início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Ensaio sobre a História trágico-marítima

Angélica Madeira*

Ensaio multidisciplinar sobre a coletânea de relatos portugueses de naufrágio do século XVI, compilados e publicados por Bernardo Gomes de Brito em Lisboa, em 1735 e 1736. As narrativas, embora sigam regras rígidas do gênero, são muito variadas pois foram escritas por narradores de diferentes origens sociais e diferentes níveis intelectuais. São padres, leigos, um historiador, um cosmógrafo, um boticário e há mesmo duas narrativas anônimas. Esses relatos são examinados ora pela ótica da sociologia histórica, ora à luz da teoria literária, ou ainda em uma perspectiva etnográfica. O resultado é um texto que integra e transcende os enfoques parciais.

O ensaio pretende ser mais um relato entre os relatos comentados. Daí emerge um pequeno mundo flutuante, síntese da sociedade em terra firme, com escravos e homens livres, fidalgos e plebeus, marinheiros que trabalham e cantam, ou doentes, gemendo nos porões, capitães dando ordens, damas, aias e crianças e capelães que orquestram novenas a Nossa Senhora. Todas as hierarquias são mantidas e bem demarcadas no espaço do navio, até o momento do naufrágio quando o sistema de atitudes sofre alterações pela proximidade da morte. O desenho do livro foi sugerido pela própria estrutura das narrativas, explorando-as, na primeira parte, como fontes históricas que permitem restaurar o cotidiano da vida a bordo, a cultura dos marinheiros e a própria Carreira das índias, o mais complexo roteiro marítimo da modernidade. Na segunda parte, o naufrágio é explorado como alegoria barroca, levantando-se a hipótese de os relatos prenunciarem uma matriz estética da prosa européia, com regras próprias de ficcionalização e de estilização do real. Na terceira parte, o foco incide sobre a errância dos náufragos em terras africanas, sequência que permite uma reflexão sobre a alteridade cultural além do grande interesse estético das alegorias e imagens.

Este é o livro, em traços gerais. Apesar da exaustividade da pesquisa, ele buscou um texto simples, evitando o uso de termos técnicos, visando a um público acadêmico e não acadêmico que se interesse por cultura marítima, viagens e naufrágios.

Sobre o Autor

Angélica Madeira: Angélica Madeira é formada em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e concluiu o mestrado e o doutorado em Paris, onde freqüentou a Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais, Vincennes e Jussieu, focos de debates no campo das ciências humanas. Hoje é professora e pesquisadora do Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília.

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

Em busca do sentido perdido dos vocábulos,  por Ronaldo Cagiano.
Verdadeiro escafandrista do idioma, o professor, escritor, crítico e ensaísta Deonísio da Silva acaba de dar mais uma contribuição ao conhecimento de nossa tão aviltada língua portuguesa, ao mergulhar na intimidade das palavras.  Leia mais
Trajetória de uma Intimidade,  por Lucilene Machado.
Lucilene Machado, poeta, contista e professora universitária, traz neste FIO DE SALIVA um movimento cinematográfico em sua palavra ágil e inteligente, transportando o feminino contemporâneo para a intimidade cotidiana, numa linguagem própria, mas também soprada por ventos vindos do universo de Cecília Meirelles, de Rubem Braga, de Guimarães rosa.  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página