Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Chico Lopes


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

De Uma Certa Noite surda

por Chico Lopes *
publicado em 08/02/2004.

Seca, alto agosto, e só se faz reclamar de uma coisa na cidade: falta chuva. Sopra, de vez em quando, um vento promissor. Atravesso a calçada que acompanha o parque Afonso Junqueira cansado, desistente dos sinais de vida que só existem em meu desejo.

Roupas que me atrapalham, que, por mais limpas, parecem precisar de lavagens sem conta, o pó, o infatigável pó de agosto, o corpo como um grande estorvo exigente, a inexplicável melancolia dos grandes hotéis silenciosos, o medo de algumas caras abruptas, hostis, nas esquinas, e a pressa de chegar ao terminal de circulares, deixar o centro.

É muito tarde. Já vivi um tempo em que o avanço da noite era uma promessa. Hoje, à medida em que as horas se estendem, só se adensam as ameaças, sombras irrompem de cantos familiares, há risadas que não são exatamente de alegria, gestos que precisam ser avaliados de esguelha, e às vezes é necessário fugir sem pensar muito: o relógio clama que o ônibus poderá ser perdido.

O vento. Silêncio, os carros já são poucos, e talvez o meu desejo de tudo ouvir e tudo tentar decifrar por precaução, tenha feito com que eu captasse isso: uma vozinha, um fio de choro em algum canto do escuro. Um som tão indistinto que poderia ser o pio de um passarinho desalojado das grandes árvores.

Mas, não: há alguém, que só percebo vagamente, porque não quero olhar muito, sob uma marquise, espremido contra um canto de uma porta fechada, e, sob o vento frio, a cabeça enfiada nos braços cruzados sob as pernas, precariamente vestido.

Percebo melhor, mesmo sem parar: é uma menina, terá seus oito ou nove anos. Ouço de novo o som, o chorinho que nem é um pedido, mas um lamento que se cumpre, automático, na sua inutilidade de lamentar. Mais alguns passos adiante, decido que é preciso voltar. Quando volto – e talvez tomar essa decisão tenha levado tempo demais – já não há ninguém sob a marquise. O vento e a noite engoliram o vulto visto e ouvido – ou apenas imaginado? Fosse o que fosse, sou perseguido pelo som e pela imagem do apelo que nem apelo era: àquela hora, quem é que espera ser ouvido?- a criaturinha só devia estar temendo as grandes assombrações soltas na cidade vazia e, com certeza, escondera-se de mim rapidamente: eu era mais uma ameaça.

Pressa, medo. No caminho da pressa e do medo, tudo ignoramos ou tudo interpretamos como um desarranjo ameaçador na ordem das coisas. O outro está lá, em seu breu inescrutável, e temos que nos defender dele, de qualquer modo. Mas, tanta é a defesa que a vida acaba por nos escapar também. Certo, não queremos ser tocados, e perfeito: não seremos tocados, nem pelo Mal nem pela Salvação.

Ignorar é imperioso. Erguem-se muros, trancam-se janelas, são impenetráveis os jardins da omissão: as festas privadas, com sólidos vigilantes aos portões, prosseguem. No entanto, a noite não quer acabar. E o pó do deserto é invencível. E ninguém dorme, a não ser com sedativos, um sono imerecido, com sobressaltos.

O mundo, o que é? Uma ordem inumana de só se pode esperar algum gesto de intimidação, alguma negativa que gele. A noite é enorme, a cidade é feita de coisas e, se gente há, é melhor temê-la. Ouve-se o pedido, passa-se além. Ouve-se o gotejo, mas é um pingo de água, um único, para ser ouvido uma única vez, contra as paredes de um poço onde o que despenca, despenca sem testemunho e sem retorno possível.

Alcanço o meu ônibus, que já sai. Tenho um livro para ler. O passageiro que vai à minha frente abre a janelinha, deixa entrar o vento. Puxa assunto: «Tempo esquisito. O senhor acha que pode mudar? Será que vai chover?».

Não respondo, faço apenas um pequeno gesto de dúvida. Não digo que espero chuva. Que há muito tempo espero chuva. Que seria tão bom se chovesse, chovesse desmedidamente!

Ele não me escutaria.

Sobre o Autor

Chico Lopes: Chico Lopes é autor de dois livros de contos, "Nó de sombras" (2000) e "Dobras da noite" (2004) publicados pelo IMS/SP. Participou de antologias como "Cenas da favela" (Geração Editorial/Ediouro, 2007) e teve contos publicados em revistas como a "Cult" e "Pesquisa". Também é tradutor de sucessos como "Maligna" (Gregory Maguire) e "Morto até o anoitecer" (Charlaine Harris) e possui vários livros inéditos de contos, novelas, poesia e ensaios.

Mais Chico Lopes, clique aqui


Francisco Carlos Lopes
Rua Guido Borim Filho, 450
CEP 37706 062 - Poços de Caldas - MG

Email: franlopes54@terra.com.br

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


Entrevista da escritora e filósofa Márcia Denser, por .::. Verdes Trigos Cultural .::..

O Calendário de Feliciano, por Airo Zamoner.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos