Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Efraim Rodrigues


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

Aquilo que realmente importa

por Efraim Rodrigues *
publicado em 6/3/2005.

O palheteiro (Clitoria racemosa) é uma árvore que ocorre na Amazônia brasileira, e que por seu crescimento vigoroso, mesmo em solos pobres, é muito utilizada em plantios para produção de madeira. É uma leguminosa que consegue absorver (fixar) nitrogênio do ar, mesmo em solos muito ácidos. Produz flores amarelas que dão origem a longas vagens. Em dias secos, as vagens estouram e podem lançar suas sementes a mais de dez metros.

Há quase seis anos, eu pensei um monte antes de plantar um palheteiro no aterro do Lago Igapó 2.

Era a época em que a Câmara de Vereadores votou unanimemente pela doação daquela área para construção de um Shopping Center. Uma única vereadora contra iniciou uma resistência. Depois de um tempo, o poder público entrou na briga, depois foi a UEL, e o então prefeito, algum tempo antes de ser cassado, voltou atrás e transformou a área em Parque. No meio deste redemoinho, uma escola organizou um pic- nic na área, e apareceu a idéia de plantar-se uma árvore.

Eu pensei muito sobre a escolha desta espécie, porque esta não era uma árvore qualquer. Uma das vozes que se levantou a favor do Shopping Center, disse, por exemplo, que nada cresceria ali. Outros disseram que era um terreno insalubre. Também havia o desejo de plantar uma espécie nativa, ao invés de uma árvore da Amazônia. Não só por aspectos biológicos, mas também pela simbologia de se repor uma espécie que já esteve ali.

Depois de pesar prós e contras, terminei optando pela espécie exótica, pensando nos diversos impactos que esta árvore iria ter que suportar, os cortadores de grama, o subsolo cheio de entulho, e até fogo que deu um ano que deixaram o capim alto demais. Pensei também que a dispersão agressiva desta espécie poderia ocupar parte do gramado do Igapó, preparando a área para que germinassem as sementes trazidas por pássaros.

Antes do dia do plantio, eu fui lá fazer a maior cova que eu conseguisse fazer, enchi a mão de bolhas, mas abri uma cratera onde coloquei no fundo o composto orgânico que produzo em casa. No dia do plantio teve crianças, mídia e até um animador que fez uma cerimônia de nativização da árvore. Esta invenção dele não deve ter deixado meus colegas mais exigentes nada satisfeitos, mas as crianças adoraram os passes de mágica que fizeram a árvore nativa da Amazônia se nativizar no norte do Paraná.
Teve televisão, colocação de placa, fotógrafos, repórteres...

Terminada a festa todos foram para casa, e aquela árvore ficou ali como único representante de tudo isto.

O primeiro ano foi bastante difícil. Foi um ano de seca, e durante meses eu andava com algumas garrafas PET no carro, cheias de água para regar a árvore.

Da rua, eu via a folhinha meio caída, ia lá, despejava 5 litros de água nela, e no dia seguinte ela estaria bem de novo.

No segundo ano, houve uma geada terrível, que queimou o pé inteiro.

Neste momento, ela fez por merecer a confiança que depositei nela. Ela rebrotou a partir de um único ramo, uma única brotação da raiz. Dois anos depois, ela teria o tamanho de um carro, tudo refeito a partir daquela única gema.

As placas caíram alguns anos depois. Como toda placa, eram feitas de madeira morta. Só a árvore ficou.

Há seis meses, alguém resolveu fazer uma fogueira embaixo da árvore. Ela perdeu todas suas folhas, mas boa parte dela se salvou. Nestes meses, ela vinha se recuperando do impacto, dia a dia, semana a semana, trabalhando em silêncio, e aos poucos se arrastando para fora da UTI por seus próprios meios.

Nesta quinta feira , a árvore foi cortada para dar lugar ao campeonato de vôlei.

Os responsáveis pela organização estão plenamente corretos de ter feito isto. Este não é um mundo para seres com vida e história. É um mundo em que para se existir, precisa-se ter mídia, top models, alguns milhões de dólares, ou a locução do Galvão Bueno. A árvore do Igapó não tinha nenhum deles, além de ser um objeto anti-estético, a metade já estava morta mesmo.

Cortemos as árvores para abrir espaço para as coisas realmente importantes deste mundo.

Sobre o Autor

Efraim Rodrigues: Efraim Rodrigues, Ph.D. (efraim@efraim.com.br) é doutor pela Universidade de Harvard, Professor Adjunto de Recursos Naturais na Universidade Estadual de Londrina, Consultor do Programa Fodepal da FAO-ONU e Editor da Editora Planta, sem fins lucrativos.

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


O acaso e a filosofia, por André Carlos Salzano Masini.

Em Brasília, um centro cultural para o poeta Cassiano Nunes, por Jacinto Guerra.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos