início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

A poeta e sua dialética travessia

Moema de Castro e Silva Olival*

Mariza de Castro — nome poético de Mariza de Castro e Silva Guanabara — nos brinda, hoje, com seu primeiro livro de poemas: A noite amanheceu em mim.

Se é principiante em edição, nem por isso deixa de ser poeta amadurecida na arte de a(r)mar o poema, tarefa que cultiva desde a juventude, ainda que num ritmo amador e inconstante.

Agora, disciplinada, nos oferece esta instigante coletânea cujo título, a nosso ver, representa escolha extremamente feliz, como célula-mater do discurso poético, alegórico e contrapontístico, que ele sugere. Aponta para um processo dialético em que os núcleos semânticos antitéticos: agente lírico “eu” versus agente lírico “mim” (o “ eu” objetivado pela carga existencial); e, ainda, o índice metafórico anoitecer versus amanhecer acabam refletindo atitudes existenciais do referido sujeito.

Senão vejamos alguns dos referidos núcleos: sombra/luz; descrença/ fé; caos interior/ ressurgimento; ação/reação, a refletirem processos de escavações interiores.

Na designação dos dois blocos em que se divide o livro: 1-“Lira atônita”; 2- “Lira domada”, já se prenuncia, no espaço do confronto, o ponto fulcral de passagem. E, por decorrência, a práxis sisifiana do eterno recomeçar.

Assim, no primeiro bloco - “Lira atônita” - articulado a partir do poema “Traduzir-se”, do poeta Ferreira Gullar, poema retirado de seu livro Na vertigem do Dia, (1980), e transcrito, como epígrafe, na folha de rosto, a iluminar os textos que se seguem, já se delineia a proposta de Mariza. Diz-nos o poeta maranhense:“(...)Uma parte de mim/ pesa, pondera;/ outra parte/ delira/; traduzir uma parte/ na outra parte/ que é questão de vida ou morte/ será arte?”

Se as coisas não têm poesia em si, se o sentimento do belo, desde Aristóteles, depende do espectador, se é expresso, na literatura, pelo universo verbal, então é no potencial dessa linguagem poética, no circuito poeta-forma do poema- (entendida como a fusão dinâmica de expressão e conteúdo)-e leitor, que estará instalado o reino do poético. E, como máscara semântica, como abstração, a metáfora transfiguradora transporta a linguagem, permitindo sua leitura em rito de passagem, do nível individual, ao nível universal. Como sabemos, a grande arte do poeta está na magia do tecido verbal e nas imagens que ele cria.

Na medida em que emoções, frustrações, medos e esperanças apontam para o circuito existencial dos seres humanos, sentimos, na poesia de Mariza de Castro que a síntese dialética , acima referida, parece abrir caminho e se acentua, em seus múltiplos perfis, na seqüência dos poemas de A noite amanheceu em mim.

E foi nessa trilha, sabendo, com Johannes Pfeiffer, que “a poesia não é distração, mas concentração; que não é um substituto da vida, mas iluminação do ser; que não tem a claridade do entendimento, mas a verdade do sentimento e que na poesia não interessa a forma bela, mas a forma significativa”, que Mariza passou a burilar a sua arte.

Nos poemas do primeiro bloco, sobretudo em “A Pedra”, “Dimensão”, “Nuance”, “Autofagia”, “Pai Nosso”, explode a lírica na sua carga “ atônita”, ou seja, perturbada, arriada pela carga da vida, admirada, suscitando buscas. Assim, no belo poema “ A Pedra” : “ Amarro-me então às suas arestas/ e sugo/ a sua força bruta/(...) Ferem-me as mãos com que as acaricio/ e com o sangue que goteja ofereço/ a imemorial transfusão”/.

O sujeito lírico tenta a simbiose: força exterior versus força interior . Procura situar-se no referido espaço; expõe sua expectativa em consegui-lo.

Também em “ Dimensão”, nota-se o mesmo recurso, no poema que nos parece ter sido presidido pela imagem lírica construída por Joaquim Machado de Araújo Filho , precocemente falecido, em seu livro A Construção da semente. No texto que leva o mesmo título acima referido, assim se delineia a imagem construída por Joaquim: “ a tristeza madrugou em mim”. Sua poesia, no plano das afinidades espirituais tão pródigas entre os grandes criadores, parece, aqui, ter atuado sobre Mariza, participante da “ jornada das estrelas”, percorrida pelos poetas.

