início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Fim de Tarde

Daniel Mazza Matos*

PREFÁCIO

Dos meus versos prefaciador:
Eu busco nos olhos dessa gente
O verso que o coração silente
Não aceitou apenas por pudor.

Facínora, com a pena fina,
Perfuro estrofes e o verso grita.
Sangra letras a pintura escrita,
Na cova branca desvai-se em rimas!

Ourives não sou, não sou pedreiro:
O meu verso é o farol que me guia
De um mar revolto num nevoeiro!

Respiro estrofes, rimas mastigo,
Engulo a letra que me sacia:
Dentro de mim é onde está meu abrigo!

(Ribeirão Preto-SP, agosto de 2003.)


Parecia uma Tarde que jamais teria fim...

E apenas hoje, doze anos depois de ter escrito o meu primeiro verso, o poente maculou as nuvens com o amarelo-ouro do arrebol, e o sol descansou.

O céu começou a escurecer, mas antes que a Noite invadisse o átrio da Tarde, juntei a papelada toda, selecionei os poemas, entre algumas dezenas, escritos entre 1994 e 2003 e, ainda receoso, decidi publicá-los.

Optei por subdividir o livro em três partes, usando como fulcro o agrupamento dos poemas de acordo com o gênero (formas fixas: o começo da tarde --sonetos; o fim da tarde - haicais) e a matriz dos conteúdos tratados em cada texto (o meio da tarde - odes e outros poemas). Busquei com esse tipo de organização, em detrimento da mera disposição cronológica, dar maior unidade ao livro.

Luzem as primeiras estrelas no céu ainda claro...

Deixo para trás a Tarde de doze anos.

Daniel Mazza Matos

Fim de Tarde
Funpec Ediora

Sobre o Autor

Daniel Mazza Matos: O autor nasceu na cidade de Fortaleza (CE) em 30 de agosto de 1975. Concluiu a Faculdade de Medicina pela Universidade Federal do Ceará, com posterior especialização em hematologia pela Universidade de São Paulo. A despeito de dedicar-se ao estudo das técnicas de verificação e já ensaiar os primeiros poemas desde 1992, sempre relutou bastante em publicar seus versos.

Fim de Tarde é o seu primeiro livro. A obra é composta por poemas escritos no período de 1993 a 2003, marcando, assim, o término de mais de uma década de silenciosa produção literária.

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

Geografia da alma humana,  por Ronaldo Cagiano.
Embate desesperado contra a solidão, a alienação, a loucura e outros fantasmas
Nos dez contos que enfeixam o livro, Chico Lopes labora dentro de uma unidade temática, sem ser repetitivo no encadeamento das tramas.  Leia mais
Os germes ao vento e os esforços ordenadores,  por Chico Lopes.
A editora Globo, com “A arte do romance – Antologia de prefácios” (319 páginas, tradução, organização e notas de Marcelo Pen), presta enorme serviço aos admiradores brasileiros de Henry James, que esperaram muito tempo para conhecer em português essa célebre reflexão do escritor sobre sua própria obra.  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página