Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Henrique Chagas


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

Inocente no mundo de Kafka

por Henrique Chagas *
publicado em 18/07/2005.

Véspera de feriado prolongado. Ansiedade dobrada. Fui indicado para atuar como preposto numa audiência judicial. Não há como fugir, mas o meu gerente garantiu-me que será coisa rápida, coisa de quinze minutos. Sei não!

Recende um clima de velório sem defunto. Assim é o clima da sala de audiências. Um senhor de uns 60 anos, barbas grisalhas mal cortadas, dentes amarelados por nicotina, está acompanhado do seu advogado, gordo, paletó um número menor.

Quinze horas em ponto. O Juiz olha para o alto como quem busca a onisciência divina. Permanece atento a todo e qualquer gesto. Tudo tem importância magnânima. Dá-me a sensação de que o processo se reveste dos desígnios celestiais.

Pergunta por Epaminondas. Não teria outro nome quem se diz apostador contumaz de loterias. Afirma que rotineiramente aposta os mesmos números 17, 22, 25, 32, 40 e 44 em jogos da sena. Desatento conferiu o resultado e atirou o comprovante do jogo ao lixo. Quando ficou sabendo que ninguém levantara o prêmio, constatou tratar-se dos números que sempre jogou. Conseqüentemente, diz ser ele o único acertador.

É obvio que o sujeito não tem qualquer direito, penso. Onde está o bilhete? Ele jogou no lixo. Não possui qualquer prova material do que afirma.

Afirma que o 25 corresponde à primeira dezena da placa da sepultura de sua irmã, o 40 corresponde à última dezena da sepultura de seu genitor - palavra ditada por seu advogado, estou certo disto - também sepultado no mesmo campo santo e o 44 corresponde ao ano do seu nascimento.

Nas perguntas, o advogado da Caixa quer saber a razão dos outros números jogados. Fica em silêncio e nada responde. Penso, ele não tem outras pessoas afins das quais também se lembre dos números das placas de sepultura.

Na oitiva das testemunhas, todos repetem o mesmo. Epaminondas gosta de jogar, joga sempre os mesmos números e acertou a sena, mas jogou o papel no lixo e é o único ganhador daquele prêmio. Verdadeiro teatro. Olhares e gestos calculados. Imagino-me num julgamento na ágora de Corinto. Que diriam Sêneca, Galião ou Dionísio? Que importa o bilhete? O que verdadeiramente importa é que aquele senhor fez o jogo e acertou os números sorteados, é o que ele afirma. Será ele o sortudo? Ou seria apenas uma ficção jurídica? A do jogador contumaz que nunca ganhou nada, e quando ganha, perde o bilhete. O apelo à piedade tocou-me o coração.

Quase dezenove horas. O juiz chama o processo à conclusão. Nada mais formal. Falta-lhe apenas um turíbulo para nos envolver com fumaça e com o perfume do incenso. Levanta, imbuído da sabedoria de todos os deuses do Olimpo, por Dionísio ou por Cícero, profere a sentença. Nada compreendo. Ouço que o autor optou por uma ação ordinária, de cunho declaratório, mas com fulcro no velho princípio de repúdio ao enriquecimento sem causa ou locupletamento indevido. Resmungo um palavrão. Sou fulminado com o olhar severo do Juiz. Sinto-me debaixo da mesa. O tempo passa e não sei quem tem razão, pelo contrário, acho que perdemos.

Então, finalmente, o juiz diz que a Caixa não será responsabilizada por enriquecimento sem causa porque não obteve aumento patrimonial e que o valor do prêmio foi repassado para a Seguridade Social. Dá por encerrada a audiência e ponto final. Perplexo e aturdido, saio sem saber se Epaminondas acertou ou não na loteria.

---

Mário Goulart, jornalista de Porto Alegre/RS, que faz um excelente trabalho para a Advocef, publicou na edição deste mês de setembro de 2005 o conto "Inocente no mundo de Kafka", com interessante ilustração. Ficou magnífico. Recebi inúmeros emais e comentários sobre a publicação e sobre o conto.

Veja a publicação em arquivo PDF.

O conto "Inocente no mundo de Kafka" também foi publicado na Revista de Contos BESTIÁRIO.

Sobre o Autor

Henrique Chagas: Henrique Chagas, 49, nasceu em Cruzália/SP, reside em Presidente Prudente, onde exerce a advocacia e participa de inúmeros eventos literários, especialmente no sentido de divulgar a nossa cultura brasileira. Ingressou na Caixa Econômica Federal em 1984. Estudou Filosofia, Psicologia e Direito, com pós-graduação em Direito Civil e Processo Civil e com MBA em Direito Empresarial pela FGV. Como advogado é procurador concursado da CAIXA desde 1992, onde exerce a função de Coordenador Jurídico Regional em Presidente Prudente (desde 1996). Habilitado pela Universidade Corporativa Caixa como Palestrante desde 2007 e ministra palestras na área temática Responsabilidade Sócio Empresarial, entre outras.

É professor de Filosofia no Seminário Diocesano de Presidente Prudente/SP, onde leciona o módulo de Formação da Consciência Crítica; e foi professor universitário de Direito Internacional Público e Privado de 1998 a 2002 na Faculdade de Direito da UNOESTE, Presidente Prudente/SP. No setor educacional, foi professor e diretor de escola de ensino de 1º e 2º graus de 1980 a 1984.

Além das suas atividades profissionais ligadas ao direito, Henrique Chagas é escritor e pratica jornalismo cultural no portal cultural VerdesTrigos (www.verdestrigos.org), do qual é o criador intelectual e mantenedor desde 1998. É jurado de vários prêmios nacionais e internacionais de literatura, entre eles o Prêmio Portugal Telecom de Literatura.

No BLOG Verdes Trigos, Henrique anota as principais novidades editoriais, literárias e culturais, praticando verdadeiro jornalismo cultural. Totalmente atualizado: 7 dias por semana.

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


Bocage em quarta edição, por Adelto Gonçalves.

Um Lugar Chamado Notting Hill , o terror gótico esquecido e outras histórias, por Ademir Pascale Cardoso.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos