Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Chico Lopes


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

ANNE HATHAWAY: o enigma de Jane Austen em “AMOR E INOCÊNCIA”

por Chico Lopes *
publicado em 26/11/2008.

Se você sente que precisa fugir de tantos filmes violentos, repletos de perseguições, tiroteios e mortes horríveis, todos dentro dessa mania de sadismo impenitente que domina cinemas e locadoras e que faz com que o ser humano cada vez mais pareça um monstro cujo apetite de destruição vai para muito além do delírio, é bom saber que esses mesmos cinemas e locadoras ainda oferecem alternativas como filmes históricos e românticos ocasionalmente bem feitos.

Um dos últimos é "Amor e inocência" ("Becoming Jane"), estrelado por Anne Hathaway. Ela começou a fazer sucesso com "Diários da princesa", comédia romântica bem frívola, e ninguém diria que acabaria crescendo a ponto de contracenar muito bem, com Meryl Streep, em "O Diabo veste Prada", ganhando destaque (se bem que equivocado) numa comédia blockbuster como "Agente 86" e virando uma atriz de respeito. Na verdade, cresceu tanto que é possível que seja indicada ao Oscar de Melhor Atriz em 2009 pelo sucesso de crítica que está fazendo no filme "Rachel´s getting married", último de Jonathan Demme: um monte de gente importante achou-a o máximo. Em "Amor e inocência", faz Jane Austen aos 20 anos com muita dignidade e charme.

O filme é uma daquelas produções inglesas com ares de Merchant - Ivory, a dupla de produtores que se especializou em filmar coisas como "Uma janela para o amor", "Maurice", "Retorno a Howards End", adaptações de obras literárias de E.M Forster e outros situadas numa Inglaterra que, ao menos na tela, fica muito bem, a fotografia se deleitando com os matizes de interiores e exteriores altamente pictóricos e clássicos, o chique vitoriano encobrindo vidas reprimidas, mulheres românticas flertando com rapazes pedantes, a célebre e estereotipada divisão de classes que faz com que o esnobismo inglês pareça a coisa mais odiosa do mundo, mas sempre muito charmosa. Na verdade, esses filmes, ainda que representem uma Inglaterra em que ninguém de nossos tempos permissivos ficaria à vontade para viver, são bons como escapismo e fruição estética - dão a idéia de um mundo preciso, fechado e coerente de ritos sociais, aspirações burguesas, lares regidos por um esquema de patriarcalismo rígido, amores proibidos e excitantes, belas paisagens e figurinos etc. e fazem com que sintamos uma espécie de nostalgia da Ordem e da Repressão em nome de uma civilidade refinada (ainda que, por baixo de tanta contenção, todos padeçam e fiquem desesperados por uma vida mais instintiva e autêntica).

QUEM FOI JANE AUSTEN DE FATO?

Jane Austen (1775-1817) escreveu romances que viraram uma espécie de griffe cinematográfica de luxo e qualidade, nos últimos anos - "Razão e sensibilidade" e "Orgulho e preconceito" os mais conhecidos. Mas ninguém nunca soube direito como viveu e o que pensava, e "Amor e inocência", realizado por Julian Jarrold em 2007, se ocupa de sua vida de jovem.

Naturalmente, o filme é especulativo. O tipo por quem Jane se apaixona, o jovem advogado irlandês Tom Lefroy (James McAvoy), parece não ter sido senão um flerte na vida real de Jane, mas a produção inventa um romance prolongado e socialmente impossível entre ambos. A família de Jane não quer de modo algum que ela se interesse por um advogado sem fortuna, já que existe para ela um grande partido - o sobrinho de uma dama rica da região (Maggie Smith). Jane, no entanto, acha-o (com carradas de razão) um sujeito monótono, e, quanto ao casamento, quer se casar por amor ou ser uma mulher independente, uma escritora profissional, com todo o seu feminismo não mais que justo e lógico, dentro de uma sociedade tão sufocante como aquela (há gritinhos sufocados de escândalo quando ela decide jogar críquete com os rapazes). Hathaway é cativante e tem um personagem simpático e "politicamente correto" para nos cativar - de modo que tomamos o partido da personagem sem mais delongas.

