início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

O Senhor dos Anéis: da Fantasia à Ética

Gabriele Greggersen*

Recebo da Editora Ultimato, de Viçosa/MG, através da Klênia, esta excelente crítica realizada por Gabriele Greggersen, que é mestre e doutora em filosofia da educação e pós-doutora com trabalho apresentado ao Instituto de Estudos Avançados da USP sobre Monteiro Lobato. Leia a orelha do livro:

"Em O Senhor dos Anéis, nem o bem nem o mal existem como entidades abstratas. Eles são sempre praticados por alguém na vida cotidiana. O Senhor dos Anéis, então, é um “livro de ação”. Na Bíblia, igualmente, a questão do bem e do mal é preferencialmente ilustrada por histórias de vida. Não há na narrativa chavões moralizantes, como nos desenhos animados japoneses, que sempre terminam com a “chave de ouro” de uma fórmula pronta para consumo: “é preciso trabalhar em equipe”, “o crime não compensa”, etc.

Em O Senhor dos Anéis, a moral vai se revelando por meio da ação das pessoas que vão mostrando na prática a maneira correta e a equivocada de agir. Tentar encontrar Deus diretamente na obra é, no mínimo, uma ofensa ao escritor, além de um abuso de sua arte. Por outro lado, nenhum autor, cristão ou não, pode negar sua visão de mundo quando escreve. Assim, erram tanto aqueles que procuram aplicações bíblicas diretas, quanto os que não vêem relação nenhuma entre O Senhor dos Anéis e a Bíblia.

Não é por acaso, certamente, que Tolkien faz questão de frisar que todos os personagens maus já foram bons em algum momento do passado. Essa clara alusão à concepção do mal na Bíblia dificilmente poderia ser ignorada. Outras figuras, como Harry Potter, por exemplo, aparentemente já nasceram “boas”, ainda que incompreendidas e em condições desvantajosas, e o permanecem até o final.

O oposto vale para os personagens do mal, como Voldemort, que é a única coisa que Harry diz que teme. [...] Mas isso não é um motivo para a queima dos livros da série na fogueira da inquisição. O único fogo que promovemos aqui é o do discernimento e da crítica, que, em última instância, provém de Deus, mediatizado pelo Espírito. Tolkien acreditava, sim, nos fenômenos ocultos, mas cria, acima deles, na intervenção divina na ordem “natural” das coisas. Ele confiava que os eleitos estão sob a proteção de Deus, o que fica muito claro nas inúmeras situações de “salvação” vividas por Frodo."

Fonte: Editora Ultimato.
Aquisição: clique na imagem da capa e acessará o site da editora.

Sobre o Autor

Gabriele Greggersen: Gabriele Greggersen é mestre e doutora em filosofia e educação e pós-doutora com trabalho apresentado ao Instituto de Estudos Avançados da USP sobre Monteiro Lobato.

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

Homenagem a Antonio Candido,  por Jorge Ruedas de La Serna.
Os 20 ensaios deste livro são a reunião de uma diversidade de reflexões teóricas e críticas debatidas no encontro "Seminario Internacional sobre Historia y Literatura", que se realizou no México em 2001, homenageando Antonio Candido.  Leia mais
Segredos e Encantos da Narração na Voz que cria imagens,  por Peter O´Sagae.
Contar histórias é um ato que tem sua poesia, técnicas próprias, um jeito seu de ser e: fazer o tempo parar, envolver o espaço, abrir afetos, retraçar os contornos do mundo.  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página