Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Chico Lopes


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

Nelson Rodrigues: remando contra a corrente e seduzindo

por Chico Lopes *
publicado em 23/03/2006.

Para quem gosta de Nelson Rodrigues, uma ida às livrarias, hoje em dia, compensa: há livros dele por todos os lados. Sua obra completa foi relançada pela Companhia das Letras, organizada por Ruy Castro, e os livros, em maior ou menor grau, são sempre interessantes. Já passei por O óbvio ululante, A menina sem estrela e concluí outro dia, sem nenhuma ansiedade porque é o tipo de livro que se lê aos pedaços, com prazer, voltando várias vezes a certas crônicas a coletânea O remador de Ben-Hur, me divertindo a valer.

Mas compreendi um pouco as razões de tanta gente achar Nelson chato e redundante. Eterno personagem de si mesmo, ele se repetia muito. De confissões e crônicas para memórias, há nessa coleção reeditada pela Cia. das Letras muita coisa ótima, mas você encontrará também, muitas vezes, os mesmos períodos, idênticas frases, bordões obsessivos, e poderá recordar aquilo que muita gente de língua ferina diz dele ou de escritores como Dalton Trevisan: certo, esses caras têm estilo, mas, quanta monotonia! Bem, talvez o que chamamos de estilo seja mesmo uma forma superior de monotonia.

O certo é que Nelson pega, como um vício. E o que escreveu, com todos os seus exageros, em parte se revelou profético mesmo, como afirma Castro.

Lembro-me bem que o achava, nos anos 60, um fenômeno exclusivamente carioca, pois era leitor do "Pasquim", e o jornal fez com que eu me acostumasse a achar Nelson um monstro asqueroso de direita (a esquerda sempre soube demonificar seus inimigos; Paulo Francis uma vez disse que o único talento real dos esquerdistas seria a difamação). No caso de Nelson, a esquerda tinha todas as razões para odiá-lo, porque era mesmo um reacionário assumido, numa época em que uma ditadura odiosa exigia que os bem-pensantes ao menos escondessem suas predileções mais suspeitas.

Mas, há um equívoco nisso: a ira de Nelson contra as esquerdas, se contém algumas verdades bem observadas, está em grande parte fundamentada numa espécie de birra independente de ideologias. Fosse ele um anti-direitista, diria as coisas mais justas e mais fulminantes com o mesmo talento e a mesma raiva.

Com Nelson, impõe-se pensar o seguinte: que o talento, esteja a serviço de que ideologia for, pode às vezes perpetrar verdades enormes e equívocos monstruosos com uma facilidade idêntica. Quando alguém escreve com a verve e o charme de Nelson, pode provar o diabo que quiser. O talento aí se reveste de uma encantadora arbitrariedade. Claro, em tempos de regime fechado, esse encanto é um tanto leviano. Era essa a razão pela qual as diatribes anti-esquerda de Nelson tanto irritavam.

Em O remador de Ben-Hur, Nelson passeia por vários mitos nacionais: JK, Garrincha, Plínio Marcos etc. e, no geral, ocupa-se bastante de teatro, atores e teatrólogos, jáque era essa a sua praia. Mas o que escreve sobre o que e quem quer que seja tem sempre aquele brilho suculento da observação ferina, da frase lapidar, da coragem intelectual mais audaciosa. Em A morte pela beleza, por exemplo, chega a ser profundo, falando do suicídio de Marilyn Monroe. Leiam só:

...Marilyn Monroe morrera, na véspera, dessa enfermidade terrível que é a beleza. Enfermidade, disse eu. De fato, a beleza causa na mulher um desgaste interior, macio, insidioso, fatal. E, no fim de certo tempo, a mulher bonita se volta contra si mesma, com tédio e ira de todos os seus dons plásticos. Por que se matou Marilyn Monroe?


Porque, doente, neurótica de beleza e de graça, fez da morte o último sonho da carne e da alma. E, assim, toda mulher bonita leva em si, como uma lesão da alma, o ressentimento. Éuma ressentida contra si mesma.


Mas, Nelson vai de Marilyn Monroe a uma figura aparentemente muito mais séria: Jean-Paul Sartre:

Mas o que eu queria dizer é que a autoflagelação, ou a autodestruição, é própria dos seres melhores. Há um momento em que o santo, ou o gênio, ou o herói, ou o craque, têm uma brusca saudade da mediania.

O que é a tentação, para o santo, senão o ressentimento? Por um instante, baixa nele um tédio cruel da graça que o ilumina. Ele, então, desejaria ser um burocrata. Trocaria a bem-aventurança pela repartição. Do mesmo modo, um Napoleão, ou um Goethe, ou um Michelangelo, há de perguntar, por vezes, a si mesmo: Por quê é que eu não sou uma besta?. Foi o que aconteceu com Jean-Paul Sartre em sua viagem recente ao Brasil. Nas suas conferências por estas bandas, ele precisava, de vez em quando, dizer umas bobagens tremendas. E assim fazia porque estava farto de ser genial
.


Pontos de vista originais eram mesmo com o Nelson. Uma pena que esse homem tenha morrido, mas os livros estão aí, e dá para reviver uma época, relendo-os. A falta de talento de gente que escreve na imprensa atual dá uma saudade imensa dele.

O interessante é que se conclui, lendo Nelson, que pensar é sempre pensar contra a corrente, incomodando seja a esquerda, seja a direita, seja o centro, já que a originalidade do livre-pensador há de ser sempre incômoda a qualquer regime ou a qualquer grupinho que se acredite santificado por ter chegado ao poder. Pensar contra a corrente é pensar solitariamente. Só contando com a justiça que o tempo poderá fazer a nós, pensadores do contra. Isso se é, se o tempo não continuar alheio a nossas idéias, porque o que há de verdades soterradas por conveniência, neste mundo, não é brinquedo.

Sobre o Autor

Chico Lopes: Chico Lopes é autor de dois livros de contos, "Nó de sombras" (2000) e "Dobras da noite" (2004) publicados pelo IMS/SP. Participou de antologias como "Cenas da favela" (Geração Editorial/Ediouro, 2007) e teve contos publicados em revistas como a "Cult" e "Pesquisa". Também é tradutor de sucessos como "Maligna" (Gregory Maguire) e "Morto até o anoitecer" (Charlaine Harris) e possui vários livros inéditos de contos, novelas, poesia e ensaios.

Mais Chico Lopes, clique aqui


Francisco Carlos Lopes
Rua Guido Borim Filho, 450
CEP 37706 062 - Poços de Caldas - MG

Email: franlopes54@terra.com.br

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


Estamos bebendo do nosso próprio veneno, por Carol Westphalen.

GARBO: Barry Paris tenta entender o mito., por Chico Lopes.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos