início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Pedras soltas

Peter O´Sagae*

Quando chega em casa o livro mais recente de Eloí num envelope desenhado a letra miúda, anuncio aos quatros ventos que eles podem, enfim, sentar-se à mesa. Sou daqueles indivíduos que tem por hábito comer livros e começo passando os dedos em cada dedicatória que me é dada a fim de conferir o relevo em tinta dourada.

Atrás de cada página virada, componho minha história de leitura num ritmo senza parole, cadência de pausas no olhar. Porque conheço Eloí desde o tempo em que se guardava sol com folhas de embira e o seu nome contava dezenove letras; foi depois, quase agora, que apareceu mais um E de permeio (e, falando nelE, ainda não lhe perguntei a natureza, se dado por correção, donde se escorreu). Deixa estar, tipografia.

Sei apenas que o desconhecido é calmo e pingou algumas gotas de bálsamo no meu café.

Naquele tempo de agora-menos-oito-anos, ela inventava poetar para crianças e seria desatino, seria ousadia, fazer artes com a mesma seiva que plantou Cecília, Elias, Paulo Paes, nas letras brasileiras. Mas seus versos tinham gosto de memória afetiva, de gritar palavras pra dentro do poço pra ouvir o eco. Só sei que escutei, bem antes da trombeta derradeira, o rumor que ali verdejava de alecrim. Lá foi uma, foram duas, três cartas pelas madrugadas e encostas virtuais e, então, já éramos amigos de porta e janela. E Eloí virou madrinha de meus caminhos, como professor de literatura infantil, em sua própria terra: imaginava você viajando e te abençoava, imaginava você começando lá e te abençoava, tava o tempo todo com você, te desejando uma linda jornada! Creio que a tua jornada pelo grande oeste está só começando! Diria mais: a jornada em Santa Catarina.

Eloí foi certeira em seu bem-querer e, entre uma viagem e outra,fui casualmente presenteado por Thaís de Almeida Dias (que havia sido minha chefia, nos anos da Rádio Cultura FM, e fora morar em Treze Tílias) com três recortes de jornal: era Eloí cronicando bromélias, assentamentos e bules. Discreta sempre, secreta e serena, nada me contara!

Somente as horas ímpares, que seus textos transpunham à realidade, atenuavam a breve traição. Quando chegares, recolhe pra mim a lenha seca, imagino ouvir seu manso jeito capitu de todas as vezes quando arremesso uma pergunta escrutinadora,que vou ali no pé do mundo e já volto.

Tem sequilhos pro teu café no guarda-louça.

São estes improvisos inesperados que reverberam dentro da gente. As crônicas — velhas crônicas — publicadas no jornal A Notícia, entre 1998 e 2001, então reunidas por Pedras soltas, tem feitio para amansar a adversidade com toques e sotaques de lirismo fantástico. São composições em marcha de desalinho, porém nem mesmo o espaço pouco da lauda e meia fora capaz de reduzir as virações de Eloí. Como registro dos fatos cotidianos e de reminiscências, vividas ou inventadas, é a autora quem aponta o dedo arguto contrário às modas e aos vendilhões. Mas, declarando-se para indefinidos fins, a cronista abre um rastro de espelho partido em mil pedaços e identidades. Cria narradoras — que o gênero diário parecia desconhecer — numa altiva recorrência de vozes, timbradas por veludo e vingança, poeticamente articuladas.

Hoje, perfiladas em conjunto, as crônicas mostram seu bordado: não vem à toa nenhuma frase, por mais travestida de non-sense que se pareça; a linha evola da referência local e da prisão do tempo. São como mimos de coral, ou riscos de groselha, em que o precioso e o efêmero provocam espanto.

Deixe de lado o que eu disse; o que importa mesmo é que cavei um túnel que vai dar numa cantiga luminosa. Você pode vir comigo, se quiser; eu quero que você venha.

Acompanhar os passos, as transfigurações dessa autora que se esconde na toca da onça, é para mim privilégio.

Três livros de poemas para crianças, um abraço mágico para a reflexão, duas aventuras de uma bruxinha e a terceira lengalenga dela que está por vir, uma novela em trânsito... Prêmios que chegam, Boi-de-mamão (1999), Leia Comigo FNLIJ (2002), Casa de Cultura Mário Quintana (2005) e Literatura para Todos (2006), mais as indicações no último Catálogo de Bolonha e, entre seis escritores brasileiros, para o White Ravens (Alemanha). As crônicas chegam com atraso, parece que foi tudo ontem... No avarandado de sua cozinha foi onde ouvi “As oito moças”, tanto quanto eu queria ouvir, e foram as primeiras vinte e ininterruptas horas de conversa com Eloí. O encontro virou palavra, “Dentro do caroço” e hoje me é restituído um fragmento, guardado em livro. Em que momento minha amiga piscou para dentro de si? Não sei.

Sobre o Autor

Peter O´Sagae: Mestre e Doutorando em Letras, pela Universidade São Paulo, e editor da revista eletrônica Dobras da Leitura, que em março de 2006 foi reconhecida como uma ação homologada pelo Plano Nacional do Livro e Leitura - PNLL, Eixo 3.3 - Valorização da Leitura e Comunicação.

Trabalha como leitor crítico na avaliação de originais para duas editoras em São Paulo e na orientação literária junto a escritores, além de prestar assessoria técnico-acadêmica em projetos na área do livro e leitura.

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

O purgatório da história,  por Menalton Braff.
Dentre eles, o livro de Braff é o mais elaborado formalmente. Seus capítulos são jorros verbais em que o protagonista descreve de modo obsessivo, às vezes alucinado, uma situação de isolamento extremo, desencadeada pela perseguição política.  Leia mais
Um poeta em seus claros caminhos,  por Francisco Carvalho.
Em Tempo de ceifar (Thesaurus Editora, Brasília, 2002, 399 p.), encontramos as multifaces de um poeta no pleno exercício de todos os recursos expressivos da linguagem.  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página