início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

O Artista da Morte

Daniel Silva*

O pano de fundo de O artista da morte é o conflito entre israelenses e palestinos, sobre o qual se desenrolam as tramas que envolvem os serviços secretos de diferentes países, incluindo, sem dúvida, os Estados Unidos; vítimas inocentes, ou melhor, lindas mulheres que se deixam levar pelo glamour irresistível dos agentes secretos; assassinatos espetaculares e missões complicadíssimas. O cenário são as cidades mais charmosas do planeta. O livro certo para quem quer diversão pura, contada em prosa ritmada e despretensiosa.

Gabriel, um herói da causa sionista, retirou-se do time de elite do Mossad, o serviço secreto israelense, depois de perder a mulher e o filho num brutal atentado, uma vingança por uma de suas ações contra terroristas palestinos. Dilacerado por lembranças e culpa, ele passa a viver da profissão que lhe serviu de cobertura ao longo dos anos como espião: restaurador de obras de arte.

Porém, a possibilidade de uma revanche — e de um reencontro muito especial — o retira da aposentadoria forçada na região da Cornualha, Inglaterra. O responsável por fazer com que Gabriel reassuma seu posto é Ari Shamrom, um mito dentro do Mossad, ele próprio reconduzido à ativa para salvar a honra do serviço secreto depois de um série de sucessivos fracassos.

Daí para a frente, o suspense só faz crescer, no estilo cinematográfico que caracteriza essa literatura desenvolvida nos Estados Unidos. Em muitos momentos, chega-se a visualizar o fade cobrindo a tela para dar início à próxima seqüência.


Sobre o Autor

Daniel Silva: Daniel Silva, hoje escritor profissional que a crítica coloca ao lado de nomes como John Grisham e Stephen King, foi jornalista e produtor da rede americana de televisão all news CNN e cobriu os conflitos no Oriente Médio. Essa experiência certamente lhe forneceu a experiência e os conhecimentos necessários para misturar com tanta segurança ficção e realidade. A descrição do assassinato de Abu Jihad, líder da OLP ao lado de Yasser Arafat, em 1988 em Tunis, é fiel à realidade, mas o desenrolar da trama que antecedeu os tiros disparados à queima-roupa é fruto da imaginação de quem está familiarizado com o modus operandi de ambos os lados da disputa.

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

A experiência da lei e a lei da experiência,  por Henrique Chagas.
Aponta o fato de que os brasileiros demandam o princípio da igualdade, estando a demanda pela lei associada a uma específica economia moral na qual as práticas sociais funcionam como "locus" de vivência e elaboração das leis.  Leia mais
O romance familiar da barbárie,  por Manuel da Costa Pinto.
"Os Girassóis Cegos", de Alberto Méndez, mostra permanência do trauma da guerra civil na sociedade espanhola atual  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página