início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Dossiê H

Ismail Kadaré*

Kadaré transforma em literatura os conflitos étnicos que há séculos castigam a pequena Albânia, terra desgarrada entre Oriente e Ocidente. O romance tem início quando dois pesquisadores irlandeses chegam a uma minúscula cidade albanesa para estudar as narrativas épicas da região, uma tradição oral cuja estrutura eles acreditam ser semelhante à que existia na Grécia de Homero. Os estrangeiros causam frisson na cidadezinha. Para os políticos, por exemplo, trata-se de espiões. Já as mulheres vêem nos visitantes uma oportunidade de desafogo para o marasmo em que vivem.

A metáfora da cegueira costura o enredo. Homero, dizem, era cego; os cantadores de poesia não enxergam bem; os espiões podem prescindir da visão; um dos irlandeses tem problemas de vista; outro personagem afirma que até o planeta está com a vista enfraquecida. Irônico, versátil, Kadaré mostra o que pode acontecer quando modos de ver inconciliáveis têm de partilhar o mesmo chão.

Edição revista pelo autor. Tradução direta do albanês.

Sobre o Autor

Ismail Kadaré: Nasceu em 1936 em Girokastra, na Albânia. Filho de um funcionário dos correios, estudou na Faculdade de Letras de Tirana e no Instituto Gorki de Moscou. Projetou-se na Europa com o romance O general do exército morto, de 1967. Exilou-se na França em outubro de 1990.

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

Lobato revisitado,  por Ronaldo Cagiano.
Nesse trabalho, Alaor Barbosa destaca sobretudo a importância do Monteiro Lobato como ficcionista e como intelectual que pensou o Brasil e lançou as bases de um pensamento nacionalista e de valorização dos nossos recursos naturais e humanos, ao lado de sua destacada atuação como escritor de livros infantis.  Leia mais
Pantera no Porão,  por Amós Oz.
Pantera no porão é um competente inventário da história do Estado de Israel: uma civilização de 50 anos. O romance se passa em 1947, época em que o domínio britânico sobre a Palestina ainda obrigava o toque de recolher e muita repressão.  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página