início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

A força do homem comum no escritor Carlos Herculano

Chico Lopes*

Conheci Carlos Herculano Lopes através de Ignácio de Loyola Brandão, que, na entrevista concedida ao "Cadernos de Literatura Brasileira" do Instituto Moreira Salles, enumerando novos nomes promissores da literatura brasileira, o citou. Valia a pena procurá-lo, e o também escritor Ronaldo Cagiano me disse que não seria difícil, trabalhando ele no jornal Estado de Minas, que circula pelas bancas de Poços. Arrisquei. Mandei-lhe meu livro. Herculano me respondeu. Na ocasião, por felicidade, tinha programado o filme "Sombras de julho", baseado em livro seu, num ciclo de cinema brasileiro do cinevideoclube do Instituto. E ele mandou-me dois de seus livros - "O sol nas paredes" e "A dança dos cabelos". Gostei particularmente do segundo. Continuamos trocando e-mails esporádicos e ele dedicou-me uma de suas crônicas no Estado, sobre uma velha senhora mineira. Achei de uma grande delicadeza.

Não o conheço pessoalmente, mas o vejo em fotografias aqui e ali, quando lança seus livros e estes são comentados na imprensa especializada. O que vejo é um homem miúdo, de uma fragilidade física meio enganadora, pois que o rosto é bastante determinado, intenso. De algum modo, ele me parece simbolizar o mineiro no que há de melhor, com doçuras de alma temperadas por muito ferro, muito realismo, muita lucidez. O homem daquelas fotografias dá uma impressão de força e confiabilidade.

Como ele se vê? Em entrevista concedida a Suênio Campos de Lucena no livro "21 escritores brasileiros - Uma viagem entre mitos e motes" (Escrituras, SP, 2001), Suênio lhe pergunta: "Não vê o artista, especialmente o escritor, como alguém incomum?", e ele responde: "Não, absolutamente. Sou totalmente comum. Trabalho demais, vou à minha cidade duas vezes por mês. Vivo em dois universos: o urbano, na redação do jornal, e o da Minas mais arcaica, mais atrasada, que é a do Vale do Rio Doce e do Jequitinhonha, onde os valores ainda são do século XIX. Convivo com essas duas Minas. Estou fazendo uma matéria em São Paulo, Rio, e depois vou à minha terra ver castrar um boi, curar uma bicheira".

Mineiro de Coluna, onde nasceu em 1956, Herculano tem uma carreira curiosa, pois seu "Dança dos cabelos" já de cara deu-lhe um prêmio importante, o Guimarães Rosa, e chegou à nona edição. Venceu a Bienal Nestlé de Literatura, em 1990, com "Sombras de julho". Tão fundamente mineiro, ele não é um regionalista. Em "Sombras de julho", borbulha exatamente esse mineirismo arcaico a que ele se refere - história de uma peleja entre fazendeiros em que a morte violenta irrompe por questões de antipatias atávicas, divisões de terras. Fica ali bem claro que a beleza, a amizade, a juventude, nada, nada escapa às vastas sombras de primitivismo e truculência desses homens. Fica claro também que Herculano aspira a uma universalidade, e a consegue.

Ele tinha que, cedo ou tarde, pagar tributo a Drummond, que tão bem entendeu esse mundo mineiro primitivo. E o faz com "O Vestido", em que adaptou o famosíssimo "Caso do vestido", poema de Drummond que tanto sugere sobre esse mundo de silêncio em torno da mulher, das famílias, das aventuras extraconjugais, no patriarcalismo mineiro. Lançou este livro, argumento para o filme homônimo de Paulo Thiago, que não vi. Mas é uma bela edição da Geração Editorial de SP, é outra vez a densidade atávica em ação, e Herculano move-se em terreno bem familiar, bem seu, dentro dele.

Move-se em outra direção, nas crônicas de "Entre BH e Texas" (editora Record, 2004) - a do homem urbano de Belo Horizonte (mas nem é preciso lembrar o que vai de roça no elevador, parafraseando Drummond), que se encanta com os pardais no dia da vitória do Penta, que radiografa o que vai pelas ruas, sem perder aquela lucidez lírica e meio desencantada que é a marca do gênero. Mas eu o prefiro com menos amenidade.

A Suênio, Herculano disse, definindo o escritor: "Uma pessoa que tem humildade para observar, conversar com as pessoas, saber que cada ser humano é diferente, tem uma história. O porteiro, o vaqueiro, a cozinheira, o ascensorista, o médico..."

Isso o define. Ele é comum sim, mas com a boa carga de singularidade e estranheza que todo comum carrega.

Sobre o Autor

Chico Lopes: Chico Lopes é autor de dois livros de contos, "Nó de sombras" (2000) e "Dobras da noite" (2004) publicados pelo IMS/SP. Participou de antologias como "Cenas da favela" (Geração Editorial/Ediouro, 2007) e teve contos publicados em revistas como a "Cult" e "Pesquisa". Também é tradutor de sucessos como "Maligna" (Gregory Maguire) e "Morto até o anoitecer" (Charlaine Harris) e possui vários livros inéditos de contos, novelas, poesia e ensaios.

Mais Chico Lopes, clique aqui


Francisco Carlos Lopes
Rua Guido Borim Filho, 450
CEP 37706 062 - Poços de Caldas - MG

Email: franlopes54@terra.com.br

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

Dentes ao Sol,  por Rubens Shirassu Júnior.
Quem é, afinal, Glauco Mattoso? Será um agitador cultural, humorista de plantão ou pornográfico? Fica difícil a definição para a maioria do público pelas influências do ensino tradicional, educação familiar, das religiões e meios de comunicação, que manipulam informações e, ao mesmo tempo, formam opiniões.  Leia mais
Lima Trindade : mitos, desencantos e os mortos muito vivos,  por Chico Lopes.
Trindade tem talento, e é esperar pelos desdobramentos que esse talento ainda poderá oferecer. Ele pensa, no momento, em estruturas mais amplas, talvez num romance. No entanto, se dá muito bem com o gênero conto, não se sujeitando a escrevê-los curtos, para seguir modas, nem se rendendo aos excessos de não-pontuação e "transgressões" baratas. É um escritor novo que me parece orientado para finalidades maiores. Tomara as atinja.  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página