Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Chico Lopes


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

Narcisismo só se cura pela dor

por Chico Lopes *
publicado em 13/06/2004.

O velho Freud, tão citado e tão mal lido, bem sabia das coisas: postulava haver no ser humano um cerne irracional inatingível por qualquer lógica civilizada, lembrava os muitos danos causados à humanidade pelos indivíduos irremediavelmente narcisistas, esses para os quais as críticas inexistem, já que se julgam sempre perfeitos e inatacáveis (quem precisar saber mais, vá a dois textos básicos: "O mal-estar na civilização" e "O futuro de uma ilusão", leituras das quais não se sai sem um abalo saudável).

Em conversa recente com uma amiga, concluíamos, pelos dois lados, que o grande problema, com as pessoas imaturas, é o fato de não quererem de modo algum abrir mão de sua imaturidade, de gostarem do "vai da valsa" frívolo deste mundo e não perceberem - ou simplesmente não admitirem - que não há ato humano, social, que escape às suas infalíveis conseqüências. Lembrava ela que a idéia de "causa gerando efeito", tão básica, é simplesmente posta de lado por quase todo mundo hoje em dia. O que se quer é diversão - o dia seguinte, o da ressaca, o do remorso, o da conta ou da intimação judicial debaixo da porta, não existe. Tem-se a impressão de que tudo é possível, tudo é permitido, que a mentira é puro charme, que drogar-se, beber até arrebentar, fazer loucuras, difamar, repetir inverdades, enfim, ser um perfeito pulha, é coisa que pode ser confundida com aquela canalhice simpática que o brasileiro, infelizmente, cultiva muito. A simpatia do canalha conseguiu, alguma vez neste mundo, cancelar os efeitos nefastos do que fez? - só se o prejudicado por seus atos for um perfeito masoquista...

"TÔ NEM AÍ"

Levando um pouco além aquela conversa, me dei conta de que a maior parte das pessoas que conheço reagiria mal demais a críticas, mesmo às mais sensatas, comedidas e respeitosas, a seu comportamento e às suas supostas grandes qualidades humanas, sociais, artísticas. Pensei em como essa coisa - o narcisismo - tão vital para a sustentação do amor-próprio, é também uma peste resistente. Freud, o velho Freud, está muito vivo, capaz de dar calafrios.

Pensei sobretudo em toda uma geração que vem sendo educada, pelo consumismo da televisão, pela literatura vagabunda de auto-ajuda, pelo cinema aviltado, a acreditar numa espécie de mágica, de solução para tudo. Essa mágica não é nem mais nem menos que o brado imbecil de "tô nem aí" gritado por todas as televisões e repetido como se fosse o supra-sumo da sabedoria. Isso não pode ser tão simples. E deve vir de muitos lugares, inclusive de pontos mais elevados. Acredito que boa parte da responsabilidade disso cai nas mãos de teóricos de comportamento, sociólogos, políticos, gente de uma esquerda leviana que insistiu demais nos tópicos da libertação social, sexual etc nos anos 60 e 70, dando ao vitalismo e ao espontaneísmo uma importância exagerada. O que se fez, na verdade, foi abrir as comportas do Irracionalismo na cultura. No vale-tudo intelectual, filosófico, moral e o que mais fosse, obteve-se isso: gente que acha muito natural e charmoso portar-se como bandido, encontrando glamour na mais baixa sarjeta. Uma educação permissiva demais e maus psicólogos que esqueceram Freud e voltaram-se exclusivamente para o bolso do cliente produziram narcisistas cada vez mais bélicos. A tara pelo bem-estar psicológico (o que implica numa enormidade de equívocos auto-tapeadores) levou tudo ao extremo: ninguém agüenta sofrer, ninguém quer ser frustrado.

E isso é o fim da picada, porque, sem sofrimento, não há grandeza alguma. Nem há curas indolores - temos que crescer, a despeito de nós mesmos, nossas fantasias, nossas queridas ideologias meramente consoladoras, nossos Lexotans de cabeceira. A frustração é a pedra-de-toque de uma personalidade madura: tudo que aprendeu, ela deve ao fato de ter sido, muitas vezes, contrariada, fustigada, humilhada, injustiçada e o que mais se queira.

"Um caráter forte se forja é na adversidade", diziam os antigos, e achávamos isso tão careta!. Mas é evidente como o sol: os duros golpes no narcisismo são os mais necessários. Nossos pais, no seu decantado "autoritarismo", na sua simplicidade tão desprezada, talvez estivessem nos dizendo era isso mesmo.

Se o mais precioso de nossos sonhos não envolve nenhuma pena, nenhum esforço, nenhum padecimento, acreditem: ele não vale nadíssima. E é de sonhos assim que as pessoas insistem em querer viver.

Sobre o Autor

Chico Lopes: Chico Lopes é autor de dois livros de contos, "Nó de sombras" (2000) e "Dobras da noite" (2004) publicados pelo IMS/SP. Participou de antologias como "Cenas da favela" (Geração Editorial/Ediouro, 2007) e teve contos publicados em revistas como a "Cult" e "Pesquisa". Também é tradutor de sucessos como "Maligna" (Gregory Maguire) e "Morto até o anoitecer" (Charlaine Harris) e possui vários livros inéditos de contos, novelas, poesia e ensaios.

Mais Chico Lopes, clique aqui


Francisco Carlos Lopes
Rua Guido Borim Filho, 450
CEP 37706 062 - Poços de Caldas - MG

Email: franlopes54@terra.com.br

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


A coisa Não – é assim, por Leonardo Vieira de Almeida.

Crônica: Quando eu entrar para a história, por Verônica Böhme.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos