Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Pablo Morenno


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

Quintana e a língua-de-sogra

por Pablo Morenno *
publicado em 28/11/2006.

O centenário de nascimento do poeta Mário Quintana está sendo comemorado com pompa no pampa. Nas várias escolas em que estive este ano, e nas muitas feiras do livro, a poesia quintanar é a homenageada de honra. Embora os críticos estejam divididos quanto ao valor literário de sua obra, nenhum outro poeta gaúcho alcançou tanta popularidade dentro e fora do estado.

Na Feira de Ijuí-RS, onde estive a convite do SESC, um detalhe me desconcertou. Na praça, aqui e acolá, entre livros e árvores, os poemas de Quintana pareciam morar ali desde sempre. Suas fotos, em preto e branco, encontravam-se com a gente por todos os lados. Os poemas, em letras garrafais, pareciam ao mesmo tempo pássaros escalando as árvores e frutos pendentes.
De repente, me dou conta. Desde uma das imagens o poeta me fitava com uma língua-de-sogra entre os dedos e próximo à boca. A língua-de-sogra, aos que não sabem, é uma dessas aparições da infância nos preparando ao mundo adulto. O brinquedo, comum nos aniversários infantis, é composto de um bocal e um pedaço de papel autoenrolável que vai e vem com o sopro. Segundo dizem, a verdadeira língua de sogra desenrolada teria o mesmo tamanho.

A língua-de-sogra da foto era colorida, e o resto da imagem era em preto e branco. Seria aquela uma homenagem para alguma póstuma sogra? Impossível. Quintana sempre fora um solteiro convicto. E celibatário, como juram alguns. O brinquedo estava na mão do poeta completamente deslocado.

Lembrei. Eu já havia visto aquela foto em outro lugar. E não havia língua-de-sogra da primeira vez. Se a tivesse visto, jamais a esqueceria. Era óbvio.
Como não costumo ficar intrigado sem desintrigar, procurei o pessoal organizador da Feira. Me explicariam aquela foto.

E explicaram. Como as modelos da playboy sem celulite, Quintana foi alterado em photoshop. Nunca houvera alguma sogra oculta, muito menos fora alguma vez fotografado com o brinquedo. Na foto original, entre os dedos do poeta incendiava-se um cigarro. E foi apagado. Duplamente apagado.

Mas, qual motivo transformaria um cigarro em língua-de-sogra?

Por causa das crianças. Para não dar exemplo nefasto, me responderam. O bom velhinho jamais poderia ser um fumante. Como a língua-de-sogra na foto, o vício do poeta não se harmonizava com a imagem que os professores queriam passar aos infantes.

Discordei. Poetas e escritores são humanos. Embora os admiremos por seu trato com a palavra, todos têm algum defeitinho. Seria melhor manter a verdade, e conversar com as crianças sobre o cigarro. Crianças de hoje deixaram de ser bobinhas.

Mais cedo ou mais tarde, elas, como eu, descobrirão o embuste. A mentira, ou verdade inventada, só tem lugar na literatura. Isso, também, como o próprio Quintana, nunca será consenso entre os críticos. Eles, como os moralistas, passarão. E Quintana, com cigarro ou língua-de-sogra, passarinho.

Sobre o Autor

Pablo Morenno: Pablo Morenno nasceu em 21.05.1969, em Belmonte, SC, e mora em Passo Fundo, RS. É licenciado em Filosofia e bacharel em Direito. Também é professor de Espanhol em cursinhos pré-vestibular, músico e servidor público federal do Tribunal Regional do Trabalho/4ª Região, e pinta nas horas vagas. Escreve uma coluna semanal de crônicas no jornal O Nacional, de Passo Fundo RS, e Nossa Cidade de Marau-RS. Colabora com os jornais Zero Hora, Direito e Avesso, e com sites de leitura e literatura. É Membro da Academia Passofundense de Letras, ocupando a cadeira cujo patrono é Érico Veríssimo. Como animador cultural e escritor, participa de projetos de leitura do IEL- Instituto Estadual do Livro do RS e de eventos literários no Rio grande do Sul e Santa Catarina. Com suas palestras interdisciplinares e descontraídas, utilizando-se de histórias e da música, conversa com crianças, jovens, pais, professores e idosos sobre a importância da leitura e da arte na vida.

Livros publicados: POR QUE OS HOMENS NÃO VOAM? Crônicas, WS Editor e MENINO ESQUISITO, Poesia Infantil, WS Editor. Contato com o Autor: Pablo Morenno

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


Entre homens e livros, sempre num entre-lugar, por Rogério Miranzelo.

Dikson Colombo, por Urda Alice Klueger.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos