Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Moacyr Scliar


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

E se Israel tivesse perdido a guerra?

por Moacyr Scliar *
publicado em 22/06/2007.

Pouco depois da Guerra dos Seis Dias, em 1967, apareceu nos Estados Unidos um romance intitulado If Israel Lost the War (Se Israel Perdesse a Guerra). Os autores, Richard Z. Chesnoff, Edward Klein e Robert Littell, eram jornalistas da Newsweek, encarregados da cobertura do conflito. Usaram como mote uma frase da então ministra do Exterior de Israel, Golda Meir: "Imaginem se Nasser tivesse atingido nossas pistas de decolagem primeiro". Gamal Abdel Nasser era o presidente do Egito, um líder nacionalista de grande prestígio no mundo árabe, que havia decretado um bloqueio no estreito de Tiran, passagem vital para os navios que chegavam a Israel trazendo petróleo. Ou seja, uma situação extremamente perigosa, que Israel ameaçava retaliar. Jordânia, Síria, Iraque, Líbano, Sudão, Arábia Saudita, Kuwait e Argélia uniram-se ao Egito. No final de maio e nos primeiros dias de junho sucederam-se as declarações belicosas. "Será uma guerra total", declarou Nasser. Completou o presidente do Iraque, Abdel Rahman Aref, com palavras semelhantes às do atual presidente do Irã: "Nosso objetivo é varrer Israel do mapa". O que aconteceria depois? Disse Ahmed Shukairy, líder da Organização de Libertação da Palestina (OLP) em 28 de maio de 1967: "Os israelenses que aqui nasceram poderão permanecer na Palestina". E acrescentou: "Mas acho que nenhum deles sobreviverá".

Retórica para fins externos, para intimidar o inimigo? Talvez. Mas Israel era, e é, um pequeno país, com uma população ínfima comparada à de seus poderosos vizinhos. Um erro de cálculo, nessas circunstâncias, poderia ser fatal, e assim, a 5 de junho foram desencadeados ataques-relâmpago, devastadores. A força aérea egípcia foi praticamente aniquilada no solo, e era a única que tinha importância. A superioridade nos céus deu a Israel uma vitória esmagadora.

O final poderia ter sido diferente, e o foi, na narrativa de Chesnoff, Klein e Littell: os exércitos árabes ocupam Israel, os refugiados são os israelenses, não os palestinos; começa a resistência, na Europa e na América grupos protestam contra a ocupação, o Conselho de Segurança da ONU condena "os excessos racistas e desumanos contra a população civil de Israel"... Ou seja, tudo igual, em sentido contrário.

O desfecho da guerra causou euforia em Israel. O governo ficou à espera de que os derrotados fizessem uma proposta de paz. Mas, humilhados, os líderes árabes não queriam paz, queriam vingança, e essa atitude tornou-se a tônica nos 40 anos seguintes. O nacionalismo deu lugar ao fundamentalismo, e este ao terrorismo. Para a linha-dura israelense, a ocupação era questão de segurança; para o outro lado era uma forma de opressão, que ajudou a fortalecer a identidade palestina. A necessidade de um Estado palestino, previsto na resolução da ONU da qual resultou o Estado de Israel, hoje é consenso.

Conta a Bíblia que os hebreus vagaram 40 anos no deserto até entrar na Terra Prometida. Esse tempo era necessário para que a velha geração dos escravos do Egito desaparecesse e que uma nova mentalidade surgisse. Quarenta anos depois da Guerra dos Seis Dias, uma nova mentalidade no Oriente Médio é mais que necessária.

Sobre o Autor

Moacyr Scliar: Nasceu em Porto Alegre, em 1937. É formado em medicina, profissão que exerce até hoje. Autor de uma vasta obra que abrange conto, romance, literatura juvenil, crônica e ensaio, recebeu numerosos prêmios, como o Jabuti (1988 e 1993), o APCA (1989) e o Casa de las Americas (1989). Já teve textos traduzidos para doze idiomas. Várias de suas obras foram adaptadas para o cinema, a televisão e o teatro.

O centauro no jardim, A majestade do Xingu, A mulher que escreveu a Bíblia e Contos reunidos são alguns dos livros marcantes de sua vasta obra literária, que soma hoje mais de 70 títulos publicados. Entre os recentes, destacam-se o romance Na noite do ventre, o diamante e o juvenil Um menino chamado Moisés, uma reconstituição imaginária da infância do famoso personagem bíblico.

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


Bush, Agamenon e os cães, por André Carlos Salzano Masini.

Conteúdo Facista da Telenovela, por Antônio Ribeiro de Almeida.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos