início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Trajetória de uma Intimidade

Lucilene Machado*

Lucilene Machado, poeta, contista e professora universitária, traz neste FIO DE SALIVA um movimento cinematográfico em sua palavra ágil e inteligente, transportando o feminino contemporâneo para a intimidade cotidiana, numa linguagem própria, mas também soprada por ventos vindos do universo de Cecília Meirelles, de Rubem Braga, de Guimarães rosa.

Trajetória de uma Intimidade

O conto Fio de Saliva foi o primeiro contato que tive com o universo literário de Lucilene Machado, cronista, contista, poeta e integrante da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras. Nele percebe-se, com muita nitidez, o corte sincrônico que ela faz na linearidade editorial contemporânea.

Sua agilidade, velocidade e intimidade coma a criação, toma emprestado o mesmo vento que sopra as crônicas de Rubem Braga, a densidade de Cecília Meireles, a busca de Guimarães Rosa e a fina ironia de uma pitonisa grega resgatada em pleno século XXI.

É absolutamente reconfortante encontrar pedra preciosa em meio a tanto cascalho jogado nas livrarias deste tempo veloz e superficial. E quando esse valor vem com indumentária e conteúdo femininos, o encanto é maior ainda.

O jogo de caracteres, cinematograficamente colocados num script imaginário, revela personagens que deslizam em travelling perfeito, nota-se que na cena da sua palavra em ação, não há necessidade de continuísta para fazer a ligação de um conto para outro até que se esgote o volume. Não há tempo para respirar, a emoção seduz outra emoção página por página, na marcação e no compasso de um tempo maior que nós.

Neste livro de contos Lucilene Machado se transforma no amálgama narradora-personagem, entregando-se sem limites na reconstrução de si mesma, como se o dito dela fosse retrato de uma odisséia feminina diária transformada em realidade, configurando desejos e sonhos que povoam todo ser sensível, pois com sabedoria nos faz ver que o beijo é a trajetória mais íntima a acontecer entre dois humanos.

O fio de saliva que se desprende de sua fala, vai costurando nossas bocas secas de boa literatura. Não há mais o que esperar. Apenas saciar.

Ferriól Cabanas
Poeta e Editor


NOTA SINESTÉSICA

Sintonizada com os tempos em que a mulher usa sua própria lente para fazer a leitura da auto-descoberta e para configurar as imagens que constituem o corpus feminino, a voz de FIO DE SALIVA marca o percurso do universo sinestésico captado pela sensibilidade do olhar sobre o mundo e as pessoas. São dezoito contos que garantem um movimento ascendente, úmido, que parte do primeiro conto "Fio de saliva" ao último "A mulher do guarda-chuva".

Coexistem na narrativa elementos metalingüísticos que se processam com as porções constituintes das protagonistas envolvidas numa "teia" que tece a realidade e máscaras do universo feminino com um "fio de saliva". A narrativa leve como o andar das personagens absorve o vermelho das rosas e o cheiro molhado da terra, imagens essencialmente metafóricas da intimidade feminina reveladas na alma de mulheres estrelas, prontas para desnudar corpos escondidos nas armadilhas espalhadas que interceptam "caça e caçador".

O cotidiano despido, assim feito estrelas, revela a reconstrução de significados dos objetos que, até então, estavam encobertos por um verniz opaco: "as casas eram vasos de flores, os edifícios caixas de presentes, a rua um colar de pequenos pontos brilhantes e eu, um ponto final de uma história" (Memória). A singularização presente na narrativa faz com que se possa sentir o perfume das rosas ou se perca num "momento sagrado de sinestesia" capaz de colocar a palavra na mão e moldá-la a seu gosto ou perdoar. E há, também, a possibilidade de descobrir outros caminhos sinalizados nas cores do semáforo, "palmilhar estradas povoadas por ausência", ao encontro do insólito.

O fio prende-se a uma rede de uma diversidade de outros textos que evocam "a palavra dentro da palavra" (Eliot), convidando a "alfinetar estrelas" com Quintana ou permitir "sangrar as veias da poesia e deixar escorrer os versos em praça pública", atrever-se a experimentar porque "quase todas as vidas são pequenas. O que alarga uma vida é a vida interior, são os pensamentos, são as sensações, são as esperanças inúteis" (Clarice). Assim, se constroem as "alegorias femininas" que povoam esta obra marcante como o brilho dos "brincos" perdidos embaixo das poltronas mudas diante dos enredos de filmes capazes de fazer apaixonar e ferir por um fio cortante de primavera capaz de "cicatrizes definitivas".

Alegoricamente, também, constrói-se a narrativa com seus enigmas paradigmáticos, provocando a memória a conflitar "uma história qualquer" com "amores de árvores", com "olhares não premeditados, palavras espontâneas e gestos desobrigados a qualquer futuro", à guisa de "uma mulher feita de todos esses pequenos mistérios. Esconde a intimidade, os sonhos, as palavras e os sentimentos. [...] tão secreta quanto uma estrela".

O "gosto amargo" dos becos labirínticos da vida cruel da prostituição tece a máscara do lado maculado e obscuro da imagem feminina que nem mesmo a água consegue redimir, "e as mulheres continuam a vislumbrar imagens pelas arestas angulosas do destino".

Após a leitura de Fio de Saliva, conseguiremos desviar nosso "olhar estreito" acerca da busca dos espaços existenciais femininos sem o rastro da imposição cultural presa por um novelo que se desfia a cada nova voz que se ergue para aromatizar e colorir as "rosas brancas...não, vermelhas mesmo".

Prof. Ms. Luiza A. Oliva dos Santos
Depto. De Letras/ Sinop-MT

Sobre o Autor

Lucilene Machado: Lucilene Machado é professora, membro da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras e da UBE-MS. Tem três livros publicados, sendo poesia, literatura infantil e contos. Possui artigos publicados na Itália, Espanha e Venezuela. Atualmente é mestranda em Estudos Literários com ênfase na obra de Clarice Lispector.

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

Vozes da alma: recado à felicidade,  por Dante Gatto.
Empenhado em fazer aquilo que mais gosta, que é difundir e facilitar para os leitores o acesso à ação científica e literária, o professor Robério Pereira Barreto, lança mais uma importante obra intitulada ´Vozes da Alma: Recado à Felicidade”, que trata de lirismo amoroso e introspectivo  Leia mais
Histórias do Japão,  por José Arrabal.
Histórias do Japão é um livro de contos que une culturas e faz ponte entre povos. Com acentuada liberdade de invenção, suas narrativas e desenhos expressam sonhos, conflitos, traços e cores, estilos e feitios do imaginário e da arte do Oriente e do Ocidente.  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página