas ou um elogio em troca de uma história".

É contratado por uma editora para escrever, sob pseudônimo, uma série de publicações que acabam alcançando grande êxito.

Então, recebe uma nova oferta, desta vez de um misterioso editor de Paris, Andreas Corelli: trata-se de produzir, mediante fabuloso pagamento, um livro que será uma espécie de Bíblia para uma nova religião a ser fundada.

A partir daí a ação se ace- lera, entra num ritmo vertiginoso, e as mais rocambolescas aventuras se sucedem, prendendo a atenção do leitor de forma irresistível.

O fantástico, lembrando um pouco García Marquez, ou mesmo Borges, comparece por meio de um misterioso lugar chamado a Cemitério dos Livros Esquecidos; ali, Martín encontra uma antiga obra escrita por alguém que tem algo em comum com ele próprio, e que o jovem escritor trata de achar, enquanto luta com a dor de um desengano amoroso.

Mas o livro é mais um thriller, com mortes se sucedendo em cenários sombrios (cemitérios, mansões em ruínas), o que gera um clima de paranóico pesadelo: de fato, David só pode confiar em seu amigo, o livreiro Sempere, e em Isabella, uma espécie de discípula literária.

Diz o "New York Times": "Ruiz Zafón nos apresenta um elenco de selvagens e cativantes histórias e personagens". Ou seja: nada de monólogos interiores, nada de longas reflexões sobre a condição humana e o sentido da existência, ainda que frases espirituosas (o humor do autor é outro apelo à leitura) pontilhem a narrativa.

Os diálogos, aliás, são vivos e ágeis e há cenas cinematográficas, como aquela da morte de Cristina: rompe-se o gelo sobre o qual caminha descalça, ela cai na água, o gelo fecha-se sobre ela e por ali David Martín a vê morrer. Falando em cinema: Zafón trabalha como roteirista em Los Angeles, onde vive desde 1993 com a esposa. Críticos torceram o nariz para este livro e, de fato, um apreciador de Proust não gostará muito dele. Portanto, se perguntarmos se o livro é bom, obteremos respostas discordantes. Mas se perguntarmos se o autor faz bem aquilo que se propõe a fazer, a resposta será afirmativa.

Um livro de ação, bem narrado, agrada a muita gente. Os "zafonadictos" que o digam.

O JOGO DO ANJO
Autor: Carlos Ruiz Zafón
Tradução: Eliana Aguiar
Editora: Suma de Letras
Quanto: R$ 39,90 (416 págs.)
Avaliação: bom

Sobre o Autor

Moacyr Scliar: Nasceu em Porto Alegre, em 1937. É formado em medicina, profissão que exerce até hoje. Autor de uma vasta obra que abrange conto, romance, literatura juvenil, crônica e ensaio, recebeu numerosos prêmios, como o Jabuti (1988 e 1993), o APCA (1989) e o Casa de las Americas (1989). Já teve textos traduzidos para doze idiomas. Várias de suas obras foram adaptadas para o cinema, a televisão e o teatro.

O centauro no jardim, A majestade do Xingu, A mulher que escreveu a Bíblia e Contos reunidos são alguns dos livros marcantes de sua vasta obra literária, que soma hoje mais de 70 títulos publicados. Entre os recentes, destacam-se o romance Na noite do ventre, o diamante e o juvenil Um menino chamado Moisés, uma reconstituição imaginária da infância do famoso personagem bíblico.

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


Ensaio sobre a Lágrima, por Tom Coelho.

Não fume perto de seu cachorro, por Rodrigo Capella.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos