início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Ensaio sobre a História trágico-marítima

Angélica Madeira*

Ensaio multidisciplinar sobre a coletânea de relatos portugueses de naufrágio do século XVI, compilados e publicados por Bernardo Gomes de Brito em Lisboa, em 1735 e 1736. As narrativas, embora sigam regras rígidas do gênero, são muito variadas pois foram escritas por narradores de diferentes origens sociais e diferentes níveis intelectuais. São padres, leigos, um historiador, um cosmógrafo, um boticário e há mesmo duas narrativas anônimas. Esses relatos são examinados ora pela ótica da sociologia histórica, ora à luz da teoria literária, ou ainda em uma perspectiva etnográfica. O resultado é um texto que integra e transcende os enfoques parciais.

O ensaio pretende ser mais um relato entre os relatos comentados. Daí emerge um pequeno mundo flutuante, síntese da sociedade em terra firme, com escravos e homens livres, fidalgos e plebeus, marinheiros que trabalham e cantam, ou doentes, gemendo nos porões, capitães dando ordens, damas, aias e crianças e capelães que orquestram novenas a Nossa Senhora. Todas as hierarquias são mantidas e bem demarcadas no espaço do navio, até o momento do naufrágio quando o sistema de atitudes sofre alterações pela proximidade da morte. O desenho do livro foi sugerido pela própria estrutura das narrativas, explorando-as, na primeira parte, como fontes históricas que permitem restaurar o cotidiano da vida a bordo, a cultura dos marinheiros e a própria Carreira das índias, o mais complexo roteiro marítimo da modernidade. Na segunda parte, o naufrágio é explorado como alegoria barroca, levantando-se a hipótese de os relatos prenunciarem uma matriz estética da prosa européia, com regras próprias de ficcionalização e de estilização do real. Na terceira parte, o foco incide sobre a errância dos náufragos em terras africanas, sequência que permite uma reflexão sobre a alteridade cultural além do grande interesse estético das alegorias e imagens.

Este é o livro, em traços gerais. Apesar da exaustividade da pesquisa, ele buscou um texto simples, evitando o uso de termos técnicos, visando a um público acadêmico e não acadêmico que se interesse por cultura marítima, viagens e naufrágios.

Sobre o Autor

Angélica Madeira: Angélica Madeira é formada em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e concluiu o mestrado e o doutorado em Paris, onde freqüentou a Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais, Vincennes e Jussieu, focos de debates no campo das ciências humanas. Hoje é professora e pesquisadora do Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília.

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

O que é Meditação,  por Sandra Rosenfeld.
No livro de Sandra Rosenfeld, o leitor finalmente encontrará todas as respostas sobre o tema: o que e quais são os tipos de meditação e qual sua utilidade.  Leia mais
Segunda antologia de escritoras: 30 contos femininos,  por Chico Lopes.
O esforço de Luiz Ruffato me pareceu, desde a primeira antologia, muitíssimo elogiável. E creio que mais antologias do gênero poderão aparecer. O que vale, sobretudo, é a visão plural – do qualitativo ao mais ou menos, do melhor ao mais equivocado, as mulheres escrevem, desabafam, criam. Não são diferentes dos homens, de jeito nenhum – erram e acertam, obviamente. Quem lucra é o leitor.
 Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página