Evoca, a poetisa, a José Paulo Paes quando ele indaga: “Eu não tenho um cão/ será que ainda estou vivo?/ e a voz do sujeito lírico responde “ é mesmo, eu também não tenho um cão.../ Por isso as manhãs amanheceram em mim/ cheias de rastros de sangue/”. Repare-se no detalhe: ainda são as manhãs, ainda não houve a passagem manhã/noite, ainda prevalece o ato de constatar : “ O meu fantasma está bem guardado/ nas minhas zonas de silêncio/ que jorram dentro de mim” . Mas há o vislumbre de uma possível reação: “ Um dia talvez/ todas as lágrimas serão livres/”.

Em “ Nuance” outro expressivo poema, o sujeito lírico expõe sua realidade, numa visão especulativa do ser, uma vez que a dualidade antitética do viver, das diferentes faces a enfrentar é que a atrai: “ Não quero a certeza das coisas definidas/ lado unilado do que é viver/(...) Quero a vida em nuances,/ quero a vida de vez/ nem pronta nem rascunhada/”.

Assim, a poesia de Mariza de Castro oscila, atônita, entre as frestras da existência.

Mas, até quando a surpresa não esconde a máscara de efeito, já que, como veremos em “O Passado”, a senha para a reação já está embutida nos seus versos, como vimos acima e, também, aqui:

“O passado me espreita/ com olhos atentos/ num canto da sala escura/ ( ...)/
Viver sem essa fera/ já não posso mais/ nem quero./ Quero é amansá-la docemente/ (...).” /

Por vezes, seu canto surpreende. É pura esperança e vontade de reagir. Clama, explicitamente por ajuda. E, para isto, recorre aos olhos dos que podem somar forças e sensações como no poema “ Se puder”:

“ Se puder, leia os meus versos/ e entenda que o que eu quero/ você pode me dar/: uma luz para meus olhos/ uma chama que me aqueça/ uma lágrima consentida/ e um longo recomeço/ de vida”.

Isto,depois de clamar:“Se puder,refaça o universo/com o poder de seu olhar/e a conivência de Deus”.

Esse Deus, a quem se permite questionar, no belo poema parodístico “ Pai Nosso”, com versos que considero prismáticos, irradiadores da alma da poetisa, com o vigor da intertextualização ferina, como : “Perdoai, Senhor, as nossas dúvidas/ assim como nós perdoamos as vossas dívidas.” Palpita, aí, pois, o grito interior de revolta, em que pese a determinação de reagir, como já vimos.

Essa revolta que se camufla, sob a forma de alegoria dramática, é expressa em “Autofagia”, poema em que constrói, poeticamente, metaforicamente, o seu processo pessoal de perda perante a vida, fato que parece “iluminar” ou, mais precisamente, “anoitecer” seu canto poético, expondo um coração irremediavelmente ferido:

“Olhei uma flor imensa/ rubra/ carnuda/ carnívora/ e então ela me foi sugando/ bem devagar para dentro dela./(...)/ Ah! Mas o coração não queria passar/ (...).”

Sintomático que, após “ Autofagia”, como num impulso programado a superar seu momento de fraqueza, quando, ao confessar a sua dor, a expõe, ainda que mascarada numa instigante alegoria,( a surpresa, agora, é do leitor), venha o poema “Epifania”,como uma reação tão necessária e só possível em poema tecido de infância e saudades!:

“Quero no entanto um poema em cores/ tecido de infância e saudades/ (...)”.

Depois, em “ As palavras” a ambigüidade de assumi-las como máscaras , cobrindo a referência metalingüística do fazer poético, ao mesmo tempo revela seu propósito em poder domá-las, a despeito da consciência do esforço e da falsidade do seu gesto: “ hipocrisia de minha fé”.

E, em “ Ansiedade”, apoiada em epígrafe de Brasigóis Felício: “ Agora sei a palavra essencial: escrevo para que me amem”, o sujeito lírico, numa atitude de ratificação da proposta, dialoga abertamente com ela, e confirma “ Escrevo sim para que me amem./ Por que seria de outra maneira?(...) nenhum gesto iria devolver-me/ a perdida palavra inicial.”

E termina o primeiro bloco “A lira atônita” com o poema “ O sonho”, em que desvela parte de sua meta criadora, e seu horizonte parece delineado e iluminado por sua busca: a inspiração, ainda que seja trazida só pelo sonho: “ Fugir eu não podia, não podia/ então foi que uma voz puríssima/ descerrou os meus lábios/ e um colar de palavras mágicas/ envolveu todas as feras.(...).” Interessante, que, aí, voltam as imagens primaciais, como a consolidar sua presença no ato de criação poética de Mariza: “(...) E pássaros bicavam romãs maduras/ dentro dos ninhos gotejavam manhãs (...)”.

