Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Manoel Hygino dos Santos


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

Depois de Napoleão

por Manoel Hygino dos Santos *
publicado em 10/06/2007.

Sai um mineiro, Napoleão Valadares, de Arinos, que cumpriu o segundo mandato como presidente da Associação Nacional de Escritores; entra um mineiro, Joanyr de Oliveira, de Aimorés, que assumiu o cargo no final de abril passado. O secretário-geral é Affonso Heliodoro dos Santos, este incansável batalhador por tantas e tão belas iniciativas na capital federal. Ele, mineiro de Diamantina.

Brasília é fruto da inspiração e da capacidade de empreender da gente de Minas, a começar pelos mais importantes no escalão de construtores: Juscelino e Israel. Mas muitos, numerosos, são os que lhes seguiram os passos, para que a capital não ficasse só como um alicerce ou uma ponte abandonada no meio do caminho.

O primeiro presidente da ANE foi mineiro, também, o meu conterrâneo Cyro dos Anjos. Depois, vieram Alan Viggiano e Danilo Gomes, de Mariana, para se chegar a Napoleão e, finalmente, a Joanyr, um pioneiro da literatura brasiliense. Lá desembarcou em 1960, como revisor da Imprensa Nacional, após submeter-se a concurso, ainda no Rio e classificar-se entre os primeiros.

Começou no jornalismo, no Rio de Janeiro, onde publicou seu livro de estréia. Na nova sede do Governo brasileiro, empreende uma sucessão de trabalhos, sobretudo na pesquisa e publicação de antologias sobre a cidade, que totalizam três dezenas. Detentor de valiosos prêmios em concursos, principalmente como poeta, é também contista aplaudido.

Ora, direis vós, um poeta à frente de uma entidade profissional! Poderia parecer contraste, mas a associação é de escritores. Quanto a poetas, não se esquecerá a relevância do papel de Augusto Frederico Schimidt, um excelente poeta, uma espécie de assessor especial de Juscelino na área econômica.

Há mais: tem-se de convir com Wilson Martins que, escrevendo sobre os vates da nova capital, disse, com propriedade: “Os poetas de Brasília são, em certa medida, uma categoria à parte, justamente na medida em que a presença da cidade é uma constante mental, explícita, ou expressa, mesmo como pseudópodo das letras mineiras, tanto pelo lugar de nascimento de muitos poetas locais (como o próprio Joanyr de Oliveira) quanto pelo desejo detectado de afirmação, testemunhado pelas antologias por ele organizadas... excelente poeta de uma cidade que ainda não viu reconhecida a sua importância cultural”.

Aí está exatamente o que penso e que, por outras palavras, já dissera. Tem sido uma árdua e contínua refrega criar a imagem de que Brasília é de suma relevância no campo cultural, intelectual e artístico. Mesmo no exterior, já foi reconhecida, mas, aqui, ainda há a predominância, compreensível, de São Paulo e Rio de Janeiro, como se a nova cidade não fosse a capital da maior nação do hemisfério.

As transformações são lentas, mas o processo não se estingue ou desanima.

Daí, o valioso significado da Associação Nacional dos Escritores, como de outras entidades representativas congêneres instaladas na nova sede do Governo.

Não concordo inteiramente com Walmir Ayala, que considera Brasília ainda na infância. Pelo contrário, com a idade que já tem e com os objetivos para os quais foi criada, cumpre rigorosamente o seu papel no concerto das nações. Lá está a sede da administração pública nacional, e as entidades implantadas são porta-vozes de segmentos importantíssimos da vida brasileira.

Joanyr de Oliveira, pioneiro como outros que compõem a diretoria da ANE, têm uma incumbência elevada para levar à frente e ao alto, dando seqüência ao trabalho iniciado por Cyro dos Anjos e seus companheiros da fase inaugural. Seu êxito interessa aos escritores e intelectuais, de modo geral, e constitui mais uma afirmação de Brasília como metrópole.

Sobre o Autor

Manoel Hygino dos Santos: *Jornalista e escritor. Membro da Academia Mineira de Letras, cadeira n. 23.

Livros publicados:
Vozes da Terra , Ed. do Autor , Belo Horizonte , 1948 , Contos e Crônicas
Considerações sobre Hamlet , Ed. Imprensa Oficial de Minas Gerais , Belo Horizonte , 1965 , Ensaio Histórico – Literário
Rasputin – último ato da tragédia Romana , Ed. Júpiter , Belo Horizonte , 1970 , Ensaio
Governo e Comunicação , Ed. Imprensa Oficial , Belo Horizonte , 1971 , Monografia
Hippies – Protesto ou Modismo , Ed. Júpiter , Belo Horizonte , 1978
Antologia da Academia Montes-Clarense de Letras , Ed. Comunicação , Belo Horizonte , 1978 , Coordenação de Yvonne de Oliveira Silveira
Sangue em Jonestown, uma tragédia na Guiana , Ed. Júpiter , Belo Horizonte , 1979 , Ensaio
No rastro da Subversão , Ed. Faria , Belo Horizonte , 1991 , Ensaio
Darcy Ribeiro, o Ateu , Ed. Fumarc , Belo Horizonte , 1999 , Biografia
Notícias Via Postal , Ed. do Autor , Belo Horizonte , 2002 , Correspondências


E-mail: colunaMH@hojeemdia.com.br
Matéria originalmente publicada no Jornal "Hoje em Dia", Belo Horizonte/MG

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


Existe uma razão infinita nas coisas feitas com afeição, por Carol Westphalen.

O enforcado e os gêmeos, por Pablo Morenno.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos