início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Cinemaginário

RICARDO CORONA*

Nos poemas desse livro de estréia, o autor paranaense assinala a força da imagem em movimento - imagem fílmica, tensa, com cortes ágeis, alucinatória, simbolista, etc. -; da marcação nervosa dos roteiros de histórias em quadrinhos e da palavra cantada da música brasileira, mesclando referências de diversos registros para inserir conscientemente sua poesia dentro da produção contemporânea.

Pode ser que o poema "Paisagem narcisista" seja o signo deste Cinemaginário, livro de estréia do poeta curitibano Ricardo Corona. Isso, porque o poema é uma expressão dinâmica - tensa e densa - de como a experiência da vida pode estar na linguagem. Não é só a performance da paisagem "narcísica" que impacta nossas consciências: "em mim incide o que está depois da paisagem: / oásis, Iemanjá, sereia, miragem". Aqui, a criação poética é mais do que a reprodução do "clic", do "flash", do "espanto" que se associam a um único ato, precário, de percepção que nos é fornecido e vai além da estampa - ou parte dela - para revelar o invisível, a alma da paisagem.

O repertório léxico/semântico deste livro é, indubitavelmente, o tema do olhar: como olhar o mundo, como ser olhado pelo mundo ao mesmo tempo que imaginamos o mundo sendo olhado por nós, e como transmitir verbalmente o processo do olhar. O olho edita imagens (cinema), fragmentando-as, vertendo-as: o poema é a visão do olho-câmara da imaginação.

É importante notar que os poemas foram escritos em Curitiba, onde não existe uma paisagem exuberante, das que costumam inspirar poetas. Talvez por isso a paisagem destes poemas seja menos narcisista, feita de "chips de memória", inventada, e com o movimento (vortex, vórtice) da voragem do olho da mente (alucinação, miragem). Paisagem sob a luz da lua. Lunares. Paisagem borrada. É no invisível que funciona o olhar do poeta para mediar uma "estranha alquimia" que permeia a força de uma voz poética além de sentimentalismos e naturalismos. ( David William Foster - Department of Languages and Literatures Arizona State University).

O CINEMAGINÁRIO DO POETA CANTOR

Quem tiver olhos de ver que veja, se já não viu — este Cinemaginário que aqui se exibe e representa, do curitibano Ricardo Corona, é, senhores, um refinadíssimo livro de poesia. Concentrado, a palavra limpa de uma limpeza quase enxuta, “clássico” no que tem de metro e medida, no que tem de decoro, esta palavra em desuso, Cinemaginário é um livro orgânico e concebido baixo o pecado bem-bom de produzir um livro-de-poemas, cousa assaz diferente de reunir, ao acaso, versos sem data.

Construir um livro-de-poemas é mais do que distribuir a esmo as nem sempre harmônicas flores de estilo. Necessário razão e sabedoria, a meu ver, para que elas com elas não desavenham, e nem desalinhem assim tudo o que se quis como um livro-de-poemas. E este é, de cara, o primeiro trunfo deste Cinemaginário; existem outros, mas nenhum tão “fundante” quanto este.

Dividido em quatro momentos de celebrada/celerada imaginação — Vortex, Lunares, Tunguso-Manchuriana, Satirilyrics (+ seis para HQ) —, o livro parece aspirar fundamentalmente a um conceito que decifra, e devora, o para além da primeira visada sobre as coisas que será sempre, e apenas, exercício limitante, a do desvelamento da máscara, e não do que, genuína armadilha, ainda é a máscara da face se bem mais não seja a máscara primeira. Cai o pano. Sabedor do cinemovimento da dízima periódica, mesmo assim, ou por isto mesmo, o poema insiste. Aliás, Cinemaginário é um livro para além do ver, posto que perscruta e tateia, e pela teia da palavra, aranha ávida, já envolve o objeto que des-creve, querendo-o inteiro, pura teima, o gosto insistente de buscar o que é que há atrás da imagem. Assim, podemos dizer que mesmo frente à intenção do grito, as palavras tratam as palavras com delicadeza ainda que para “informar”, muitas vezes, o mais rude ou o menos afetuoso. É que as palavras não nascem do chão.

Dos quatro momentos em que se distribui Cinemaginário, “Lunares” me parece o mais fiel ao que se quis como o “desenho” de um livro-de-poemas e ali está o poema que, em minha opinião, melhor reflete e conceitua toda a obra — “Paisagem narcisista”, com este belo fecho:

Eu, de passagem e a paisagem, de paisagem.
Em mim incide o que está depois da paisagem:
oásis, Iemanjá, sereia, miragem.


