Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Noga Lubicz Sklar


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

Genealogia da repressão

por Noga Lubicz Sklar *
publicado em 09/11/2007.

"Uma equipe de biólogos franceses isolou um "gene Mestre", que faz as pessoas tentarem controlar o outro ... O estudo mostra que o gene está presente não somente nos que gostam de mandar, mas também nos que gostam de ser mandados, pessoas extremamente inclinadas a adotar modas de todos os tipos — um comportamento "fashion" —, e a suprimir opiniões e preferências que não são compartilhadas por seu grupo." Michael Crichton em "Next" (tradução livre do original em inglês)

A maioria das pessoas que eu conheço não confessaria nem sob tortura que um dia leu Michael Crichton. Nem eu. Mas a verdade é que, pra relaxar, gosto de ver filminhos, e se a coisa estiver muito preta, ler livrinhos, vocês sabem, só pra distrair.

Por conta desses enganos é que caí na esparrela do último filme de Meg Ryan, "In the land of women". Gente, tem alguma coisa de muito errado lá com a eterna cool girl — do muitas vezes repetido "Mensagem pra você" —, e até o fim do dvd, entre uma cochilada e outra, não descobri o que é. Não sei se é a idade (olha o coxo, etc, etc), ou uma plástica mal-feita, ou se é má interpretação mesmo, numa comédia de equívocos que junta maus atores a um roteiro ruim, passando inevitavelmente por uma péssima direção. Fujam.

Michael Crichton, que ninguém nos ouça (principalmente o Arthur Dapieve, meu mestre de Flip e recém-saído de um alentado "As benevolentes"), faz muito bem-feita uma ficção rasteira com um pé no pesadelo científico da realidade, e por um breve momento, até convence. Em "Next", que escolhi pra espairecer neste fim de semana, parece estar em boa forma, de acordo com os padrões dele mesmo, é claro. Estou só no comecinho, e descontando os macacos que falam, já deu pra extrair o trecho de utilidade pública aí de cima. Provavelmente será o único: não vou mais aborrecer vocês com bobagens.

O fato é que, mandões e mandados à parte, todo mundo tem direito de se distrair como quiser. Além do direito, é quase uma obrigação, num mundo quase sempre sufocante como esse nosso. E é por isso que não vou endossar, de jeito nenhum, a sugestão do jornalista Luciano Trigo no Globo de hoje, mais um a querer culpar inutilmente o usuário pelo uso.

Todo mundo sabe que sou contra as drogas, legais e ilegais. Mas respeito a escolha de quem decide usá-las, ou precisar delas. Aqui em casa mesmo: o Alan, vocês sabem, como todo americano que se angustia, curte um alívio químico para seus males mais óbvios. Então fizemos assim: levei ele ao médico, enfrentamos todos os testes, e pronto. Adeus dor neuropática e insônias afins. Eu prefiro ioga. Assim como prefiro os delírios criativos da imaginação sem aditivo nenhum, mas bem, cada qual com seu cada um. E se alguém acredita mesmo que precisa fumar, beber ou cheirar pra viver melhor, o problema é dele. Legalize it. Sinceramente, não vejo antídoto melhor para a violência do tráfico. O resto é uma verborragia só que nunca deu certo, a não ser para a Máfia.

Segue meu comentário público ao artigo:

"Luciano, li seu artigo no Globo de hoje. Como não fumo nem cheiro, não estou ajudando a destruir o Rio, ainda bem. Mas acho essa visão simplista. Proibir algo foi sempre o melhor caminho para incentivar o desejo pela coisa, todo mundo sabe disso. Nem sempre as drogas foram banidas, e no tempo que você cita, quando eram usadas para expandir a criatividade e até a espiritualidade, nem sequer eram proibidas. Embora eu graças a Deus não precise delas para criar, e advogue o trabalho criativo de cara limpa, acredito que o corpo e a mente são posse e decisão de cada um. Querer que todo usuário se responsabilize pelo fim da violência é acreditar numa utopia: a partir de certo ponto o usuário pesado de drogas não se responsabiliza nem por si mesmo. A única solução para este problema é liberar as drogas, e cada um que se mate do jeito que achar melhor. Afinal de contas, é também um direito humano."

Luciano responde que "querer se matar é uma coisa, alimentar um processo que mata diariamente outras pessoas é outra completamente diferente". Tem toda razão.

Sobre o Autor

Noga Lubicz Sklar: Noga Lubicz Sklar é escritora. Graduou-se como arquiteta e foi designer de jóias, móveis e objetos; desde 2004 se dedica exclusivamente à literatura. Hierosgamos - Diário de uma Sedução, lançado na FLIP 2007 pela Giz Editorial, é seu segundo livro publicado e seu primeiro romance. Tem vários artigos publicados nas áreas de culinária e comportamento. Atualmente Noga se dedica à crônica do cotidiano escrevendo diariamente em seu blog.

Para falar com Noga senda-lhe um e-mail ou add-lha no orkut.

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


No tempo dos capitães-generais, por Adelto Gonçalves.

Gato por lebre, por Noga Lubicz Sklar.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos