início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Contos de Tenetz/ Yordan Raditchkov

Rubens Shirassu Júnior*

O real e o irreal convivem lado a lado em Yordan Raditchkov, sem quaisquer constrangimentos. É uma das muitas virtudes desse admirável escritor, possuídor do dom de um contador de histórias. Os contos têm a universalidade peculiar de toda a literatura fantástica mundial com laços naturais que nos lembram as histórias de Franz Kafka, Jorge Luis Borges, Gabriel Garcia Márquez, Julio Cortazar e, os brasileiros, Murilo Rubião e JoséJ. Veiga entre outros expoentes do realismo mágico universal.

O contato com o texto de Raditchkovvai aos poucos levando o leitor, envolvido pela mestria da narrativa, a aceitar como normais situações inverossímeis: um mundo em que os peixes passam a morar em árvores, em que um hieróglifo desafia a inteligência (ou a estupidez?) humana, em que a Palavra se torna personagem ou, ainda, a incrível e mitológica história da migração dos verbludes (você já viu um verblude?), que deixaram a lua e vieram viver em nosso meio em tempos distantes, a tudo convertendo em areia. Em Contos de Tenetz, de Yordan Raditchkov (tradução de Rumen Stoyanov e Anderson Braga Horta, 128 páginas, Thesaurus Editora) somos guiados pelo realismo mágico que nos desperta para a própria magia da existência.

Todos os textos do livro parecem realmente histórias contadas por crianças (ou para crianças), por demonstrar uma rica imaginação e pela forma natural com que fluem convivendo com o inusitado. O fantástico, ou mágico, faz parte da realidade e dela não se distancia por um fio sequer. No entanto, de maneira alegórica, atrai a nós, adultos, para investigarmos nosso modo de ver as coisas. Yordan Raditchkov nos encanta com seu humor até quando filosofa, à maneira dos camponeses de sua terra: Quando tudo o mais cai de joelhos, a palavra é que nos socorre. (pág.29).

Raditchkov mescla, então, entranhadamente, os instantâneos líricos, saídos das formas de vida e do espaço de sua Bulgária imaginária, à velha arte do contador de histórias, parece sempre fazer questão de afirmar que vem de um vilarejo, mostrando algo de um outrora ainda mais distante. Alguma coisa da atmosfera primitiva e mágica de um passado ancestral e da sabedoria oracular, a latência funda e a analogia estrutural do mito, na alquimia do verbo: (Em verdade lhes digo, a palavra arregaçou as mangas e fez também um moinho de fogo. Os nossos foram fazer farinha nele e todos admitiram que isso era já um verdadeiro milagre. A Palavra. Pág. 29) Mediante visões fugazes, instantes que têm a surpresa poética de uma epifania, se reata de repente a história perdida dos objetos e dos seres. Um leitor atento e minucioso notará ecos ou resquícios da literatura pós-simbolista na prosa modesta e despretensiosa de Yordan Raditchkov.

Os leitores de língua portuguesa ganham ainda duas ótimas introduções de seus tradutores: Anderson Braga Horta alerta para detalhes da tradução e do estilo do autor, enquanto Rumen Stoyanov faz um apanhado interessante da tão pouco valorizada, entre nós, cultura búlgara.

Sobre o Autor

Rubens Shirassu Júnior: Designer artístico, jornalista e autor entre outros de Religar às Origens (Ensaios, 2003) e Oriente-se: Manual de Procedimentos no Japão, 1999.
É o autor da coluna OLHO MÁGICO na VERDES TRIGOS.

Contato: jrrs@estadao.com.br

Veja também o "ORIENTE-SE: Manual de Procedimentos no Japão"
Edição Independente de Rubens Shirassu Júnior
Site do Livro: http://www.stetnet.com.br/orientese/

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

VOCÊ NA TELINHA - Como usar a mídia a seu favor,  por Henrique Chagas.
Simplesmente indispensável. Heródoto Barbeiro, o jornalista criador da rádio CBN, trata sobre uma questão espinhosa que permeia os bastidores da mídia: a troca de gentilezas de uma empresa para com um veículo ou jornalista visando uma reportagem favorável  Leia mais
O veludo das serras abriga escorpiões,  por Chico Lopes.
Adágio para o silêncio: Há, na boa e verdadeira literatura, um imperativo moral e estético: o escritor tem que dar a sua verdade, independente de quem fira.  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página