Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Amós Oz


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

A mulher na janela

por Amós Oz *
publicado em 30/10/2007.

"Senhoras e senhores,

Vim de Jerusalém para lhes falar de paz. Permitam que lhes fale no idioma da Bíblia.

Se adquirir uma passagem e viajar a outro país, é possível que você veja as montanhas, os palácios e as praças, os museus, as paisagens e os locais históricos. Se a fortuna lhe sorrir, talvez tenha a oportunidade de conversar com alguns habitantes do lugar. E voltará para casa carregado com um monte de fotografias e postais.

Mas, se lê um romance, adquire uma entrada para os recantos mais secretos de outro país e de outro povo. A leitura de um romance é um convite a visitar as casas de outras pessoas e a conhecer seus cantos mais íntimos.

Se não for mais do que um turista, talvez tenha a oportunidade de se deter em uma rua, observar uma velha casa do bairro antigo da cidade e ver uma mulher debruçada à janela. E, então, dará a volta e seguirá o seu caminho.

Mas, como leitor, observa não só a mulher que olha pela janela. Está com ela dentro da sua casa, e até dentro da sua cabeça.

Quando lê um romance de outro país, você é convidado a passar à sala de outras pessoas, ao quarto das crianças, à cozinha, e mesmo ao dormitório. É convidado a entrar em suas dores secretas, em suas alegrias familiares, em seus sonhos.

Filhos de um pai violento

É por isto que acredito na literatura como ponte entre os povos. Creio que a curiosidade tem, de fato, uma dimensão moral. Creio que a capacidade de imaginar o próximo é um modo de se imunizar contra o fanatismo. A capacidade de imaginar o próximo não só o converte em um homem de negócios de maior sucesso e num melhor amante, mas também em uma pessoa mais humana.

Parte da tragédia árabe-judia está na incapacidade de muitos de nós, judeus e árabes, de nos imaginarmos uns aos outros. De imaginar realmente os amores, os medos terríveis, a ira, os instintos. Demasiada hostilidade impera entre nós, e demasiadamente pouca curiosidade.


Os judeus e os árabes têm algo em comum: ambos sofreram no passado sob a pesada e violenta mão da Europa. Os árabes foram vítimas do imperialismo, do colonialismo, da exploração e da humilhação. Os judeus foram vítimas de perseguições, discriminação, expulsões e, ao final, do assassinato de um terço do povo judeu.

Caberia supor que duas vítimas e, sobretudo, duas vítimas de um mesmo perseguidor, desenvolveriam certa solidariedade entre si. Desgraçadamente as coisas não são assim, nem nos romances nem na vida real. Ao contrário, alguns dos conflitos mais terríveis são aqueles que se produzem entre duas vítimas de um mesmo perseguidor. Os dois filhos de um pai violento não têm necessariamente razão para se amar. Com freqüência, vêem refletida um no outro a imagem do progenitor cruel.

Exatamente assim é a situação entre judeus e árabes no Oriente Médio: enquanto os árabes vêem os israelenses como novos cruzados, a nova reencarnação da Europa colonialista, muitos israelenses vêem nos árabes a nova personificação dos nossos perseguidores do passado: os responsáveis pelos pogroms e os nazistas.

Conhecer a outra mulher

Esta realidade impõe à Europa uma responsabilidade especial na solução do conflito árabe-israelense: no lugar de alçar um dedo acusador na direção de uma ou outra das partes, os europeus deveriam mostrar afeto e compreensão e prestar ajuda a ambas as partes. Vocês não têm razão para continuar elegendo entre ser pró-israelenses ou pró-palestinos. Devem estar a favor da paz.

A mulher da janela pode ser uma mulher palestina de Nablus e pode ser uma mulher israelense de Tel Aviv. Se desejarem ajudar a que haja paz entre as duas mulheres das duas janelas, é conveniente ler mais sobre elas. Leiam romances, queridos amigos, aprenderão muito.

As coisas iriam melhor se também cada uma dessas duas mulheres lesse sobre a outra. Para saber, ao menos, o que faz com que a mulher da outra janela tenha medo ou esteja furiosa, e o que lhe dá esperança.

Não vim nesta tarde dizer-lhes que ler livros vá mudar o mundo. O que sugeri é que creio que ler livros é um dos melhores modos de compreender que, definitivamente, todas as mulheres, de todas as janelas, necessitam urgentemente da paz.

Quero agradecer aos membros do júri do Prêmio Príncipe de Astúrias que me outorgaram este maravilhoso prêmio. Muito obrigado e meus melhores desejos a todos vocês.

Shalom Uvrachá. Paz para todos".


Discurso de AMÓS OZ ao receber o Prêmio Príncipe das Astúrias de Letrasem 26/10/2007. Traduzido por Moisés Storch para o PAZ AGORA|BR

Sobre o Autor

Amós Oz: Nasceu em Jerusalém, em 1939. Considerado um dos melhores escritores israelenses da atualidade, já foi traduzido para mais de 22 línguas. Atualmente mora em Arad, no deserto de Neguev, dedicando-se à militância em favor da paz entre árabes e israelenses e ao curso de literatura hebraica que leciona na Universidade Ben-Gurion.

Clique AQUI para ler a COLETÂNEA AMÓS OZ

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


Ahlofa, Sonhos e Dores, por Airo Zamoner.

Não fume perto de seu cachorro, por Rodrigo Capella.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos