início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Mulheres Más

Sandra Sarue*

Mulheres Más é um livro de 13 contos, não baseados, mas sim inspirados em histórias de mulheres que em algum momento tiveram a coragem e a ousadia de cometer um gesto. Qualquer gesto que modificasse para sempre suas histórias, seus caminhos.

O livro começa com a citação de uma pequena frase da “Tragédia de Medéia” do dramaturgo grego Eurípedes, a mulher e mãe que mata seus próprios filhos para se vingar da traição e abandono do marido Jasão. Medéia, sem dúvida, é uma mulher má, admirada bem mais pela coragem e ousadia do crime cometido, que por sua covardia atroz.

Mulheres Más faz referência à Medéia sim, mas é inspirado em histórias mais contemporâneas como a da faxineira Hilda que derrama àgua fervente sobre o corpo de seu marido. A jovem Letícia que mata seu colega de escola à facadas após ser ridicularizada por ele. Júlia, a mulher abandonada que destrói o apartamento do amante. E finalmente, Thaís, inspirada na tragédia doméstica de uma jovem americana que em 1993, amputou com um facão de cozinha, o pênis do marido estuprador.

Mas a violência não prevalece em todos os contos deste livro, alguns são bem suaves como o que leva o nome do título ,“Mulheres Más”, sobre três mulheres que tentam se desvencilhar do indesejado assédio de um grupo de rapazes ou “A Loira”, o desabafo de um homem que se sente ameaçado pela simples existência de uma mulher, a sua.

O prefácio brilhante do escritor, roteirista e dramaturgo, Fernando Bonassi, contempla o livro “Mulheres Más” de Sandra Sarue, como uma rara observação do cotidiano, comparando os gestos destas intensas personagens ao de gente como a gente, mulheres e homens... como todos nós.

Sobre o Autor

Sandra Sarue: Sandra Sarue nasceu em São Paulo, capital, às 6h15 do dia 08 de outubro de “1968, O ano que não acabou”, como o título do livro de Zuenir Ventura. Um ano revolucionário, como ela se orgulha em dizer. Publicitária formada e atriz (quase formada), teve que abandonar o curso de teatro da Escola Macunaíma e posteriormente do Indac, incentivada pelos próprios professores que abominavam a sua interpretação como atriz, mas apreciavam muito os textos que criava ou adaptava para as peças encenadas. “Não interprete, apenas escreva!”, diziam os professores. E foi o que ela fez. Começou a escrever, escrever, escrever... e nunca mais parou...

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

Metáfora da Vida e da Morte, enquanto realidades pertubadoras,  por Ronaldo Cagiano.
Fernando Cesário crava fundo sua prosa cirúrgica, para fazer uma incisão pungente no suplício que envolve a vida dos personagens dessa trama instigante.  Leia mais
A literatura dos deserdados,  por Adelto Gonçalves.
Willer compara os contos de Cagiano aos de João Antônio por causa da indignação, do senso crítico agudo, do desprezo pelas concessões. Nelson Oliveira na contracapa também lembra de João Antônio e acrescenta Samuel Rawet e Luiz Ruffato. E não exageram na comparação. Todos vêem o mundo de baixo, das classes sociais mais oprimidas. E fazem literatura de alto nível porque saída das entranhas da vida.  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página