Quanto ao advogado vivido por McAvoy, não será tão fácil simpatizar com ele, que entra no filme como um sujeito farrista, dado ao boxe, à bebida e às prostitutas, que só vai parar na belíssima e verdíssima Inglaterra do interior porque o tio, um juiz odiento de quem ele depende financeiramente, quer que ele se torne um sujeito mais sério - naturalmente, ele irá parar na terra natal de Jane. É o típico machão egocêntrico e convencido. E, de cara, os dois irão se desentender, quando Jane lê um trecho de um escrito seu numa reunião social e ele, além de bocejar durante a leitura, tece um comentário bem sardônico ao final. Dito e feito: os dois passarão a ser abertamente incompatíveis e a se digladiar com mesuras e frases de espírito carregadas de sarcasmo, ao gênero Spencer Tracy - Katharine Hepburn - indício mais que seguro de que vão se apaixonar um pelo outro.

A curiosidade é que McAvoy, bom ator escocês plenamente revelado no grandioso "Desejo e reparação", parece talhado para esse tipo de filme. Não é um galã tradicional - tem mais expressividade que beleza, mas consegue sugerir uma masculinidade romântica e um tipo com intensa e atormentada vida interior. Quando precisa sugerir que ama Jane só com olhares e uma mudez desesperada, dá um banho. Consegue boa química com Hathaway. O episódio da tentativa de fuga é muito bem feito e fica na memória.

O que há de satisfatório nesse tipo de produção é que, ainda que o leading actor seja americano, a qualidade da interpretação é sempre garantida com a participação daqueles atores ingleses que volta e meia revemos e que dão sempre um enorme prazer: a magnífica Maggie Smith (como a tia do bom partido), verdadeira estátua viva da arte de representar; Julie Walters como a mãe e James Cromwell como o pai de Jane. A fotografia também é deslumbrante, e, ainda que haja certa frouxidão na primeira parte do roteiro (não era preciso que personagens secundários tivessem o relevo que às vezes ganham), o filme nos conquista pelo romantismo e por especular bem com a vida de uma romancista que todos admiram e de cuja vida real ninguém sabe muita coisa (sua irmã, Cassandra, deu um fim em seus cadernos e diários). De modo que é preciso pensar que metade de tudo aquilo é fictício e embarcar na proposta. Fica valendo como um devaneio romântico. O romantismo todo da história, no entanto, é esfaqueado pelo realismo para lá de terra-a-terra da família de Jane (e, de resto, de toda uma sociedade bem acanhada) e este realismo terrível é resumido quando a mãe de Jane, irritada com sua aversão a um casamento por interesse, diz, aliás, com considerável sabedoria prosaica: "O amor é desejável... já o dinheiro, é indispensável..."

Mas, quanto ao ofício de escritora de Austen, o filme tem bons momentos, como quando ela visita a já profissional Ann Ward Radcliffe, que tinha feito um sucesso insólito com "Os mistérios de Udolfo", pioneiro do romantismo gótico. A graça é que, a despeito de ser autora de um livro cheio de horror e fantástico, é uma mulher tímida, convencional e um tanto assustada. Outro achado - numa cena em casa de Jane, a dama cujo sobrinho quer se casar com Jane, ao vê-la escrevendo, pergunta à mãe o que ela está fazendo, e, obtida a resposta, diz, com a maior e mais legítima das estupefações: "Can anything be done about it?" Com a cara da grande Maggie Smith, a cena dá o "zeitgeist" perfeito: de fato, naquele ambiente, uma escritora era a coisa mais bizarra possível. A pobre Jane não tinha saída.

Sobre o Autor

Chico Lopes: Chico Lopes é autor de dois livros de contos, "Nó de sombras" (2000) e "Dobras da noite" (2004) publicados pelo IMS/SP. Participou de antologias como "Cenas da favela" (Geração Editorial/Ediouro, 2007) e teve contos publicados em revistas como a "Cult" e "Pesquisa". Também é tradutor de sucessos como "Maligna" (Gregory Maguire) e "Morto até o anoitecer" (Charlaine Harris) e possui vários livros inéditos de contos, novelas, poesia e ensaios.

Mais Chico Lopes, clique aqui


Francisco Carlos Lopes
Rua Guido Borim Filho, 450
CEP 37706 062 - Poços de Caldas - MG

Email: franlopes54@terra.com.br

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


FOGOS DE FIM DE ANO, por Miguel Sanches Neto.

Tirando dúvidas dos leitores, por Rodrigo Capella.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos