Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Ângelo Caio Mendes Correa Jr.


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

Esboço da trajetória de um idealista

por Ângelo Caio Mendes Correa Jr. *
publicado em 07/04/2008.

A botânica no Brasil tem grande dívida com um homem cuja vida foi praticamente toda dedicada a ela: Pio Corrêa, autor, dentre mais de uma centena de obras científicas, do Dicionário das Plantas Úteis do Brasil e das Exóticas Cultivadas, que, em seis volumes, 4200 páginas, reúne descrições de quase dez mil plantas. Leonam de Azeredo Penna, ex-diretor do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, a ele assim se referiu: "Em sua estruturação original, sem ser baseada em qualquer congênere e até agora não imitada nem igualada por quantas apareceram em outros países, é o Dicionário das Plantas Úteis do Brasil e das Exóticas Cultivadas", obra da maior utilidade prática na literatura botânica mundial, presente em bibliotecas de instituições científicas do Brasil e do exterior."

Nascido na cidade do Porto, Portugal, a 6 de maio de 1874, desde cedo teve contato com o universo dos livros. Seu pai, Ignacio Miguel Corrêa, era editor e livreiro e amigo de Camilo Castelo Branco, então o maior nome da literatura portuguesa.

Bastante moço chegou ao Brasil, indo estudar na Escola Agrícola Luiz de Queiroz, onde se especializou em geologia, através da qual surgiu seu interesse pela botânica, pois quando trabalhava em Santa Catarina, ao lado de Henrique Lage, buscando encontrar jazidas de carvão, localizou o carvão associado a camadas de ardósia, na qual aparecia gravado um verdadeiro herbário, perfeitamente conservado, de espécies vegetais fósseis. A vista desses vegetais fósseis despertou-lhe primeiramente o desejo de identificá-los por sua classificação científica. A seguir, viria o interesse de estudar e classificar as espécies vivas.

Entre o final do século XIX e início do XX, percorreu os sertões que cobriam então boa parte do estado de São Paulo, participando do levantamento hidrográfico das bacias dos rios Tietê, Feio, Grande Peixe, Aguapeí e Ribeira de Iguape. Percorreu em canoa mais de mil quilômetros de rios entre São Paulo e Mato Grosso, período em que travou estreita amizade com Cândido Rondon.

Ainda em solo paulista, desenvolveu importantes estudos sobre o cultivo do arroz na região de Iguape e Cananéia, sobre as restingas do litoral sul e as madeiras nativas do estado.

Em 1908, por concurso público, tornou-se naturalista do Jardim Botânico do Rio de Janeiro. No ano seguinte, publicou seu primeiro livro, Flora do Brasil, alcançando grande êxito dentro e fora do País. Em 1910, percorreu todo litoral fluminense para estudar sua vegetação, o que resultou em diversos estudos.

A partir de 1912, empreendeu longa viagem pelas Américas, Europa, África e Ásia, já tendo por preocupação escrever o Dicionário e por desejo estudar, no próprio habitat, as plantas trazidas ao Brasil pelos colonizadores.

De volta ao Brasil, publicou Plantas Têxteis e Celulose, em 1918. Logo depois, passaria a dedicar-se ao Dicionário, cujo primeiro volume é de 1926, o segundo de 1931 e o terceiro, pronto para ser impresso às vésperas de sua morte prematura, em Paris, a 21 de fevereiro de 1934, esperou mais de 20 anos para vir a lume, assim como os três restantes, somente publicados graças ao empenho de Leonam de Azeredo Penna em organizar os manuscritos.

Os últimos anos de vida foram dedicados aos estudos e pesquisas no exterior. Na Itália desenvolveu longas pesquisas no Jardim Botânico de Palermo e no Real Jardim Botânico de Nápoles. No Egito dedicou-se ao estudo da cultura e industrialização do algodão e da cana-de-açúcar no vale do Nilo, passando também pela Palestina, Síria e Turquia, até fixar-se na França, onde a convite de Auguste Chevallier, então diretor do Museu de História Natural de Paris, trabalhou até morrer.

Homem cuja obstinação e coragem o levaram a embrenhar-se por espessas selvas, enfrentando todo tipo de hostilidades, dizia sempre que "de todas as deusas, é a flora a mais benigna, porquanto incapaz de causar qualquer malefício, é ela quem dá aos homens e aos animais não só o seu alimento, mas o próprio ar que respiram"

Precursor na discussão sobre a preservação da flora brasileira, foi um dos redatores do Código Florestal Brasileiro. Membro de mais de uma dezena de entidades científicas nacionais e estrangeiras, viveu sempre modestamente, administrando parcos recursos paras suas viagens. E ao morrer, exceto sua grande obra, nenhum outro bem material deixou.

Sobre o Autor

Ângelo Caio Mendes Correa Jr.: Ângelo Caio Mendes Correa Jr. é professor e mestre em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo. Bibliófilo e articulista, tem vários ensaios sobre livros e escritores já publicados em vários jornais e sites do país. Reside em São Paulo.



< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


UM NOVO ANO NOVO, por Luiz Carlos Amorim.

Complexo de vira-lata, por Noga Lubicz Sklar.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos