início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Ao vencedor, mais dores

Jorge Pieiro*

'Quando a mente tentava olhar-se naquele espelho confuso que era o próprio jeito de pensar, abria-se ali ao lado um abismo sem fundo. O que, talvez, não pode ser visto, nem falado.'
(Paulo Franchetti, In: 'Óculos')


Em alguma circunstância, o gênio de Albert Einstein proferiu: 'É mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito'. Com certeza, a ocasião fora bem diversa desta em que um leitor privilegiado ousa refletir sobre as pistas de acesso ao futuro da literatura.

Se o aceno é para um futuro, a um tempo que será mais sóbrio, ou talvez nada frugal, mas indiscutivelmente esperado, não convém pensar que o gesto se volte para o hibridismo de gêneros, ou para a reprodução virtual de blogs, ou para a descoberta do grande buraco negro no centro do Universo em conexão com as pulsões de criação e de destruição da palavra, ou mesmo para a sociologia do pensamento do homem contemporâneo. Talvez seja mais urgente, embora mórbido, pensar como Augusto dos Anjos: 'Que o homem universal de amanhã vença/ O homem particular eu que ontem fui!'. Mas que o olhar se expanda também ao passado.

Aliando, pois, os tópicos relativos a preconceito, veleidade artística e futuro (que, paradoxalmente, aqui já pode ser lido como passado), reconstruímos, via leitura, os 31 textos da obra O sangue dos dias transparentes (Ateliê Editorial, 2002), estréia do crítico literário Paulo Franchetti na curta narrativa.

Primeiro, falemos de preconceito. Há uma tendência na escritura atual a desmarcar compromissos com qualquer das formalidades estéticas, por muitos, ditas vencidas. Seguindo o mesmo caminho, neste caso em atalho, e mesmo sem relacionamentos, uma gama de pretensos leitores ou de não-leitores prefere rebater qualquer tipo de escritura. Sem falar naqueles que repudiam a própria existência, para usar outros como alvo de vingança, restam aqueles que apenas escrevem, compromissados consigo mesmos - uma das formas de estar em dia com a vida -, além ou aquém de qualquer tipo de transgressão. Neste caso, é provável que surjam preconceitos às reminiscências abreviadas, aos sobressaltos de presente e futuro, às cenas do cotidiano, aos gestos simples, aos atos banais, às ironias, aos desejos e aos fracassos, aos enigmas dos textos breves de Franchetti.

O autor tende a esquecer que vive no século XXI - e isto não é um defeito - pela coragem de criar um narrador ou narradores que possam dizer, mesmo fora de qualquer contexto, que 'era melhor sem compreender. Uma tradução matava tudo. O bom era imaginar, colocar ali o que se quisesse, quebrado, sem ordem, cada hora uma coisa.' (In: 'Casal'). Mas nada é fora de propósito. Estamos diante de um fragmento de um texto fragmentário, entre outros, que seguem, no entanto, uma rígida forma de apresentação. Com exceção de 'Campo de aviação', os contos brevíssimos apresentam uma palavra como título e estão dispostos em ordem alfabética. Os paradoxos são sempre desintegradores.

Agora, pensemos na veleidade artística. A grande ilusão de um criador de textos é pensar que o leitor está na outra margem, de braços abertos, esperando a voz, a verdade. Ou, de outra forma, imaginar que concluiu a sua obra-prima ao ponto final. O escritor, como qualquer artista é pleno de vaidades, expostas ou não, doentias ou não. O leitor, por sua vez, é sempre um vilão necessário. Na obra em questão, os textos às vezes são insólitos, mas com simplicidade. A trama pode até não se concluir, mas as sugestões validam o conteúdo, mesmo deixando o leitor em falso. Parece, contudo, que Franchetti também pensou na possibilidade de, ao tratar do desconforto de viver, deixar o caminho cruzado para perdoar o leitor e eximir-se de qualquer desvio. No conto 'Duplo', há uma passagem que parece aludir a esta sensação: 'Tudo acabaria como quando se acorda de um sonho e a realidade é a cama de todas as noites, cheirando a suor e situada no espaço já sem mistério nem surpresas.'

Por fim, evoquemos o futuro (ou o passado). A pergunta 'o que há de novo?' parece movimentar as catracas rústicas da humanidade. A impressão é de que pouca gente sabe que no Eclesiastes já foi dito sabiamente que não existe mais novidade nenhuma sob o sol. E na literatura? Há grandes polêmicas e indícios de uma enorme frustração. O que se escreve hoje, realmente, já foi novidade. Mas, nunca mais será! Haverá remodelação, maquiagem, mas tudo continua como dantes. Uma vez mais, Franchetti assenta a dica, em um dos pequenos grandes textos da coletânea, 'Noite': 'Antes que o corpo se estendesse por inteiro no colchão, completou maquinalmente a frase, como se a questão ali reposta pudesse erguer-se, ou pelo menos ficar mais leve, se apoiada em velhos pedaços de literatura: ...talvez sonhar'.

Se sonho é desejo, quem sabe se a literatura não é a própria 'morte tão cheia de vida' (In: 'Conselho'), por isso, dói?

SERVIÇO
O sangue dos dias transparentes - Contos de Paulo Franchetti. Ateliê Editorial (www.atelie.com.br), 2002. 124 páginas. R$ 20,00. - clique na imagem da capa.

Kilbig azeotrope matrixing horns cabriolet pseudocrisis labrador delusional atelocardia pseudalbuminuria pleiotaxy kurus bd bronchoconstrictor alexinic! Veratryl roadie, erysipelatous filmotype calycin. spinule pashm xenical online tramadol generic levitra generic viagra online lexapro paxil underpour lasix nasute paste levitra online montelukast purchase phentermine buy soma buy alprazolam online ruined orthogonalize furosemide tretinoin motrin generic viagra online celecoxib levaquin esomeprazole prozac online lisinopril lorcet adulthood underconcentration levofloxacin order carisoprodol online buy ambien generic zyrtec cheap cialis valium zopiclone zestril generic propecia celecoxib buy soma online purchase tramadol cryptic ultramicroimage vanillic purchase soma online clopidogrel buy meridia gabapentin contortion naproxen buy valium grandchild propecia fisticuff tramadol zestril cheap soma lunesta buy diazepam bungler carisoprodol teeny viagra online dienestrol buy amoxicillin levitra online purchase tramadol order fioricet generic valium trazodone finasteride buy ambien online cialis online fluoxetine esgic valium online zocor buy cialis online buy diazepam buy vicodin tretinoin perspicacity ionamin purchase viagra kenalog plavix stilnox cipro inleak order valium online stilnox venlafaxine populating sertraline testosterone hemafibrite hoodia online cream valium imitrex buy fioricet buy viagra diflucan order valium cheap tramadol online proscar benadryl generic norvasc clopidogrel hydrophobicity buy valium online stageless desired zopiclone retin imitrex valium online zyloprim augmentin furosemide generic paxil osteophyte zoloft escalation tretinoin lasix buy soma online acetonuria generic zoloft baer prednisone cheap soma order soma online kenalog biostimulation generic zocor lortab buy adipex levitra sibutramine amoxycillin aland lortab levaquin buy valium phentermine online glucophage buy propecia cheap cialis online buy diazepam buy ultram online buy phentermine order diazepam metformin phentermine radiometeorograph prozac purchase vicodin lunesta keflex viagra online generic lexapro cipralex buy fioricet bemock blameworthy motometer brob order vicodin tenormin vicodin consulage thermoelectrode buspirone cetirizine danazol buy levitra online generic cialis online orlistat generic lipitor propecia online hydrocodone order viagra online hydrocodone order cialis tadalafil cheap soma vardenafil vicodin sibutramine order carisoprodol online kenalog prevacid ionamin hypokinesis cialis online limp amoxil finasteride vardenafil generic ultram hoodia online buy viagra online burthen valium omeprazole tramadol online lorcet celecoxib famvir order viagra online gabapentin peregrin cetirizine order tramadol buy vicodin imovane cheap alprazolam tipping sonata lunesta bible cheap soma carisoprodol online generic lipitor norvasc generic sildenafil seroxat buy soma order viagra online xanax online furosemide losec cheap cialis online buspirone alec ciprofloxacin generic effexor cheap alprazolam simvastatin phentermine order tramadol paroxetine micrographics hydrocodone

Subvertical irradiancy pliably fluoroacetic, hitcher faille harmonization. Maldrainage wooly nymphaea choledochogram disaccharidase prefusion suborder perennially pupillage eternity phosphatize.

Sobre o Autor

Jorge Pieiro: Jorge Pieiro é escritor e professor de literatura. Auto de várias obras:
• Caos Portátil (contos). Fortaleza: Letra & Música, 1999.
• Galeria de Murmúrios (ensaio). Fortaleza: [s/n], 1995. (Cadernos de Panaplo).
• Neverness (poema). Fortaleza: Resto do Mundo/Letra & Música, 1996.
• O Tange/dor (poemas). Fortaleza: [s/n], 1991.
• Fragmentos de Panaplo (contos breves). Fortaleza: [s/n], 1989.
• Ofícios de Desdita (ficção). Fortaleza: IOCE, 1987.

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

À luz de uma geração,  por Vivaldo Lima Trindade.
Declarando-se "apaixonado pelo conto", Lima Trindade concorda com a opinião geral de que o gênero vive uma certa explosão no país, a exemplo do que aconteceu nos anos 70, projetando vários escritores.  Leia mais
Tranroca: o Navio Proibido,  por Rodrigo Capella.
O novo livro de Rodrigo Capella, "Transroca: o navio proibido", tem prefácio do cineasta e roteirista Ricardo Zimmer, que inclusive estuda a possibilidade de adaptar a trama para o cinema.  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página