Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Ignácio de Loyola Brandão


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

Fazer as coisas com alegria

por Ignácio de Loyola Brandão *
publicado em 07/09/2007.

Só fazer as coisas que nos tragam alegria, disse José Mindlin ao receber o título de Doutor Honoris Causa, que lhe foi concedido pela Universidade de Passo Fundo, RGS, durante a 12ª Jornada de Literatura. Ele citava Montaigne a propósito da leitura de certos livros inexpugnáveis, cujo sentido não conseguimos penetrar. A frase se ajustava ao tema da Jornada, A Arte da Leitura & A Leitura da Arte. As Jornadas de Passo Fundo ocupam um nicho alto e diferenciado dentro dos acontecimentos literários do Brasil. Reconhecidas internacionalmente, amadas pelos escritores e professores, este ano só não conseguiu o apoio do governo estadual, mas parece que a governadora Yeda Crusius está propensa a repensar o gesto infeliz, provocado pelo Conselho estadual de Cultura, baseado em um relato - pasmem - do presidente da Associação dos Escritores Gaúchos. Apesar das dificuldades, a Jornada aconteceu, mostrando inclusive um avanço, ao expandir limites, debatendo mídia, hipertexto, blogs, linguagens e tecnologias que se projetam para o futuro, mergulhando na literatura de periferia, abordando a arte e a transcendência.

De um lado, os escritores da Academia Brasileira de Letras faziam uma releitura dos clássicos, do outro, milhares de crianças ouviam contadores de histórias, com autores, assistiam a performances. No palco de debates, Ferréz, do Capão Redondo assombrava a platéia com sua fala articulada, revelando um mundo insólito para aquela platéia - e todas as outras. Queremos fazer nossa arte, não queremos a inserção. O que se pretende é uma apropriação de nossa arte, disse ele que teve, entre 200 outras, uma frase memorável: a palavra segura a bala.

Numa só noite, o crítico de arte e historiador, Carlo Ginzburg, e José Mindlin. O italiano fez uma conferência profunda sobre a secularização, a partir do quadro A Morte de Danton, de David. Mindlin, um ícone, modesto, falou sobre sua formação e a de sua biblioteca que completa 80 anos. Falou com tal emoção e humor que a platéia ouviu em total silêncio. E olhe que conseguir silêncio de uma platéia de 5 mil pessoas é pedreira. Só a figura carismática de Mindlin, a sua segurança e o tamanho de sua obra para conseguir tal feito. Aos 93 anos, memória intacta, citou nomes ouvidos cinco minutos antes, trouxe fatos de quase um século atrás com clareza.

A Jornada foi fechada com a Orquestra Sinfônica do Sesc, mas de alguma maneira já havia sido encerrada à tarde, quando no palco grafiteiros se uniram aos meninos da street dance de Passo Fundo que levantaram a platéia. Alguns movimentos emocionantes foram a exposição das ilustrações que, durante décadas, Rui de Oliveira fez para livros infantis. Atravessá-las significou voltar à infância, aos delírios da imaginação e fantasia. Outro foi a exibição do filme de Nelson Pereira dos Santos sobre a língua portuguesa. Um terceiro, o encontro dos escritores gaúchos, com escritores do porte de Moacyr Scliar, Aldyr Schlee, Charles Kiefer, Paulo Betancour, Daniel Galera, Caio Ritter, Letícia Wierchowski, Fabrício Carpinejar. Finalmente a homenagem a Varceli Freitas Filho, o último lambe-lambe de Porto Alegre, com sua câmera instalada no Chalé da Praça XV, no mesmo lugar onde o pai dele, também lambe-lambe, trabalhou por 70 anos.

A Jornada mostrou que está aí mais para incluir do que excluir. Duzentos escritores, professores, ilustradores, ensaístas circularam pelas várias lonas (ou palcos). Há os palcos de debates e as conversas paralelas que se desenvolvem pelas salas do azáleas esplêndidas. Os espectadores (5 mil adultos, 10 mil crianças) vieram de todas as partes e Estados. No estacionamento contei 80 ônibus, alguns dos quais chegaram de manhã, vindos de cidades a 100 quilômetros, voltando à noite. Mas trazem gente disposta, bem-humorada, participativa. A Jornada de Passo Fundo bate qualquer outro evento literário pelo formato e grandiosidade. Enquanto uma Flip - gostosa de se assistir - se esgota assim que o último escritor fala, a Jornada é apenas um passo. Nos meses e anos seguintes ela continua a repercutir, tem caráter multiplicador, pelo seu tipo d e público, professores de português, de letras, estudantes. Na Jornada, os escritores não se dispersam, estão sempre se encontrando, principalmente nos almoços e jantares animados, ruidosos (a comida do casal Biazzi no Clube Comercial foi quatro-estrelas), há companheirismo, troca de informações, novos conhecimentos, solidariedade. Tudo alimentado por Tânia Rõsing, que o deputado Beto Albuquerque definiu como "fenômeno da natureza", mulher que bota para quebrar e põe de pé a Jornada, mesmo sem condições e contra adversários ressentidos.

Ignácio de Loyola Brandão - O Estado de São Paulo - 07.09.07

Sobre o Autor

Ignácio de Loyola Brandão: Ignácio de Loyola Brandão é jornalista e escritor contemporâneo mais do que conhecido/reconhecido e signo de uma geração que viu a sociedade brasileira se reconstruir e se renovar em pensamento a partir de obras como Zero, Não verás país nenhum, O verde violentou o muro, O presente é o futuro (Manifesto Verde), O beijo não vem da boca entre outros. Laureado, recebeu o prêmio IILA de melhor livro latino-americano pelo Instituto Ítalo-latino-americano, de Roma, com Não verás país nenhum, em 1984. Recentemente, em 2000, recebeu o prêmio Jabuti por O homem que odiava a Segunda-feira. Paulista de Araraquara, já compôs publicou romances, contos, crônicas e infanto-juvenis traduzidos para muitos países no mundo. Atualmente escreve suas crônicas no Caderno 2 de O Estado de São Paulo e é responsável pela edição da Revista Vogue.

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


“Inversão da Tabela Price”: Apenas uma tentativa de matemágica!, por Henrique Chagas.

Tirando as dúvidas dos leitores, por Rodrigo Capella.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos