Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Chico Lopes


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

Uma comédia para comover e a melancolia de um cineasta singular

por Chico Lopes *
publicado em 12/07/2008.

JACK E MORGAN NUM PACTO PELA ALEGRIA - "Antes de partir", de Rob Reiner, chegou aos cinemas brasileiros precedido por palavras não muito animadoras dos críticos norte-americanos, que ou não gostaram do filme ou acharam-no apenas mediano, carregado nas costas pela dupla de atores que o estrelam no mais alto nível, Morgan Freeman e Jack Nicholson. Mas, fez boa carreira e chegou às locadoras com pinta de que fará sucesso entre os espectadores de DVDs que admiram esses dois veteranos, e também pelo fato de ser um filme sobre a velhice e a morte levado com leveza e perícia. O assunto do filme é, na verdade, amargo ao cubo, e a situação seria insuportável sem dois atores do porte de Freeman e Nicholson.

Dá para rir de uma história em que dois homens doentes de câncer dividem um mesmo quarto de hospital entre vômitos, quimioterapia, crises? Pois os dois atores são tão grandiosos e absorventes, sutis e engraçados que os diálogos deles, mesmo sobre banalidades e absurdos, são o sal de tudo. Um é milionário e branco, outro é negro de classe média, dono de uma oficina mecânica. (Morgan e Jack estão envelhecidos, mas em Jack isso chega a ser chocante, e há uma cena em que ele se defronta com o espelho que é visceral demais e temos vontade de desviar os olhos).

A situação é absurda pelo fato de o milionário ser dono do hospital - por ironia, pregando austeridade nos gastos da entidade, ficou doente e caiu no quarto compartilhado, não podendo exigir quarto particular para não parecer incoerente. Rabugento no início, não gosta nada da idéia de dividir o quarto com o outro, mas as conversas de cama a cama vão aproximando-os. O dono da oficina mecânica tem cabeça para guardar preciosidades de "cultura inútil", parecendo um compêndio vivo de "curiosidades", mas é um personagem divertido e, como é interpretado por Morgan Freeman, ganha aquele peso e aquela dignidade que só um grande ator pode emprestar a essas falas. Ele tem certa "bucket list" (título original do filme, da gíria "to kick the bucket - ou "bater as botas"), em que anota as coisas que gostaria de fazer antes de morrer, que o outro apanha e acha interessante - tendo o dinheiro que tem, por que não tentar realizá-las? Sabendo que o prazo de vida que lhes resta é realmente curto, vão pô-las em prática juntos, contra a vontade da mulher de Freeman, que acha que Jack o está roubando dela. Mas eles estão fazendo um pacto para obter a pouca alegria que lhes resta.

O filme vai derrapando num clichê após outro, tem uma cena de mergulho dos dois de um avião que é irritante pela obviedade do efeito especial e várias outras que são ora engraçadas ora de amargar, pelos clichês (um safári africano ao som de "The lion sleeps tonight" e uma cena na França ao som do "Milord" de Piaf), cartões-postais (o Taj Mahal, as pirâmides do Egito). Parece fantasia de novo-rico, e, se você está doente e tem a sua lista para antes de "bater as botas", ter um amigo milionário também doente terminal é absolutamente necessário (é preciso que, diferente dos ricos reais, ele seja também generoso).

O filme chega a ofender pelo sentimentalismo exagerado. Incrível é que Morgan e Jack são tão bons que resistem a tudo isso. O grande talento dos dois torna a coisa, de algum modo, comovente, e dá para chorar por boas razões. Afinal, o assunto de que o filme trata é essencial. Mas aos mais realistas recomendo "Vênus", em que um veterano quase aos frangalhos físicos, o grande Peter O´Toole, faz um idoso (com câncer na próstata) apaixonado por uma jovem estúpida e vulgar na Londres dos dias atuais com enorme dignidade e sem as concessões demagógicas e populistas que o cinema americano faz por comercialismo irremediável.

O FRIO E A MELANCOLIA DE CRONENBERG - Duvido que de todos os grandes cineastas surgidos nos anos 80 haja algum mais triste e frio do que o canadense David Cronenberg. Acompanho a sua carreira (de altos e baixos, mas sempre com estilo definido) desde "Scanners", e seus filmes sempre me parecem a obra de um sujeito cético, entranhadamente cético, que vê o mundo com uma crueza e um desgosto físico de espécie tão peculiar que nenhum outro diretor se lhe assemelha.