À parte o magnífico trato com as palavras, aqui em particular o poeta se declara, à luz do cinemaginário, o buscador do movimento que há por detrás da simpleza às vezes ingênua das coisas, o que há no movimento extraordinariamente repetível da miragem e que, por se repetir, ainda uma vez nunca é a mesma e glosa a sua pele inédita sob o sol.

A paisagem estará sempre de paisagem para quem de passagem — e me ocorre que aí Ricardo Corona expressa, em síntese, todo o dizer do Cinemaginário cujos “poemas-câmera” já iluminam o que há depois da paisagem — o tumulto da vida se processando em novas paisagens que, por seu turno, pretendem outras paisagens adictas ainda de outras paisagens, feito o cine-sonoro sobre a cena muda. Tanto assim que na estrofe imediatamente anterior, o poeta não poderia ser mais claro sobre os ofícios da paisagem:

Mas nela meu olhar não se detém,
nenhum clic, espanto, nada.
A memória agora está além,
nem a mais linda imagem é guardada.


De uma contemporaneidade que o faz, mais que um poeta jovem, o instrumentador afiado de um dizer, do “novo”, suas raízes, Corona pontua, não sem malícia e segundas intenções, este Cinemaginário com algumas agudas epígrafes — da lua de Laforgue ao pensa/sentimento de Lautréamont, ou, outro modo de epigrafar as coisas, anota de Basquiat todas as ruas, de Jim Morrison perfaz o olho e o risco de acordadíssima tradução-mutante, e dedica a Ginsberg, o (condoreiro) poema que fecha o volume.

Mas Ricardo Corona não se mistura: a sua dicção é de um gosto profundamente pessoal, dificilmente vista em livros de estréia, ainda que contaminada por tudo e por todos, síntese feliz com que o poeta “modula” a sua língua, os ícones devorados até a mais ruminante tortura. (Wilson Bueno - Escritor curitibano, autor de Meu tio Roseno, a cavalo (SP, editora 34, 2000), Mar paraguayo (SP, Iluminuras, 1992), entre outros. Foi também editor do premiado jornal Nicolau, de Curitiba).

Sobre o Autor

RICARDO CORONA: Ricardo Corona (1962, Pato Branco/PR) é autor, entre outros, dos livros de poesia Cinemaginário (1999), Corpo sutil (2005) e Tortografia, em parceria com Eliana Borges (2003) – todos pela editora Iluminuras. Em 2001, lançou o CD de poesia Ladrão de fogo (Medusa). Organizou a antologia Outras praias – 13 poetas brasileiros emergentes / Other Shores – 13 Emerging Brazilian Poets (edição bilíngüe – ed. Iluminuras, 1998). Traduziu em parceria com Joca Wolff o livro-poema a.A Momento de simetria (Curitiba, Ed. Medusa, 2005), de Arturo Carrera. Integrou as antologias Outras praias (1998), Pindorama – 20 poetas de Brasil (Argentina, 2000), Na virada do século – Poesia de invenção no Brasil (2002), Passagens – Antologia de poetas contemporâneos do Paraná (2002) e Cities of Chance: New Poetry from the United States and Brazil (Rattapallax, EUA, 2003), acompanhada de CD de poesia, no qual participa com o poema “Ventos e uma alucinação”. Participou também da antologia Os cem menores contos brasileiros do século (org. Marcelino Freire, SP, Ateliê Editorial, 2004) e da mostra “Brasil: Poetry Today”, publicada na revista Slope (EUA, 2004). Tem poemas musicados por Vitor Ramil, Ana Lee, Neuza Pinheiro, entre outros. Em 1998, criou a revista de poesia e arte Medusa, e, em 2004, a revista de poesia e arte Oroboro, a qual edita em parceria com Eliana Borges. Em 2006, seu primeiro livro de poemas, Cinemaginário integrou o projeto Rede Saber, com nova tiragem e distribuição dirigida ao acervo das bibliotecas da rede pública. Reside em Curitiba (PR).

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

UMA METAFICÇÃO INTELIGENTE,  por Mauro Rosso.
Contos de Alberto Lins Caldas retomam a tradição de J.J. Veiga, Murilo Rubião e Cornélio Pena  Leia mais
Arquitetura do Café,  por André Argollo.
Neste livro, intitulado Arquitetura do Café, o autor procedeu a um minucioso levantamento histórico da implantação das fazendas de café, discorrendo sobre sua arquitetura e construção, ilustrando o texto com figuras, fotos e desenhos de inestimável valor documental, detendo-se a discutir as fazendas de café localizadas em Campinas.  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página