O segundo bloco tem como epígrafe as experientes palavras de Clarice Lispector: “Não, não é fácil escrever...É duro como quebrar rochas; voam faíscas e lascas como aço espelhados”.Prepara-se, a poetisa, para oficializar a sua máscara criadora , metalinguística.. Investe-se na fórmula existencial de Nietzche: “ Torna-te quem tu és”.E seu canto híbrido, de inspiração amorosa e crítica,e negação, se rotulará, programaticamente, de “A Lírica Domada”. E, não, indomada, como seria de se supor.

Revisitando seu potencial interior, assume seu novo projeto de vida. Começa aquilatando as possibilidades: “ Não, isto é impossível/ Há uma hiena encarcerada/ atrás da grade de meu sorriso/ Toda uma fila de palavras não ditas/ espera comigo/ a sua vez de amanhecer”/

Depois, em poema nitidamente metalinguístico, “O silêncio é muito perigoso”, insiste no perigo deste silêncio, da paz, da conformidade.A voz poética deve sondar o mistério interior, deve expô-lo e ao seu processo de criação. A poetisa mostra seu receio nesta operação, porque sabe-se questionadora, sabe-se, sobretudo, presa de grande e natural reserva. Deve aparentar esforço para domar-se, para domar sua lira. Mas, na verdade, sente sua dificuldade em desvelar seus projetos interiores. Precisa fazer a passagem, mas ela é dialética.

Ao contrário de Cecília Meireles, que, na crônica “O livro do silêncio”, quando, discorrendo sobre o espaço existencial, sobre o papel das palavras, da angústia do homem, enfoca a riqueza de um sentimento mantido sob reserva, a necessidade premente do domínio de suas fronteiras, suas perturbadoras dimensões e o modo de tê-las a seguro “ do outro”, e, então, tacha o silêncio como privilégio dos deuses, aqui, Mariza o considera, bem como à paz, como sorrateiro instante. Sorrateiro e perigoso terreno. Isto, porque o encara, no confronto da consciência consigo mesma. Representaria perigo, portanto, este momento de disponibilidade do espírito, visto como instante de “armação”. O homem, para ela, precisa iludir-se com o barulho que o nocauteia e o afasta dos momentos, estes, sim, terríveis, de um ajuste de contas consigo mesmo. E o seu canto “ domado” expõe a questão:

“O silêncio é muito perigoso/ por isso os homens querem a guerra:/ para esquecer a paz/”.

Pensamos que este poema carrega o peso do título do segundo bloco : “ A lira domada”. E, ainda, recobre, metalinguisticamente, o percurso milenar da voz da mulher, a mostrar a máscara da submissão- a aparente submissão- a prevalecer sobre seus anseios interiores: “ águas paradas de um turbilhão interior”. Discurso feminino presente, sobretudo, no poema a seguir, sem título, mas temperado pela epígrafe da consagrada poetisa Darcy França Denófrio, assumindo a carga semântica de amordaçamento de um de seus versos. Vejamos. Diz Darcy “ Dentro de mim/ dorme um símio acorrentado/ com os seus pesadelos”.— Canta, em voz uníssona, o nosso sujeito lírico: “Guardo dentro de mim/ lavas feridas de vulcões extintos/ (...)/ estalando surdos baques sísmicos/ “ símios acorrentados dentro de mim”./

Em “Retorno”, tenta buscar o perfil de sua essência, num mergulho nas águas existenciais: “ Onde estava eu antes do nada?”

Incluindo o poema “Cora Coralina”, mostra-se, Mariza, atualizada com seu tempo histórico, uma vez que dialoga com a musa goiana sobre suas impressões , ainda que do além, após a terrível enchente do Rio Vermelho, que destruiu parte de sua casa, hoje fundação cultural, e parte do centro histórico de nossa querida cidade de Goiás, logo agora que a ex-capital acaba de receber o título de Patrimônio Histórico da humanidade.

Em “Sísifo”, o “eu lírico” inspira-se no seu laborioso processo de viver, alimentado pelo questionamento do eterno recomeçar, sempre ponto fulcral de suas indagações.

“ tentando rolar a pedra/ soergue-la e atirá-la”.

No poema “ A meu pai”, a figura de nosso pai, intelectual, historiador, professor, ser amoroso, é colhida ao vivo— em cena tão familiar para sua família— quando, em sua fazenda, recolhia-se, atendendo às exigências de “ seu peito solitário”,ao silêncio da noite a sugar-lhe força e luz para suas dúvidas e inquietações:

“Que pensamentos estariam naquela fronte/naquele olhar triste que negava/suas fundas palavras? ” Em “ Labirinto”, após atravessar as águas do inferno, na tempestade da vida,que ela denuncia na sua postura aparentemente “ domada”, agora torna explícita sua intenção de reagir, abraçando, decidida, a práxis sisifiana e lançando seu repto: “ Inflarei na minha nau/ as velas brancas/ E anunciarei aos que me vislumbram da outra margem/ a minha volta à vida.”

Finalmente, em “ Travessia”, o circuito dialético da passagem se define. O “ eu lírico ” não se deixa abater pelo “ eu-objeto, pelo mim existencial”, pelo “eu destruído”, por aquele “eu” destroçado que Clarice Lispector tão bem definiu num belo recurso da linguagem, quando em A paixão segundo G. H. a heroína, destroçada em seus anseios, trabalhada pelo sofrimento, diz. “ Eu não sou tu, mas mim és tu”. Para a poetisa, a travessia se completa, testemunhando o enriquecimento do eu lírico, sem dúvida, trabalhado pela dor, mas enrigecido por novas potencialidades que ela se dispõe a considerar.

Iluminada pela epígrafe de Manoel de Barros: “O meu amanhecer vai ser de noite”, . Mariza completa seu circuito; é domada na medida em que potencializa sua dor: de ser sensível, humano, a dor da mulher, mas a transforma em energia e esperança.

Então canta: “ A noite amanheceu em mim/ e me seduziu com um piscar de estrelas/ sei agora que elas são a outra ponta/ da tenra aurora. (...) O meu amanhecer já chegou”.

Em outros poemas, como “Desiderato”, “ Perdão”, “ A traição de Pedro” ,” Angústia”, “ Mãe”, “ Labirinto”, “ Cogito”, Mariza vai trabalhando a palavra, “tecendo o seu silêncio”, isto é, vai armando, no bulício de seu laboratório interior, o canto que lhe aliviará a alma contida.

Em seus poemas, pois, prevalecem as matrizes semânticas de um questionamento existencial , só superficialmente controlado. Portanto, mascarados , domados?!...

Assim, com este significativo livro de estréia, A Noite Amanheceu em mim, Mariza de Castro mostra seu talento de militante lírica, e reafirma, para todos nós, suas grandes potencialidades no gênero. Continue, Mariza, sentimo-nos todos cativos do seu poetar.

(ensaio literário encaminhado por Yeda Schmaltz e autorizado pela autora)

Sobre o Autor

Moema de Castro e Silva Olival: Doutora em Letras Clássicas e Vernáculas—1972—pela Universidade de São Paulo. Professora de Língua Portuguesa e de Estilística nos cursos de graduação em Letras, da UFG—aposentada em 1991. Professora de Crítica Literária—Crítica Estilística—nos cursos de Mestrado em Letras e Linguística, curso de que foi fundadora e que coordenou por oito anos. Fundadora e primeira Coordenadora do Centro de Estudos Portugueses da UFG. Editora da Revista do Mestrado—Signótica—por duas gestões: 1988-1990; 1990-1992.

Livros Publicados: 1)O Processo Sintagmático na Obra Literária. Goiânia: Editora Oriente, 1976; 2) O Espaço da Crítica- Panorama Atual. Goiânia: Editora da UFG, 1998 ( 381pp); 3) GEN- Um Sopro de Renovação em Goiás: Vozes representativas.(1 Prêmio do Concurso de Ensaios Nelly Alves de Almeida),Goiânia: Editora Kelps, 2000); e 4) O Espaço da Crítica II— A crônica-Dimensão Literária e implicações dialéticas. Goiânia: Ed. Kelps, 2002.

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

Mapa das Culturas Vivas Guaranis,  por Dinah Guimaraens.
Perguntas como "Tem índio no Rio de Janeiro?" parecem ecoar ainda hoje, sem obter resposta adequada, razão pela qual "Museu de Arte e Origens: mapa das culturas vivas guaranis" tem como principal objetivo informar ao público e aos estudiosos da cultura e da história brasileiras alguns aspectos pouco explorados de nossa realidade indígena.  Leia mais
Visiones de Frydda,  por María Rocío Cardoso de Giordano.
Livro de contos de Maria Rocio Cardoso, uma revelação da literatura uruguaia, talhada nas oficinas literárias de Rodolfo Fatorusso, de Raquel de León e de Marta Clark, que, em breve, ingressará com seus contos junto ao público brasileiro.
 Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página