Mas, acho que seu cinema atingiu uma espécie de depuração e grandeza que não se pode negar só a partir de "Gêmeos - Mórbida semelhança", em que Jeremy Irons tem um desempenho duplo espetacular numa história sobre a lacuna essencial dos seres e as tentativas patéticas de preenchê-la, de "consertar a vida". Depois disso, filmes como "Spider", "Marcas da violência" e agora "Senhores do crime" mostram-no tranqüilo no domínio da direção, já um mestre.

Em "Senhores do crime", de 2007, ele continua violento (a cena na barbearia, logo no início, é insuportável, e, quando julgamos estar livres dela, vem outra ainda mais terrível - a da garota prestes a dar à luz dentro da farmácia, pedindo socorro e caindo sobre seu próprio sangue no chão), mas continua filmando com aquela eficácia fria e fluente que faz com que seja impossível não acompanhar suas tramas.

Conta, com ótimos atores - Viggo Mortensen, Naomi Watts, Vincent Cassel e Armin Mueller-Stahl - a história de Nikolai, um membro da máfia russa em Londres. Ele se envolverá com Anna, enfermeira que salvou a filha de uma garota russa implicada em prostituição e drogas, subjugada pelos mafiosos. Nikolai é um monstro de eficácia homicida e está em ascensão dentro daquele submundo, amado pelo frenético e enlouquecido filho do chefe (Kirill, muito bem vivido por Vincent Cassel). Mas o jogo e as reviravoltas de ambições, bem como as identidades e os interesses secretos, terão um peso em tudo isso.

É ótima a interpretação de Mueller-Stahl para o "chefão" russo - com aqueles olhos espantosamente azuis, já tinha vivido papel semelhante em "Muito mais do que um crime", como o velho "bonzinho e doce" pai de Jessica Lange que é, na verdade, um carrasco nazista. Ele toca a máfia russa em Londres sob a fachada de um inocente restaurante russo em que até se ouve o quê? - ah, sim, a manjada "Olhos negros", cantada por um acordeonista e freqüentadores. Mueller-Stahl pode ser meigo e violento como ninguém, com aqueles olhos tão celestiais e tão ambíguos. E como a ambigüidade é o terreno em que Cronenberg melhor se move, o filme é muito forte.

Há cenas impressionantes, mas só se fala daquela em que, totalmente nu, na sauna, Nikolai tem que lutar contra as facas de dois russos que querem matá-lo com uma crueldade muito "asiática". Mas também impressiona a declaração de amor (indireta e machista) de Kirill a Nikolai, exigindo autoritária e desesperadamente que, num bordel, o outro possua uma das mulheres para que ele possa ver. Há na história do Cinema poucas demonstrações tão veementes de homossexualidade enrustida quanto essa. Sente-se que ele queria angustiosamente estar no lugar da mulher possuída por Nikolai. E, no final do filme, um pouco de compaixão livra o espectador de achar que Cronenberg é o cineasta mais frio do planeta. Melancólico ele é, sem dúvida alguma. E usa em seus filmes a música de Howard Shore, que se casa magnificamente bem com suas intenções estéticas.

Sobre o Autor

Chico Lopes: Chico Lopes é autor de dois livros de contos, "Nó de sombras" (2000) e "Dobras da noite" (2004) publicados pelo IMS/SP. Participou de antologias como "Cenas da favela" (Geração Editorial/Ediouro, 2007) e teve contos publicados em revistas como a "Cult" e "Pesquisa". Também é tradutor de sucessos como "Maligna" (Gregory Maguire) e "Morto até o anoitecer" (Charlaine Harris) e possui vários livros inéditos de contos, novelas, poesia e ensaios.

Mais Chico Lopes, clique aqui


Francisco Carlos Lopes
Rua Guido Borim Filho, 450
CEP 37706 062 - Poços de Caldas - MG

Email: franlopes54@terra.com.br

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


A Porta, por Airo Zamoner.

Uma entrevista com o criador de Verdes Trigos, por Cintia Corrales.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos